Pular para o conteúdo principal

AINDA HÁ TEMPO PARA A INCLUSÃO DIGITAL?

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada-Ipea é uma instituição de estado que muito orgulha o Brasil. Recentemente, o Ipea divulgou nota técnica com o título “Acesso domiciliar à internet e ensino remoto durante a pandemia”. Os pesquisadores utilizaram dados da PNAD Contínua, do Censo Escolar e da Capes para delinear um quadro da população sem acesso à internet em barda larga ou 3G/4G/ em seu domicílio.

A falta de acesso se dá especialmente entre os estudantes da pré-escola e ensino fundamental, aproximadamente 4,95 milhões de crianças e adolescentes que estão matriculadas na escola pública, se incluirmos ensino médio e educação superior, esse número chega a 5,8 milhões de estudantes sem acesso à internet.

Os pesquisadores analisam os números e nos informam o perfil desses estudantes. Por exemplo, 54% dos que estão na pré-escola e 53% dos que estão no ensino fundamental vivem em domicílios nas áreas rurais. É o caso do menino José Caique que está na 7ª série do ensino fundamental no povoado Pé da Serra no Piauí. O pai Francisco Sobral construiu uma barraca a 500 metros de casa, único ponto onde chega o sinal do celular. O celular foi emprestado pela tia Das Dores que também é professora.

A Folha de São Paulo divulgou matéria sobre relatório da OCDE apontando que o Brasil tem a pior proporção de computadores por aluno entre os 79 países avaliados no último PISA. A média dos países ricos é de 1 computador por estudante, no Brasil são 10 estudantes por computador.

Sem política pública de longo prazo nos batemos com as urgências de cada dia e nos resta pensar alternativas. Por exemplo utilizar internet por satélite, antes chamada de GSAC e hoje Educação Conectada, cuja qualidade da internet ainda é baixa. Outra possibilidade é a aquisição de pacotes de dados via celular oferecidos pelas empresas de telefonia no mercado, incluindo a distribuição de tablets ou celulares.

Os estudantes que não acessam a internet são de famílias de baixa renda, ou seja, suas famílias ganham no máximo 1,5 salário-mínimo por mês. Tal situação deve ter sido aliviada com o recebimento do auxílio emergencial, como o próprio nome diz, algo provisório.

Nesse sentido, prover acesso e equipamentos se faz necessário. Infelizmente o poder público é lento em decidir e implementar a decisão. O caro leitor deve lembrar que o problema da suspensão das aulas se apresentou em março e a ação efetiva ocorreu em agosto.

O custo de distribuir tablets e chips para os estudantes da pré-escola e do ensino fundamental, justamente os mais afetados, chegaria a R$ 2 bilhões. Isso caso os Governos implementem política de inclusão digital para o ensino remoto emergencial. Sem esquecer que ainda assim não contemplará todos os estudantes. Haverá necessidade de distribuir material impresso nas áreas sem internet ou cobertura de sinal de celular.

Ainda há tempo para a inclusão digital?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

BANQUE O DURO, MEU CHEFE

BANQUE O DURO , MEU CHEFE ! Por Raimundo Palhano Não deixe o seu lugar. Foi o conselho do venerável Bita do Barão de Guaré ao presidente do Senado, José Sarney, que, ao que parece, está sendo levado extremamente a sério. Quem ousaria desconsiderá-lo? Afinal, não se trata de um simples palpite. Estamos frente à opinião de um sumo sacerdote do Terecô, um mito vivo para o povo de Codó e muitos outros lugares deste imenso Maranhão. Um mago que, além de Ministro de Culto Religioso, foi agraciado pelo próprio Sarney, nos tempos de presidência da República, com o título de Comendador do Brasil, galardão este acessível a um pequenino grupo de brasileiros. Segundo a Época de 18.02.2002, estamos falando do pai de santo mais bem sucedido, respeitado, amado e temido do Maranhão. Com toda certeza o zelador de santo chegou a essa conclusão consultando seus deuses e guias espirituais. Vale recordar que deles já havia recebido a mensagem de que o Senador tem o “corpo fechado”. Ketu,

É POSSÍVEL REABRIR AS ESCOLAS

  É preciso organizar a reabertura das escolas públicas em 2021 com os cuidados sanitários devidos, por outro lado e em paralelo, priorizar a vacinação das equipes escolares (professores, gestores, técnico-administrativos e terceirizados). Não há tempo a perder, estamos entregando uma geração de estudantes para a desigualdade por incompetência e inação. O trabalho de preparação para reabrir as escolas deve ocorrer neste mês de janeiro, que na educação só deve ser férias para os estudantes e professores. As equipes técnicas devem organizar a retomada das aulas ainda no primeiro semestre de 2021 de forma gradual e escalonada. A primeira tarefa é assegurar os insumos e adaptações necessárias, máscaras, álcool em gel, distanciamento e reorganização das salas de aula e turmas. Se pode fazer a retomada presencial escalonada a partir de fevereiro, conforme avançar a vacinação, 30% dos estudantes no primeiro mês, 50% no segundo mês, 75% no terceiro mês até chegar a 100% no quarto mês letivo, e

IMPACTO DAS DESIGUALDADES NA EDUCAÇÃO

O mundo vive algo inédito na história recente, a suspensão das aulas alcançou 191 países, 1,575 bilhão de estudantes, isso significa 91,3% da população estudantil. O período de quarentena requerido para contribuir com o enfrentamento do coronavirus trouxe desafios enormes para os sistemas educacionais e para as famílias, ambos despreparados para a modalidade de educação a distância ou remota. Em casa, temos alternado entre as tarefas domésticas e as tarefas escolares dos filhos pequenos. É muito claro para mim que não podemos substituir os professores da educação infantil e do ensino fundamental, menos ainda a instituição escolar. As instituições escolares, por sua vez, precisam moderar os conteúdos, não se trata de ensinarmos no lugar dos professores, mas de auxiliarmos nas atividades adequadas ao momento. Jaime Saavedra, Diretor Global de Educação do Banco Mundial enfatiza que tal suspensão de aulas nunca ocorreu em nível global e chama nossa atenção para o fato de que só 20 a 30% d