Pular para o conteúdo principal

Postagens

PROFISSÃO DOCENTE NO BRASIL

Divulgamos recentemente o Retrato da Profissão Docente 2020, produzido pelo Centro de Inovação e Conhecimento para a Excelência em Políticas Públicas-CIEP. Documento aponta avanços e aquilo que ainda precisamos melhorar. Entre os avanços estão a formação inicial de professores, o piso salarial nacional profissional e os programas de formação e apoio à docência.

O Brasil tem mais de 2,2 milhões de professores, a maioria deles está na educação básica (no ensino fundamental), portanto, nas redes municipais de ensino. E é nessas redes escolares que as políticas públicas precisam chegar com maior incidência.

O magistério é uma profissão majoritariamente feminina, 1,761 milhão são professoras, em sua maioria entre 30 e 49 anos de idade. Há liderança consolidada no âmbito das Secretarias Municipais de Educação. Ainda assim, o Brasil registra Esther de Figueiredo Ferraz como a única Ministra da Educação em nossa história e isso no último governo da Ditadura Militar.

Avançamos na qualificação …
Postagens recentes

SUPERAR A ESCOLA QUE NÃO ENSINA

Nesta Semana em que se comemora o Dia do Professor, reitero que precisamos superar a escola que não ensina em São Luís. Os eleitores perdoam e esquecem os problemas que se acumularam ao longo dos anos, tem o coração generoso.

Estamos aqui para refrescar a memória da cidadania. A educação pública municipal de São Luís obteve o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica-Ideb 2019 de 5,1 nos anos iniciais do ensino fundamental e 3,9 nos anos finais do ensino fundamental, 22º e 19º lugar entre as capitais.

Entre 2007 e 2019, ou seja, 12 anos, São Luís saiu de 4 para 5,1 nos anos iniciais, sem nunca cumprir a meta do Ideb em cinco edições consecutivas. São Luís levou esse mesmo tempo para sair de 3,5 para 3,9 nos anos finais, sem cumprir a meta do Ideb em três edições sucessivas e retrocedendo do 4,1 obtido em 2009. Nesse ritmo, daqui a 12 anos, isto é, em 2032, São Luís alcançará a meta nacional de 6,0 no Ideb, meta que deveria ser atingida em 2021.

No que avançamos nas escolas de São L…

AINDA HÁ TEMPO PARA A INCLUSÃO DIGITAL?

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada-Ipea é uma instituição de estado que muito orgulha o Brasil. Recentemente, o Ipea divulgou nota técnica com o título “Acesso domiciliar à internet e ensino remoto durante a pandemia”. Os pesquisadores utilizaram dados da PNAD Contínua, do Censo Escolar e da Capes para delinear um quadro da população sem acesso à internet em barda larga ou 3G/4G/ em seu domicílio.

A falta de acesso se dá especialmente entre os estudantes da pré-escola e ensino fundamental, aproximadamente 4,95 milhões de crianças e adolescentes que estão matriculadas na escola pública, se incluirmos ensino médio e educação superior, esse número chega a 5,8 milhões de estudantes sem acesso à internet.

Os pesquisadores analisam os números e nos informam o perfil desses estudantes. Por exemplo, 54% dos que estão na pré-escola e 53% dos que estão no ensino fundamental vivem em domicílios nas áreas rurais. É o caso do menino José Caique que está na 7ª série do ensino fundamental n…

DIREITO À CIDADE

O debate sobre o Direito à Cidade é um dos mais pertinentes e necessários na atual conjuntura de eleições municipais de 2020 em contexto mundial inédito de pandemia. O usufruto desse Direito foi profundamente abalado.

A pandemia afetou todos os fluxos econômicos, culturais, sociais e afetivos, a exigência do isolamento social para preservação da vida nos colocou em suspenso e nos impediu de circular livremente pela Cidade.

O CIEP publicou, recentemente, o documento “Direito à Cidade: elementos para uma nova agenda urbana em São Luís”, trabalho do economista Aziz Santos, acessível no site www.ciepp.org.

É uma contribuição fundamental para refletirmos o desafio do Direito à Cidade em São Luís a partir da experiência do autor na gestão municipal onde exerceu os cargos de Secretário Municipal da Fazenda e Vice-prefeito. Portanto, saber de experiência feito que nos aponta as questões urgentes para a cidade.

O documento contou com prefácio do economista Raimundo Palhano que afirma “o momento…

REPENSAR O BRASIL

O livro “Repensar o Brasil”, organizado pelo economista Luiz Fernando de Paula, o geógrafo Elias Jabbour e pelo historiador Jhonatan Almada tem por objetivo abrir o debate sobre desenvolvimento do Brasil, às vésperas do Bicentenário da Independência.

Os organizadores, inspirados em Ignacio Rangel, situam esse debate na relação intrínseca e necessária entre economia, política e história, tal articulação caracteriza os capítulos reunidos e fundamenta sua contribuição intelectual.

O Centro de Inovação e Conhecimento para a Excelência em Políticas Públicas-CIEP e a Associação Brasileira de Economistas pela Democracia-ABED estão juntos no projeto de publicação, divulgação e disseminação do livro “Repensar o Brasil”.

Intelectuais de relevo contribuem com o livro, a exemplo de Luiz Carlos Bresser-Pereira, Jessé Souza, Luiz Gonzaga Belluzzo, Pedro Paulo Zahluth Bastos, Miguel Bruno, Fabiano Santos, Rafael Moura, Rossini Corrêa, Daniela M. Prates, Barbara Fritz, Armen Mamigonian, Lena Lavinas, …

O DESAFIO DO IDEB

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira-INEP divulgou os resultados do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica-IDEB, referentes a 2019. Durante a coletiva de imprensa afirmaram que o Inep é a Casa de Anísio Teixeira, o qual completa 120 anos de nascimento neste ano. Ter Anísio Teixeira como referência significa rigor e flexibilidade, rigor científico e flexibilidade para mudar, conforme o caráter provisório de todo conhecimento.

O Ideb é formado por dois elementos: as notas da Prova Brasil, aplicada de 2 em 2 anos na 5ª e 9ª série do ensino fundamental, e no 3º ano do ensino médio; e o fluxo escolar, especificamente a taxa de aprovação registrada no Censo Escolar. A multiplicação desses dois elementos produz a nota do Ideb.

Nem tudo é narrativa. Não podemos torcer a estatística para que ela diga aquilo que desejamos. A escala do Ideb é de 0 a 10, apesar dos avanços e celebrações, nossa educação pública ainda está muito aquém, ainda precisa avançar…

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *