Pular para o conteúdo principal

A ESCOLA QUE NÃO ENSINA

Você colocaria seu filho para estudar em uma escola pública municipal de São Luís? Sim, responderiam aqueles que não a conhecem. Não, responderiam aqueles que tem condições de pagar a escola particular. A desigualdade no ponto de partida, sobretudo na infância, rouba de nossas crianças a possibilidade de ser mais e a base para abrir seus próprios futuros.

Talvez você caro leitor seja um dos privilegiados que trabalham em escritórios com ar-condicionado e cadeiras confortáveis. Tenho certeza, jamais permitiria que seus filhos passassem o dia todo no calor ou em cadeiras de madeira, as velhas e retas cadeiras inglesas do século passado. Infelizmente, aos filhos da maioria destinam as retas cadeiras de pau, aos filhos da elite, as cadeiras ergonômicas e adequadas. Isso nem é o mais grave, apenas simboliza como a escola pública foi e é tratada no Brasil.

Darcy Ribeiro falava em 1984 no culto à mentira educacional por parte de nossos líderes. Qual a ideia aí? É tratar a escola como algo idealizado e enfeixado em palavras ocas que nada tem a ver com seus desafios e problemas, pois é mais difícil enfrentá-los do que mentir belamente, ignorando-os.

A escola pública municipal de São Luís é uma tragédia e não me venham culpar os professores, os gestores, os técnicos da Secretaria. Não! Os erros são políticos, são de política educacional. A tragédia se divide em dois componentes, as condições de funcionamento que são péssimas e a qualidade do ensino que é lamentável.

O Censo Escolar de 2018 refere que 55% das escolas de São Luís não tem bibliotecas, 76% não tem quadra de esportes, 64% não tem salas de atendimento para estudantes com deficiência, 85% não tem laboratórios de informática e 98% não possuem laboratórios de ciências. É preciso dizer mais? Sem livros, sem esportes, sem ciência, sem tecnologia e sem inclusão. É essa escola que serve às 3,8 mil crianças matriculadas na creche, 9,3 mil da pré-escola e as mais de 65 mil no ensino fundamental.

Nós temos 46 mil crianças de 0 a 3 anos em São Luís, crianças em idade para frequentar creche, somente 38,3% estão matriculadas, isso se somarmos a rede pública e particular. Por outro lado, temos 22 mil adolescentes de 10 a 14 anos fora da escola. Isso é uma violência contra nosso próprio presente e futuro.

O segundo componente se refere à qualidade do ensino em São Luís. Não devemos nos enganar com estatística educacional, o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica-IDEB vai de 0 a 10, a rede municipal de São Luís tem nota 4,6 nos anos iniciais do ensino fundamental (a meta era 5,2) e nota 3,8 nos anos finais do ensino fundamental (meta era 4,3). A melhor rede municipal do Brasil é a de Sobral com IDEB de 9,1 nos anos iniciais e 7,2 nos anos finais. Portanto, longuíssimo caminho ainda deve ser percorrido.

Vou traduzir melhor o significado dessa nota do IDEB para São Luís, significa que ao final do 5º ano do ensino fundamental somente 36% das crianças aprendem o adequado de língua portuguesa e 20% o adequado de matemática. Por outro lado, ao final do 9º ano do ensino fundamental somente 22% aprende o adequado em português e 6% o adequado em matemática. Em síntese, 78% das crianças concluem o ensino fundamental em São Luís sem saber português e 94% sem saber matemática.

Como resolver isso? Implementando política educacional de longo prazo, garantindo autonomia à Secretaria Municipal de Educação, blindando os gestores escolares da interferência política, realizando formação continuada dos professores, investindo em infraestrutura e equipamentos, e o mais relevante, acompanhando e monitorando os indicadores educacionais para que a tomada de decisão seja informada e pertinente.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

BANQUE O DURO, MEU CHEFE

BANQUE O DURO , MEU CHEFE ! Por Raimundo Palhano Não deixe o seu lugar. Foi o conselho do venerável Bita do Barão de Guaré ao presidente do Senado, José Sarney, que, ao que parece, está sendo levado extremamente a sério. Quem ousaria desconsiderá-lo? Afinal, não se trata de um simples palpite. Estamos frente à opinião de um sumo sacerdote do Terecô, um mito vivo para o povo de Codó e muitos outros lugares deste imenso Maranhão. Um mago que, além de Ministro de Culto Religioso, foi agraciado pelo próprio Sarney, nos tempos de presidência da República, com o título de Comendador do Brasil, galardão este acessível a um pequenino grupo de brasileiros. Segundo a Época de 18.02.2002, estamos falando do pai de santo mais bem sucedido, respeitado, amado e temido do Maranhão. Com toda certeza o zelador de santo chegou a essa conclusão consultando seus deuses e guias espirituais. Vale recordar que deles já havia recebido a mensagem de que o Senador tem o “corpo fechado”. Ketu,

É POSSÍVEL REABRIR AS ESCOLAS

  É preciso organizar a reabertura das escolas públicas em 2021 com os cuidados sanitários devidos, por outro lado e em paralelo, priorizar a vacinação das equipes escolares (professores, gestores, técnico-administrativos e terceirizados). Não há tempo a perder, estamos entregando uma geração de estudantes para a desigualdade por incompetência e inação. O trabalho de preparação para reabrir as escolas deve ocorrer neste mês de janeiro, que na educação só deve ser férias para os estudantes e professores. As equipes técnicas devem organizar a retomada das aulas ainda no primeiro semestre de 2021 de forma gradual e escalonada. A primeira tarefa é assegurar os insumos e adaptações necessárias, máscaras, álcool em gel, distanciamento e reorganização das salas de aula e turmas. Se pode fazer a retomada presencial escalonada a partir de fevereiro, conforme avançar a vacinação, 30% dos estudantes no primeiro mês, 50% no segundo mês, 75% no terceiro mês até chegar a 100% no quarto mês letivo, e

O ANO PERDIDO

O ano da pandemia do coronavírus deixará marcas profundas na educação e nas desigualdades do nosso país, acumulando desafios para o próximo ciclo político e econômico. Não há copo meio vazio ou meio cheio. A educação pública enfrentou um dos piores momentos. Temos um Ministério da Educação esvaziado e omisso na condução da política educacional, incapaz de tomar decisões fundamentais, se movendo a base de pressão social e política. Lembremos do episódio do Exame Nacional do Ensino Médio-Enem, adiado com muito custo e resistência. Lembremos do ensino remoto que só ocorreu graças à atuação do Conselho Nacional de Educação-CNE. Os estudantes da escola pública se viram excluídos do sistema de ensino, enganados por falsas soluções tecnológicas que nunca os alcançaram e sendo descobertos pelo poder público em suas casas, dessa vez não mais como números, mas como gente e gente submetida à desigualdade social e educativa. No entanto, ação que tarda é inócua. Este foi um ano perdido para maioria