Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Novembro, 2009

Nós que há tanto esperamos

Nós que há tanto esperamos
Por Jhonatan Almada
A revista Carta Capital dessa semana, publicou matéria especial sobre o sucesso do Brasil no mundo, versão traduzida da que foi veiculada pela revista The Economist. A matéria destoa da tradicional visão exótica em relação ao país e aos brasileiros, tão característica das narrativas estrangeiras, desde o século XVI. Desenha um quadro denso, coerente, sério e rico sobre o Brasil. Mas o grande destaque da matéria está no que foi expresso, mas não explicitado, algo compreensível considerando que olham de fora as complexidades de nossa terra. Sobretudo quando da passagem: “Muitos dos seus políticos não veem nada de errado em roubar dinheiro público ou nomear parentes para cargos nos seus feudos pessoais, e se recusam a renunciar quando descobertos” (p. 57). O que possibilitou ao Brasil chegar nesse patamar elogiado pela matéria, não foi outra coisa que não a alternância do poder. Aos trancos e barrancos, com marchas e contramarchas, ditadores e d…

Agropecuária sob Governo Roseana: tentando apagar o passado

Agropecuária sob Governo Roseana: tentando apagar o passado

Ficamos impressionados com o programa “Terra Viva” que promete “revitalizar a agropecuária maranhense”. A curta memória nos lembra que o setor agrícola, vivenciou na década de 1990 sua verdadeira “década perdida”, posto que por força do desmonte do Estado, promovido pelo Governo Roseana Sarney (1994-2001), sobretudo com a extinção dos principais órgãos que apoiavam esse setor como a Emater, Codea, Emapa, Cimec, etc.Por conseguinte: a área plantada total que era de 1.971.909 hectares em 1994 baixou para 1.286.775 em 2001, uma queda de 34,74%; a produção de arroz caiu pela metade, a de banana caiu 35,6% e a de mandioca 23% no mesmo período. Paradoxalmente alavoura de soja que independe de qualquer ação de assistência técnica do Estado, por disporem dos seus próprios meios, cresceu vertiginosamente de 140.637 ha em 1994 para 491.083 ha em 2001 ( Ver IBGE e IPEADATA).Os resultados do Governo Roseana Sarney foram bem claros no seto…

Os devaneios navais dos Sarney

Os devaneios navais dos Sarney
A menos que exista um monte de engenheiros navais desempregados no Maranhão e um grande contingente de maranhenses marinheiros dando sopa, o que não é o caso, essa base naval não tem importância alguma, pelo menos positiva, no curto e médio prazo, para as especificidades e características econômicas e sociais locais.Será mais um enclave que se comunica para fora e com a plutocracia, mais certo ainda – não é para agora, não foi articulado pelo Governo Roseana Sarney e integra o planejamento da Estratégia Nacional de Defesa-END que tenho absoluta certeza, os sarneysista-roseanistas, não tem idéia do que seja, pois foram os que mais boicotaram o ex-ministro Mangabeira Unger, mentor daquela, durante sua gestão.Segundo informações do site Poder Naval (http://www.naval.com.br/): “’O poder naval brasileiro poderá desaparecer até 2025, se até lá não houver novos investimentos em equipamentos.’ O alerta foi dado pelo comandante da Marinha, almirante-de-esquadra Ju…

Obras do PAC do Governo Lula que o Governo Roseana diz que são suas

Obras do PAC do Governo Lula que o Governo Roseana diz que são suas

Confiram no relatório do PAC, as obras, nas diversas áreas, que o Governo
Federal está construindo no Maranhão, com recursos federais, e o Governo Roseana Sarney
diz que são suas, espalhando oudoors, anúncios de jornal, televisão, rádio e internet.

É preciso ter muito cuidado com as manhas e manias, espertalhices e espertezas dessa turma.
Não caiam nesse conto.

Relatório - 7º Balanço do PAC no Maranhão
http://www.brasil.gov.br/pac/.arquivos/relatorioMA_300709.pdf

Os falsos programas sociais do Governo Roseana e o FUMACOP

Os falsos programas sociais do Governo Roseana e o FUMACOP“Os programas começarão a levar benefícios a milhões de maranhenses a partir de dezembro e serão bancados com recursos do Fundo Maranhense de Combate a Pobreza (Fumacop). Ao todo o governo vai investir quase R$ 200 milhões até o final de 2010 nessas atividades” (Jornal O Estado do Maranhão-EMA, 10/11/09, p.3).PRIMEIRO EMPREGO“Os salários dos jovens empregados é pago pelo Estado por determinado período. Ao final desse tempo, ele pode ou não ser contratado.”Traduzindo: Mão-de-obra barata e gratuita para os empresários amigos do Governo, de cujos empreendimentos, os sarneys são sócios, direta ou indiretamente.VIVA LUZ“O governo vai isentar de pagamento consumidores com consumo médio de 50 KWh de energia/mês. A administração estadual está disponibilizando R$ 49 milhões nesse programa.”Traduzindo: O consumo de energia elétrica no Maranhão aumentou de 152.155 MWh em 1980 para 1.465.930 MWh em 2008. Ou seja o perfil de consumo aument…

47,46% de verdade sobre a infra-estrutura

47,46% de verdade sobre a infra-estruturaPor Jhonatan Almada“Viva Infra-estrutura alcança 47,46% de recuperação das MAs” (Jornal Estado do Maranhão-EMA, 8/11/09, p. 6, Caderno Cidades)“O secretário de Estado de Infraestrutura, Max Barros, disse que a velocidade com que as obras estão sendo iniciadas se deve ao planejamento. “O programa é ousado, nós sabemos disso, mas fizemos tudo com muito planejamento, para que não se iniciem obras sem ter o dinheiro para pagar.”“Essa dupla é assim: trabalhou, recebeu. Se o trabalho estiver sendo feito, vai receber porque os recursos já estão garantidos, disse o secretário de Estado de Planejamento, Gastão Vieira”.“Nós temos que ligar esse Maranhão por estradas, sinalizadas, de qualidade, porque é isso que traz desenvolvimento aos municípios, por isso a grande importância desse Plano Rodoviário, que foi lançado há apenas três meses, mas que há muito já é uma realidade”, assinalou o secretário”.Obras de restauração iniciadasMA 202 – Retorno da Forqui…

AS HORAS DE LUTA SERÃO AS MAIS BELAS

AS HORAS DE LUTA SERÃO AS MAIS BELAS (colaboração à rede Balaia)

Por Jhonatan Almada


O lançamento do livro “Honoráveis Bandidos” do jornalista Palmério Dória, despertou a parte mais execrável dos serviçais do poder no Maranhão, aqueles que em qualquer governo estão dispostos a tudo, almas vendidas por alguns trocados, desprovidos do sentido da História contemporânea e do significado de conceitos básicos, como convivência democrática.

Os “estudantes” e “jovens” que tumultuaram e agrediram os presentes no lançamento do livro, sobretudo na figura simbólica e paradigmática do ex-governador Jackson Lago, revelam a faceta mais conhecida da maranhensidade – o medo.

Os donos do poder, bruxuleando nas mídias televisiva, radiofônica, impressa e digital, diga-se de passagem, de sua propriedade e de seus serviçais, são incapazes de “mostrar a cara”. Não tem coragem, nunca foram bravos e fortes, filhos do Norte, como no poema de Gonçalves Dias, que escamoteiam em mais uma campanha publicitária.

Muitos …

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *