Pular para o conteúdo principal

DIREITO À CIDADE

O debate sobre o Direito à Cidade é um dos mais pertinentes e necessários na atual conjuntura de eleições municipais de 2020 em contexto mundial inédito de pandemia. O usufruto desse Direito foi profundamente abalado.

A pandemia afetou todos os fluxos econômicos, culturais, sociais e afetivos, a exigência do isolamento social para preservação da vida nos colocou em suspenso e nos impediu de circular livremente pela Cidade.

O CIEP publicou, recentemente, o documento “Direito à Cidade: elementos para uma nova agenda urbana em São Luís”, trabalho do economista Aziz Santos, acessível no site www.ciepp.org.

É uma contribuição fundamental para refletirmos o desafio do Direito à Cidade em São Luís a partir da experiência do autor na gestão municipal onde exerceu os cargos de Secretário Municipal da Fazenda e Vice-prefeito. Portanto, saber de experiência feito que nos aponta as questões urgentes para a cidade.

O documento contou com prefácio do economista Raimundo Palhano que afirma “o momento histórico, marcado por uma policrise incomum e sem precedentes, não deixa dúvida de que é preciso passar a limpo o que foi, o que é e o que será o Maranhão e a sua Capital”.

A palavra-chave é a inclusão sustentável, a Cidade só pode ser Direito se for de todos e propiciar essa fruição especialmente aos mais excluídos das políticas públicas.

O CIEP tem grande satisfação em acolher e publicar este trabalho no momento que estamos decidindo o melhor caminho para São Luís. Aziz, Palhano e eu, trabalhamos juntos há mais de dez anos, refletindo e agindo sobre planejamento e desenvolvimento.

Desejo que o documento “Direito à Cidade” inspire os candidatos à prefeito e seus respectivos programas de governo. Nesse sentido, repetimos as perguntas levantadas por Aziz Santos sobre São Luís:

- O que fazer com Centro Histórico de São Luís? Continuar com a pálida política de restauração dos seus mais de 4 mil prédios?

- O que fazer com o Aterro do Bacanga? Talvez instalar ali a administração pública senão dos três níveis de governo, pelo menos do estadual e municipal.

- O que fazer do Sítio Santa Eulália? De propriedade dos servidores públicos estaduais (que nem sabem disso em sua grande maioria), mas entregue à devastação e ocupação temerária

- E a Fábrica Santa Amélia? Hoje de propriedade do Município, com projeto executivo pronto para acolher a diversidade cultural da cidade, Cidade de Cultura.

- E o Museu de Arte Contemporânea? projeto de Niemeyer, já transformado em projeto executivo, pago com dinheiro público, a ser construído ao lado da Praça Maria Aragão.

- E o Mercado Central? cartão postal de toda cidade que se propõe a receber turistas, com projeto pronto e jogado às traças.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

BANQUE O DURO, MEU CHEFE

BANQUE O DURO , MEU CHEFE ! Por Raimundo Palhano Não deixe o seu lugar. Foi o conselho do venerável Bita do Barão de Guaré ao presidente do Senado, José Sarney, que, ao que parece, está sendo levado extremamente a sério. Quem ousaria desconsiderá-lo? Afinal, não se trata de um simples palpite. Estamos frente à opinião de um sumo sacerdote do Terecô, um mito vivo para o povo de Codó e muitos outros lugares deste imenso Maranhão. Um mago que, além de Ministro de Culto Religioso, foi agraciado pelo próprio Sarney, nos tempos de presidência da República, com o título de Comendador do Brasil, galardão este acessível a um pequenino grupo de brasileiros. Segundo a Época de 18.02.2002, estamos falando do pai de santo mais bem sucedido, respeitado, amado e temido do Maranhão. Com toda certeza o zelador de santo chegou a essa conclusão consultando seus deuses e guias espirituais. Vale recordar que deles já havia recebido a mensagem de que o Senador tem o “corpo fechado”. Ketu,

É POSSÍVEL REABRIR AS ESCOLAS

  É preciso organizar a reabertura das escolas públicas em 2021 com os cuidados sanitários devidos, por outro lado e em paralelo, priorizar a vacinação das equipes escolares (professores, gestores, técnico-administrativos e terceirizados). Não há tempo a perder, estamos entregando uma geração de estudantes para a desigualdade por incompetência e inação. O trabalho de preparação para reabrir as escolas deve ocorrer neste mês de janeiro, que na educação só deve ser férias para os estudantes e professores. As equipes técnicas devem organizar a retomada das aulas ainda no primeiro semestre de 2021 de forma gradual e escalonada. A primeira tarefa é assegurar os insumos e adaptações necessárias, máscaras, álcool em gel, distanciamento e reorganização das salas de aula e turmas. Se pode fazer a retomada presencial escalonada a partir de fevereiro, conforme avançar a vacinação, 30% dos estudantes no primeiro mês, 50% no segundo mês, 75% no terceiro mês até chegar a 100% no quarto mês letivo, e

SUPERAR A ESCOLA QUE NÃO ENSINA

Nesta Semana em que se comemora o Dia do Professor, reitero que precisamos superar a escola que não ensina em São Luís. Os eleitores perdoam e esquecem os problemas que se acumularam ao longo dos anos, tem o coração generoso. Estamos aqui para refrescar a memória da cidadania. A educação pública municipal de São Luís obteve o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica-Ideb 2019 de 5,1 nos anos iniciais do ensino fundamental e 3,9 nos anos finais do ensino fundamental, 22º e 19º lugar entre as capitais. Entre 2007 e 2019, ou seja, 12 anos, São Luís saiu de 4 para 5,1 nos anos iniciais, sem nunca cumprir a meta do Ideb em cinco edições consecutivas. São Luís levou esse mesmo tempo para sair de 3,5 para 3,9 nos anos finais, sem cumprir a meta do Ideb em três edições sucessivas e retrocedendo do 4,1 obtido em 2009. Nesse ritmo, daqui a 12 anos, isto é, em 2032, São Luís alcançará a meta nacional de 6,0 no Ideb, meta que deveria ser atingida em 2021. No que avançamos nas escolas de São Lu