Pular para o conteúdo principal

Educação


Nesta seção destaco alguns trabalhos que desenvolvi junto aos municípios do Maranhão, instituições ou organismos internacionais, especialmente na EDUCAÇÃO BÁSICA atuando como consultor:

  • Gestão do Instituto Estadual de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão-IEMA
    • Implantação de novas unidades
    • Escola Associada à UNESCO
    • Plano de Desenvolvimento Institucional-PDI
    • Intercâmbio internacional (IEMA no Mundo/O Mundo no IEMA)
    • Indicadores educacionais de 0,17% de evasão, 93,5% de frequência escolar, 96,5% de aprovação e 81% de presença das famílias na escola.
  • Consultoria na implementação do Projeto SELO UNICEF Município Aprovado 2009-2012 na Amazônia Legal Maranhense.
  • Assessoramento ao Pacto "Movimento Popular pelo Direito de Aprender das Crianças e Adolescentes de Barreirinhas".
  • Consultoria para elaboração dos Planos de Carreira e Remuneração do Magistério, conforme a Lei do Piso Salarial Nacional Profissional nos municípios:
    • Governador Nunes Freire
    • Santa Quitéria
    • Penalva
    • São Vicente Ferrer
    • Buriti
    • Alto Alegre do Pindaré
    • Capinzal do Norte
    • Paço do Lumiar
  • Avaliador do Comitê Técnico Regional do Prêmio Itaú-Unicef 2011
  • Avaliador do Prêmio Itaú-Unicef 2013
  • Avaliador do Comitê Técnico Regional do Prêmio Itaú-Unicef 2017
  • Oficina de Planejamento do EducAmazônia 2012-2016, vinculada ao UNICEF.
  • Metodologia de Trabalho para a Oficina de Planejamento do Seminário "Planejando o Direito de Aprender da Criança na Amazônia"
  • Elaboração de subsídios para o Diagnóstico Situacional da Educação Básica nos Estados da Amazônia Legal  


Nesta seção apresento os principais trabalhos como Técnico em Assuntos Educacionais atuando na Pró-Reitoria de Ensino da Universidade Federal do Maranhão (UFMA) onde cheguei a exercer o cargo de Chefe de Gabinete:



Comentários

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Postagens mais visitadas deste blog

TALENTOS PERDIDOS

Os caminhos para alcançar a excelência na educação são conhecidos e estão registrados em inúmeros estudos e pesquisas. Por outro lado, o uso dessa informação para tomada de decisão é um problema latino-americano. Constatei isso ao dialogar com colegas de outros países no Programa Regional de Formação em Planejamento e Gestão de Políticas Educativas promovido pelo Instituo Internacional de Planejamento da Educação da UNESCO.

O Centro de Excelência e Inovação em Políticas Educacionais-CEIPE disponibiliza estudos e pesquisas com a finalidade de subsidiar o desenho de políticas públicas educacionais. O Centro foi recentemente criado e está vinculado à Fundação Getúlio Vargas-FGV, sendo dirigido por Cláudia Costin, experiente profissional com passagens relevantes em cargos de gestão no âmbito municipal, estadual, federal e internacional, foi Diretora Global de Educação do Banco Mundial.

Recomendo ao público interessado a leitura do informativo Políticas Públicas em Ação Nº 1 com a temát…

A ESCOLA QUE NÃO ENSINA

Você colocaria seu filho para estudar em uma escola pública municipal de São Luís? Sim, responderiam aqueles que não a conhecem. Não, responderiam aqueles que tem condições de pagar a escola particular. A desigualdade no ponto de partida, sobretudo na infância, rouba de nossas crianças a possibilidade de ser mais e a base para abrir seus próprios futuros.

Talvez você caro leitor seja um dos privilegiados que trabalham em escritórios com ar-condicionado e cadeiras confortáveis. Tenho certeza, jamais permitiria que seus filhos passassem o dia todo no calor ou em cadeiras de madeira, as velhas e retas cadeiras inglesas do século passado. Infelizmente, aos filhos da maioria destinam as retas cadeiras de pau, aos filhos da elite, as cadeiras ergonômicas e adequadas. Isso nem é o mais grave, apenas simboliza como a escola pública foi e é tratada no Brasil.

Darcy Ribeiro falava em 1984 no culto à mentira educacional por parte de nossos líderes. Qual a ideia aí? É tratar a escola como algo i…

IMPACTO DAS DESIGUALDADES NA EDUCAÇÃO

O mundo vive algo inédito na história recente, a suspensão das aulas alcançou 191 países, 1,575 bilhão de estudantes, isso significa 91,3% da população estudantil. O período de quarentena requerido para contribuir com o enfrentamento do coronavirus trouxe desafios enormes para os sistemas educacionais e para as famílias, ambos despreparados para a modalidade de educação a distância ou remota.

Em casa, temos alternado entre as tarefas domésticas e as tarefas escolares dos filhos pequenos. É muito claro para mim que não podemos substituir os professores da educação infantil e do ensino fundamental, menos ainda a instituição escolar. As instituições escolares, por sua vez, precisam moderar os conteúdos, não se trata de ensinarmos no lugar dos professores, mas de auxiliarmos nas atividades adequadas ao momento.

Jaime Saavedra, Diretor Global de Educação do Banco Mundial enfatiza que tal suspensão de aulas nunca ocorreu em nível global e chama nossa atenção para o fato de que só 20 a 30% …