Pular para o conteúdo principal

Educación, desigualdad y pandemia en América Latina

 


Está disponível para download gratuito, o livro “Educación, desigualdad y pandemia en América Latina: miradas desde el campo de la política educativa” no link https://e5fbb5ae-c4a8-4733-bfd8-aa2c5a471f80.filesusr.com/ugd/25b93e_72e071f45ad24d6eac2d75dbd9f52a90.pdf.

O livro foi organizado por Jorge Gorostiaga (Argentina), Simone de Fátima Flach (Brasil) e Jhonatan Almada (Brasil), parceria entre a Rede de Estudos Teóricos e Epistemológicos em Política Educativa (ReLePe) e o Centro de Inovação para a Excelência das Políticas Públicas (CIEPP).

Pesquisadores do Chile, Argentina, Brasil, México, Costa Rica, El Salvador e Honduras trazem seus aportes para compreendermos os impactos da pandemia na educação pública e as ações adotadas pelos diferentes governos no enfrentamento dessa situação emergencial.

SUMÁRIO DO LIVRO

PREFÁCIO - Paulo Speller

APRESENTAÇÃO - Jorge Gorostiaga, Simone de Fátima Flach e Jhonatan Almada

LA EDUCACIÓN CHILENA ANTE LA CRISIS SANITARIA DEL COVID-19: balance preliminar desde la política educacional - Sebastián Donoso-Díaz - Daniel Reyes Araya

DESIGUALDAD DIGITAL Y PRÁCTICAS PEDAGÓGICAS EN ARGENTINA: la pandemia y tensiones que agudizan - Mônica Pini

EDUCAÇÃO BRASILEIRA NA ENCRUZILHADA: incertezas sobre os encaminhamentos político-educacionais em tempos de pandemia - Simone de Fátima Flach

POLÍTICA EDUCATIVA Y PANDEMIA EN MÉXICO: “¿Qué quieren que aprenda?” - Pedro Flores-Crespo, Miriam Herrera-Aguilar, Oliva Solís y Edita Solís

REFLEXIONES INICIALES EN TORNO A LOS DESAFIOS ENFRENTADOS EN LA EDUCACIÓN COSTARRICENSE COMO PARTE DE LAS TRANSFORMACIONES PROVACADAS POR LA PANDEMIA DEL COVID-19 - Jacqueline Garcia Fallas

HACIA LA TRANSFORMACIÓN DE LA EDUCACIÓN: perspectivas del sistema educativo salvadoreño de cara a la pandemia por COVID-19 - Pauline Martin y Sofía Molina Araniva

EL DERECHO PRECARIZADO A LA EDUCACIÓN EN HONDURAS: ¿nuevas desigualdades en el contexto de una pandemia? - Ricardo Morales-Ulloa



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

BANQUE O DURO, MEU CHEFE

BANQUE O DURO , MEU CHEFE ! Por Raimundo Palhano Não deixe o seu lugar. Foi o conselho do venerável Bita do Barão de Guaré ao presidente do Senado, José Sarney, que, ao que parece, está sendo levado extremamente a sério. Quem ousaria desconsiderá-lo? Afinal, não se trata de um simples palpite. Estamos frente à opinião de um sumo sacerdote do Terecô, um mito vivo para o povo de Codó e muitos outros lugares deste imenso Maranhão. Um mago que, além de Ministro de Culto Religioso, foi agraciado pelo próprio Sarney, nos tempos de presidência da República, com o título de Comendador do Brasil, galardão este acessível a um pequenino grupo de brasileiros. Segundo a Época de 18.02.2002, estamos falando do pai de santo mais bem sucedido, respeitado, amado e temido do Maranhão. Com toda certeza o zelador de santo chegou a essa conclusão consultando seus deuses e guias espirituais. Vale recordar que deles já havia recebido a mensagem de que o Senador tem o “corpo fechado”. Ketu,

É POSSÍVEL REABRIR AS ESCOLAS

  É preciso organizar a reabertura das escolas públicas em 2021 com os cuidados sanitários devidos, por outro lado e em paralelo, priorizar a vacinação das equipes escolares (professores, gestores, técnico-administrativos e terceirizados). Não há tempo a perder, estamos entregando uma geração de estudantes para a desigualdade por incompetência e inação. O trabalho de preparação para reabrir as escolas deve ocorrer neste mês de janeiro, que na educação só deve ser férias para os estudantes e professores. As equipes técnicas devem organizar a retomada das aulas ainda no primeiro semestre de 2021 de forma gradual e escalonada. A primeira tarefa é assegurar os insumos e adaptações necessárias, máscaras, álcool em gel, distanciamento e reorganização das salas de aula e turmas. Se pode fazer a retomada presencial escalonada a partir de fevereiro, conforme avançar a vacinação, 30% dos estudantes no primeiro mês, 50% no segundo mês, 75% no terceiro mês até chegar a 100% no quarto mês letivo, e

A educação de São Luís

Ontem foi o Dia do Professor, portanto, momento oportuno para refletir sobre a educação. A educação de São Luís tem sido objeto de minhas reflexões nos últimos anos, especialmente por ser o maior sistema municipal de ensino dentre os 217 municípios do Maranhão.  Isso demanda atenção especial, por isso já escrevi sobre a escola que não ensina e a necessidade de superar essa escola . Embora os artigos tenham provocado o debate público no nível possível para a nossa realidade, isso não resultou em modificações da política educacional de então. Nesse sentido, enquanto contribuição, penso que é importante dimensionar qual herança a gestão anterior deixou no âmbito da educação de São Luís, o CIEPP fez um diagnóstico sobre isso. Um problema central deixado foi o acesso à creche, depois de 8 anos, somente 442 vagas a mais foram entregues, se comparamos a matrícula de 2013 e a matrícula de 2020. Para termos uma ideia da gravidade disso, São Luís registrou em 2020 cerca de 6,5 mil nascimentos