Pular para o conteúdo principal

APRESENTAÇÃO DO LIVRO "A ALTERNÂNCIA DO PODER NO MARANHÃO" DE JHONATAN ALMADA

APRESENTAÇÃO DO LIVRO "A ALTERNÂNCIA DO PODER NO MARANHÃO" DE JHONATAN ALMADA

Lígia Teixeira*


O trabalho que o leitor terá acesso neste compêndio é um registro fundamental sem outro congênere produzido até o momento, para compreender o complexo cenário que gestou o longo, penoso e inédito processo de alternância de poder e superação de um regime oligárquico regional tão longevo quanto este que vigora, ainda que formalmente e com os dias contados, no Maranhão.
Os historiadores da minha geração ainda devem à sociedade maranhense uma análise mais apurada das categorias que construíram a realidade política maranhense nos últimos anos. O “roseanismo” vigente há duas décadas e subproduto mais nefasto do modelo “sarneysista” de governar, foi ao mesmo tempo capaz de levar o estado à miséria e à manutenção da barbárie feudal, ao mesmo tempo em que esgotou junto à opinião pública o conceito de “oligarquia”, cujo uso extremo em discursos maniqueístas quase sempre ignorou  o  fato de que lógicas oligárquicas são também frutos de uma cultura política aristocrática das instituições e não apenas vontades unilaterais de atores políticos.
A oligarquia no Maranhão é um fenômeno histórico que se arrasta no Estado há mais de dois séculos. Não se trata, portanto, de um modelo político inventado pelo “sarneysismo”. O que torna José Sarney a face histórica mais cruel desse modelo, é o fato de que ele usurpou há meio século a vontade maranhense de superação da lógica oligárquica. Sarney prometeu ser o agente político a superá-la, mas tornou-se o agente político a aprofundá-la.
O papel das instituições, a mentalidade hermética da aristocracia política, a dependência da máquina pública, as contradições econômicas, o processo de unidade oposicionista, o papel da sociedade civil e das instituições maranhenses, são alguns dos temas tratados neste livro. Creio que a competência dissertativa de Jhonatan Almada para analisar esses processos será profundamente útil para a compreensão do sentido histórico de “oligarquização” da política e por que este momento histórico da eleição de Flávio Dino aponta para sua superação definitiva.
O estilo de Jhonatan Almada dispensa rebuscamentos terminológicos e esquematismos linguísticos tão comuns aos que se debruçam sobre a realidade do Estado na perspectiva intelectual. Nem por isso o autor abre mão do rigor e erudição ao analisar os fatos com elegância e clareza.
Jhonatan Almada produz, enfatizo, um documento cujo conteúdo ainda é raro e por isso mesmo ousado. Neste livro encontraremos subsídios para compreender com nitidez o mais recente capítulo da história política do Maranhão, tão marcado por sutilezas e complexidades nem sempre levadas à conhecimento do grande público. E se é verdade que os historiadores no mais das vezes precisam de distanciamento temporal dos fatos para melhor se debruçarem sobre eles - como é o meu caso - neste trabalho, Jhonatan Almada mostra que os historiadores, mais do que “desengavetadores” de acontecimentos empoeirados e distantes no tempo, são mesmo fascinados pelo desafio de compreender a atualidade.
Biógrafo de Ignácio Rangel, economista maranhense falecido há exatos 20 anos e reconhecido como pensador cuja estatura intelectual em sua área só é comparável no Brasil à de Celso Furtado, Jhonatan Almada é profundamente influenciado por preceitos econômicos e sociais defendidos pelo biografado. Sua vasta experiência no campo da consultoria e planejamento educacional dá a este documento o caráter de consulta preciosa aos que se interessam pelo tema, já que o autor dedica um tópico para analisar a realidade da educação do Estado, oferecendo a decantação de dados estatísticos reveladores.
Como será perceptível ao leitor, a fala autorizada de Jhonatan Almada não é construída apenas pelo acúmulo de conhecimento teórico dos temas que ele narra. Longe de entregar-se ao “silêncio dos intelectuais” refugiados nas muralhas da Academia, Almada é um militante ativo das causas nas quais acredita, colocando seus estudos à disposição dos agentes públicos. Tive o prazer de conviver com ele durante a tarefa de formulação e difusão do Programa de Governo de Flávio Dino. Suas anotações, ponderações e contribuições, sobretudo na área de educação, podem ser encontradas na versão final do Programa que encontra-se à disposição dos cidadãos maranhenses para consulta a qualquer tempo.
Sou testemunha, portanto, do esforço intelectual de Jhonatan, não apenas para elaborar um mapeamento analítico sobre a realidade do Estado, mas, sobretudo na tarefa de colocar em prática o projeto de transformação da realidade maranhense, a que ele tem se dedicado com otimismo, disciplina, fé e a generosidade que lhe são peculiares.
Por fim, a coletânea de análises compreendidas neste livro, narra a construção de um processo de alternância de poder cuja finalidade maior é resgatar dos porões da invisibilidade os sete milhões de maranhenses anônimos, até aqui condenados à pobreza, à humilhação e ao esquecimento. Almada chama a atenção para o fato de que este processo ainda exigirá o cumprimento de algumas etapas. Apesar de terem sido colocados nos estertores do poder, há ainda a permanência (infiltração) de agentes políticos oligárquicos em instituições do Estado, a exemplo do Parlamento Estadual, do Tribunal de Contas, do Tribunal de Justiça, das cadeiras senatoriais do Estado, com 2/3 ainda ocupados por membros do grupo Sarney e de tantas outras instituições maranhenses.




