Pular para o conteúdo principal

DEFENDER AS CONQUISTAS E TER FIRMEZA NO CAMINHO


Jhonatan Almada, historiador

Enfrentar o processo de desconstrução midiática desafia todo governo contraoligárquicoNão é o maior desafio, mas é dos que mais geram falsificações, omissões e mentiras. Aqueles que estavam no poder não contam mais com todos os instrumentos antes disponíveis, salvo a mídia de sua propriedade, resquício vergonhoso dos roubos de dinheiro públicoQuem lidera o governo contraoligárquico não pode defender solitariamente a obra em construção, fundamental que todos sejam solidários à essa tarefa estratégica e tática, nos setores onde atuamos, nos grupos e comunidades que participamos, bem como, nas nossas famílias. 

Se embarcamos no navio furado dessa mídia frustrada passamos a descrer do fato e acreditar na versão. Tentam nos convencer que bom é mal e mau é bem: a praça não é do povo, a estrada asfaltada não tem serventia, a escola de taipa é melhor que a escola de alvenaria, o hospital de 20 leitos se torna melhor que o hospital macrorregional, o brinquedo de criança vira armadilha proposital, a escola profissionalizante em tempo integral perde o caráter inovador e avançado ante um total deserto de algo similar

Quem vestiu a camisa da mudança para desenvolver o Maranhão precisa ser altivo, combativo e ousado no enfrentamento desse açoite diário de inverdades, ignorâncias e exageros. Isso se faz contrapondo as múltiplas e consistentes ações em andamento à virtualidade das versões midiáticas. Comunicar por meio das redes sociais, celulares, rádio, jornais e canais alternativos precisa ser acompanhado da comunicação comunitária via grupos focais, lideranças sociais e formadores de opinião. 

Cada vez mais fico convencido da importância de dotar todo o território dMaranhão de infraestrutura de rede e acesso à internet, permitindo expandir o conceito de cidadania digital e criar canal alternativo poderoso, cuja tendência mundial é substituir todas as outras formas de mídiaSublinho que muitos dos problemas atuais foram diagnosticados no passado, a exemplo desse da internet ou das águas fujonas da Baixada, a grande diferença deste Governo em relação aos anteriores é concretizar de forma atualizada as soluções para esses problemas. 

Não se disputa a paternidade de projetos, mas a capacidade de, respeitando o passado, materializar os projetos como feitos visíveis e verdadeiros no presente. Eis aqui uma marca fundamental que delimita postura e prática, reconhecer que apesar das tentativas anteriores, coube à essa liderança governamental fazer de fato, extinguir lendas e plantar legados. Retirar o Maranhão do extravio passa necessariamente por isso, no lugar da má vontade, evidenciar ações, no lugar das invejas armadas, reiterar a quem servimos, no lugar das incompreensões e absurdos, mostrar as mãos limpas e convictas do bem, do belo e do justo que se faz
.
Quem integra a administração pública não pode se reduzir ao ser puramente técnico, capaz de servir a todos e qualquer governo. Se for assim no que somos diferentes de Adolf EichmannAo ser julgado pelos crimes de guerra cometidos em nome do nazismo da Alemanha justificou-se enquanto funcionário público cumpridor de ordens. Não basta cumprir ordens é preciso ter criticidade suficiente para saber do fundamento ético e justo dessas ordens. É necessário ter inteligência e sensibilidade para discernir que estamos diante da pior conjuntura política e econômica dessa geração, portanto, cumpre-nos fazer bem o nosso trabalho, compreendendo que o objetivo primordial do governo é servir ao povo, provendo serviços públicos de qualidade, capazes de estimular e gerarcrescimento, autonomia e empoderamento.

O mandonismo oligárquico e a displicência histórica quanto aos enigmas, desafios, urgências e prioridades do Maranhão originaram um povo descrente e desconfiado de governos, políticos e promessas. Recuperar a confiança do povo não é tarefa fácil. Reparar a aridez do solo da descrença demanda regar dedicação, foco, informação, conhecimento e capacidade realizadora. Temos à frente um vasto campo de ação aberto, como dizia Plekhanov, a “todos os que têm olhos para ver, ouvidos para ouvir e coração para amar o seu próximo”.  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

BANQUE O DURO, MEU CHEFE

BANQUE O DURO , MEU CHEFE ! Por Raimundo Palhano Não deixe o seu lugar. Foi o conselho do venerável Bita do Barão de Guaré ao presidente do Senado, José Sarney, que, ao que parece, está sendo levado extremamente a sério. Quem ousaria desconsiderá-lo? Afinal, não se trata de um simples palpite. Estamos frente à opinião de um sumo sacerdote do Terecô, um mito vivo para o povo de Codó e muitos outros lugares deste imenso Maranhão. Um mago que, além de Ministro de Culto Religioso, foi agraciado pelo próprio Sarney, nos tempos de presidência da República, com o título de Comendador do Brasil, galardão este acessível a um pequenino grupo de brasileiros. Segundo a Época de 18.02.2002, estamos falando do pai de santo mais bem sucedido, respeitado, amado e temido do Maranhão. Com toda certeza o zelador de santo chegou a essa conclusão consultando seus deuses e guias espirituais. Vale recordar que deles já havia recebido a mensagem de que o Senador tem o “corpo fechado”. Ketu,

POR QUE HISTÓRIA É IMPORTANTE?

POR QUE HISTÓRIA É IMPORTANTE?  Pensando no que ocorreu com o Brasil nos últimos 4 anos e na enxurrada de informações destes dias pós-eleições tenho clareza de que HISTÓRIA é cada vez mais fundamental para entender o presente e não nos deixar reféns do momento, vejam o #Enem . O atual Ministro da Educação divulgou os inscritos no Exame Nacional do Ensino Médio-Enem 2022 com um tom de comemoração em junho. O número de inscritos 2022 aumentou em relação a 2021, bem como, cresceram as isenções. Quando não se tem a perspectiva histórica sobre o Enem, facilmente nos enganamos, até por boa fé em relação às autoridades constituídas. O fato é que número de #jovens que se inscrevem no Enem caiu de forma expressiva, cerca de 35,6% em relação a 2014. E aí? E aí que não há nada para se comemorar. O número de jovens que não estão continuando seus estudos cresceu, a pandemia foi o golpe de misericórdia. A #Universidade deixou de ser um sonho para esses jovens, precisamos estudar HISTÓRIA e não se

ESTRADA DO SOL - João Batista Ericeira

Ainda estou muito sentido e impactado, escrevo algumas linhas com os olhos cheios d'água.  Conheci o professor Ericeira há 16 anos, pouco depois de vir morar em São Luís, fui aluno do curso de políticas públicas oferecido pela Escola de Formação de Governantes(EFG) dirigida por ele e vinculada à Escola de Governo da Universidade de São Paulo-USP, criada por Fábio Konder Comparato. Ali fomos construindo nossa amizade a partir da relação mestre e aluno. Nestes 16 anos sempre estivemos juntos, nunca passamos uma semana sem nos falar, quando ligava falava com a voz grave "- Professor Almada, como estão as coisas?". Depois caíamos na risada e assim levamos, trabalhamos juntos na Escola de Formação de Governantes, onde me tornei professor e coordenador de projetos; na Escola Superior de Advocacia, onde criamos dois Cursos de Especialização em Direito; na Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação e no Instituto Estadual de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão. "São