Pular para o conteúdo principal

A educação de São Luís

Ontem foi o Dia do Professor, portanto, momento oportuno para refletir sobre a educação. A educação de São Luís tem sido objeto de minhas reflexões nos últimos anos, especialmente por ser o maior sistema municipal de ensino dentre os 217 municípios do Maranhão. 

Isso demanda atenção especial, por isso já escrevi sobre a escola que não ensina e a necessidade de superar essa escola. Embora os artigos tenham provocado o debate público no nível possível para a nossa realidade, isso não resultou em modificações da política educacional de então.

Nesse sentido, enquanto contribuição, penso que é importante dimensionar qual herança a gestão anterior deixou no âmbito da educação de São Luís, o CIEPP fez um diagnóstico sobre isso.

Um problema central deixado foi o acesso à creche, depois de 8 anos, somente 442 vagas a mais foram entregues, se comparamos a matrícula de 2013 e a matrícula de 2020. Para termos uma ideia da gravidade disso, São Luís registrou em 2020 cerca de 6,5 mil nascimentos, conforme o Painel de Monitoramento do Ministério da Saúde. Todos esses bebês potencialmente demandarão por creche daqui a 4 anos, por isso precisamos de planejamento educacional de médio e longo prazo.

Em 2020, último ano da gestão anterior, o quadro encontrado quanto às dependências das escolas municipais é lamentável: 57% das escolas municipais não tem biblioteca, 83% não tem salas de leitura, 89% não tem laboratório de informática, 98% não tem laboratório de ciências e 77% não tem quadra poliesportiva.

A pandemia colocou na pauta a necessidade do acesso à internet e dos computadores para os estudantes. Infelizmente, a pandemia encontrou 55% das escolas municipais sem internet banda larga e 410 computadores para uso dos seus 88 mil estudantes matriculados em 2020. 

Ano passado todas as atenções da Prefeitura de São Luís estavam voltadas para a inauguração de praças. Reconheço a importância disso para a convivência comunitária, contudo essa não deveria ter sido a prioridade se houvesse compromisso com o futuro da cidade, o futuro da cidade passa pela garantia do direito à educação das nossas crianças e adolescentes. Isso não ocorreu.

É preciso ter cuidado com os discursos que banalizam o termo revolução, os números evidenciarão os avanços e também os problemas existentes e recorrentes. Precisamos ter cautela e prudência ao lidar com a educação pública, senso de urgência e proporção. 

O que está em falta e faz a diferença é o conteúdo da escola, o ensino, a aprendizagem, seus professores e professoras, suas condições de trabalho, a liderança correta dos gestores escolares, o suporte técnico-pedagógico e financeiro da Secretaria Municipal de Educação junto às escolas.  

A agenda da infraestrutura é complementar e auxiliar da agenda da qualidade do ensino, apesar de irmanadas, sua natureza é diferente e demandam trabalho diferenciado. Darcy Ribeiro se posicionou contra o culto da mentira educacional e nisso estou com ele, sustento essa posição sem receio. 

O prefeito de São Luís tem a seu favor o tempo e a vontade de acertar, contudo, não será tarefa fácil. Desejo êxito, nossas crianças e adolescentes querem, precisam e tem esse direito.


Imagem meramente ilustrativa

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

BANQUE O DURO, MEU CHEFE

BANQUE O DURO , MEU CHEFE ! Por Raimundo Palhano Não deixe o seu lugar. Foi o conselho do venerável Bita do Barão de Guaré ao presidente do Senado, José Sarney, que, ao que parece, está sendo levado extremamente a sério. Quem ousaria desconsiderá-lo? Afinal, não se trata de um simples palpite. Estamos frente à opinião de um sumo sacerdote do Terecô, um mito vivo para o povo de Codó e muitos outros lugares deste imenso Maranhão. Um mago que, além de Ministro de Culto Religioso, foi agraciado pelo próprio Sarney, nos tempos de presidência da República, com o título de Comendador do Brasil, galardão este acessível a um pequenino grupo de brasileiros. Segundo a Época de 18.02.2002, estamos falando do pai de santo mais bem sucedido, respeitado, amado e temido do Maranhão. Com toda certeza o zelador de santo chegou a essa conclusão consultando seus deuses e guias espirituais. Vale recordar que deles já havia recebido a mensagem de que o Senador tem o “corpo fechado”. Ketu,

É POSSÍVEL REABRIR AS ESCOLAS

  É preciso organizar a reabertura das escolas públicas em 2021 com os cuidados sanitários devidos, por outro lado e em paralelo, priorizar a vacinação das equipes escolares (professores, gestores, técnico-administrativos e terceirizados). Não há tempo a perder, estamos entregando uma geração de estudantes para a desigualdade por incompetência e inação. O trabalho de preparação para reabrir as escolas deve ocorrer neste mês de janeiro, que na educação só deve ser férias para os estudantes e professores. As equipes técnicas devem organizar a retomada das aulas ainda no primeiro semestre de 2021 de forma gradual e escalonada. A primeira tarefa é assegurar os insumos e adaptações necessárias, máscaras, álcool em gel, distanciamento e reorganização das salas de aula e turmas. Se pode fazer a retomada presencial escalonada a partir de fevereiro, conforme avançar a vacinação, 30% dos estudantes no primeiro mês, 50% no segundo mês, 75% no terceiro mês até chegar a 100% no quarto mês letivo, e