* Historiadora, formada pela Universidade Federal do Maranhão (UFMA) e Mestre em Comunicação e Cultura pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Escreve regularmente no Jornal Pequeno. 



Apresentação do livro "A alternância do poder no Maranhão: temas de um projeto político pós-Sarney". Este livro pode ser adquirido nas seguintes livrarias virtuais:

Perse (E-book pdf e Impresso)

Amazon (E-book)

Kobo (E-book)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

BANQUE O DURO, MEU CHEFE

BANQUE O DURO , MEU CHEFE ! Por Raimundo Palhano Não deixe o seu lugar. Foi o conselho do venerável Bita do Barão de Guaré ao presidente do Senado, José Sarney, que, ao que parece, está sendo levado extremamente a sério. Quem ousaria desconsiderá-lo? Afinal, não se trata de um simples palpite. Estamos frente à opinião de um sumo sacerdote do Terecô, um mito vivo para o povo de Codó e muitos outros lugares deste imenso Maranhão. Um mago que, além de Ministro de Culto Religioso, foi agraciado pelo próprio Sarney, nos tempos de presidência da República, com o título de Comendador do Brasil, galardão este acessível a um pequenino grupo de brasileiros. Segundo a Época de 18.02.2002, estamos falando do pai de santo mais bem sucedido, respeitado, amado e temido do Maranhão. Com toda certeza o zelador de santo chegou a essa conclusão consultando seus deuses e guias espirituais. Vale recordar que deles já havia recebido a mensagem de que o Senador tem o “corpo fechado”. Ketu,

POR QUE HISTÓRIA É IMPORTANTE?

POR QUE HISTÓRIA É IMPORTANTE?  Pensando no que ocorreu com o Brasil nos últimos 4 anos e na enxurrada de informações destes dias pós-eleições tenho clareza de que HISTÓRIA é cada vez mais fundamental para entender o presente e não nos deixar reféns do momento, vejam o #Enem . O atual Ministro da Educação divulgou os inscritos no Exame Nacional do Ensino Médio-Enem 2022 com um tom de comemoração em junho. O número de inscritos 2022 aumentou em relação a 2021, bem como, cresceram as isenções. Quando não se tem a perspectiva histórica sobre o Enem, facilmente nos enganamos, até por boa fé em relação às autoridades constituídas. O fato é que número de #jovens que se inscrevem no Enem caiu de forma expressiva, cerca de 35,6% em relação a 2014. E aí? E aí que não há nada para se comemorar. O número de jovens que não estão continuando seus estudos cresceu, a pandemia foi o golpe de misericórdia. A #Universidade deixou de ser um sonho para esses jovens, precisamos estudar HISTÓRIA e não se

ESTRADA DO SOL - João Batista Ericeira

Ainda estou muito sentido e impactado, escrevo algumas linhas com os olhos cheios d'água.  Conheci o professor Ericeira há 16 anos, pouco depois de vir morar em São Luís, fui aluno do curso de políticas públicas oferecido pela Escola de Formação de Governantes(EFG) dirigida por ele e vinculada à Escola de Governo da Universidade de São Paulo-USP, criada por Fábio Konder Comparato. Ali fomos construindo nossa amizade a partir da relação mestre e aluno. Nestes 16 anos sempre estivemos juntos, nunca passamos uma semana sem nos falar, quando ligava falava com a voz grave "- Professor Almada, como estão as coisas?". Depois caíamos na risada e assim levamos, trabalhamos juntos na Escola de Formação de Governantes, onde me tornei professor e coordenador de projetos; na Escola Superior de Advocacia, onde criamos dois Cursos de Especialização em Direito; na Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação e no Instituto Estadual de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão. "São