Pular para o conteúdo principal

TALENTOS PERDIDOS

Os caminhos para alcançar a excelência na educação são conhecidos e estão registrados em inúmeros estudos e pesquisas. Por outro lado, o uso dessa informação para tomada de decisão é um problema latino-americano. Constatei isso ao dialogar com colegas de outros países no Programa Regional de Formação em Planejamento e Gestão de Políticas Educativas promovido pelo Instituo Internacional de Planejamento da Educação da UNESCO.

O Centro de Excelência e Inovação em Políticas Educacionais-CEIPE disponibiliza estudos e pesquisas com a finalidade de subsidiar o desenho de políticas públicas educacionais. O Centro foi recentemente criado e está vinculado à Fundação Getúlio Vargas-FGV, sendo dirigido por Cláudia Costin, experiente profissional com passagens relevantes em cargos de gestão no âmbito municipal, estadual, federal e internacional, foi Diretora Global de Educação do Banco Mundial.

Recomendo ao público interessado a leitura do informativo Políticas Públicas em Ação Nº 1 com a temática “Intervenções baseadas em evidências: um guia para os estados” e do livro “Como melhorar seu IDEB: experiências que funcionam”. Parabenizo a FGV pela criação do Centro e desejo que tenha todo sucesso em sua missão.

A propósito da busca permanente pelo conhecimento. Estudei e debati o trabalho “Talentos escondidos: os beneficiários do Bolsa Família medalhistas das Olimpíadas de Matemática”, o qual evidencia a importância das políticas de transferência de renda aliadas à identificação de estudantes talentosos. O trabalho é do Ministério do Desenvolvimento Social e foi publicado no Cadernos de Estudos Nº 30.

A Olímpiada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas-OBMEP foi criada em 2005 com o apoio de Eduardo Campos (1965-2014), então ministro da Ciência e Tecnologia do Governo Lula. A OBMEP é liderada pelo Instituto de Matemática Pura e Aplicada-IMPA com a Sociedade Brasileira de Matemática-SBM e financiada pelos Ministérios da Educação e da Ciência e Tecnologia. É a maior olimpíada científica do Brasil, envolve mais de 18 milhões de estudantes e 54 mil escolas, cobrindo 99,71% dos municípios.

Resultado de imagem para MEDALHISTAS OBMEP

Olimpíadas como a OBMEP estimulam e descobrem talentos acadêmicos em todo o Brasil, a atual deputada federal Tábata Amaral teve aí seu primeiro incentivo. O trabalho “Talentos escondidos” informa que dentre os beneficiários do Programa Bolsa Família, um total de 1.288 foram medalhistas no período 2011-2017, com média de 184 medalhistas por ano, o Nordeste é a região com maior frequência de medalhas.

A tese “Recognizing performance: how awards affect winners and peers performance in Brazil” de Diana Moreira comprova o impacto da presença de estudantes medalhistas na sala de aula, cerca de 20% dos seus colegas de turma melhoram em participação e notas. Além disso, incrementa 10% o ingresso desses estudantes em Universidades, dados de mais de 5 milhões de estudantes brasileiros em 170 mil salas de aula foram compilados e analisados na tese de Diana.

É fundamental para o Brasil formular políticas públicas inclusivas salvando os filhos da pátria do extravio da pobreza. Acredito que devemos apoiar esses talentos e garantir trajetórias de vida exitosas, decisivo, portanto, fortalecer e ampliar o Programa Nacional de Bolsas do CNPq para esses medalhistas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

BANQUE O DURO, MEU CHEFE

BANQUE O DURO , MEU CHEFE ! Por Raimundo Palhano Não deixe o seu lugar. Foi o conselho do venerável Bita do Barão de Guaré ao presidente do Senado, José Sarney, que, ao que parece, está sendo levado extremamente a sério. Quem ousaria desconsiderá-lo? Afinal, não se trata de um simples palpite. Estamos frente à opinião de um sumo sacerdote do Terecô, um mito vivo para o povo de Codó e muitos outros lugares deste imenso Maranhão. Um mago que, além de Ministro de Culto Religioso, foi agraciado pelo próprio Sarney, nos tempos de presidência da República, com o título de Comendador do Brasil, galardão este acessível a um pequenino grupo de brasileiros. Segundo a Época de 18.02.2002, estamos falando do pai de santo mais bem sucedido, respeitado, amado e temido do Maranhão. Com toda certeza o zelador de santo chegou a essa conclusão consultando seus deuses e guias espirituais. Vale recordar que deles já havia recebido a mensagem de que o Senador tem o “corpo fechado”. Ketu,

POR QUE HISTÓRIA É IMPORTANTE?

POR QUE HISTÓRIA É IMPORTANTE?  Pensando no que ocorreu com o Brasil nos últimos 4 anos e na enxurrada de informações destes dias pós-eleições tenho clareza de que HISTÓRIA é cada vez mais fundamental para entender o presente e não nos deixar reféns do momento, vejam o #Enem . O atual Ministro da Educação divulgou os inscritos no Exame Nacional do Ensino Médio-Enem 2022 com um tom de comemoração em junho. O número de inscritos 2022 aumentou em relação a 2021, bem como, cresceram as isenções. Quando não se tem a perspectiva histórica sobre o Enem, facilmente nos enganamos, até por boa fé em relação às autoridades constituídas. O fato é que número de #jovens que se inscrevem no Enem caiu de forma expressiva, cerca de 35,6% em relação a 2014. E aí? E aí que não há nada para se comemorar. O número de jovens que não estão continuando seus estudos cresceu, a pandemia foi o golpe de misericórdia. A #Universidade deixou de ser um sonho para esses jovens, precisamos estudar HISTÓRIA e não se

ESTRADA DO SOL - João Batista Ericeira

Ainda estou muito sentido e impactado, escrevo algumas linhas com os olhos cheios d'água.  Conheci o professor Ericeira há 16 anos, pouco depois de vir morar em São Luís, fui aluno do curso de políticas públicas oferecido pela Escola de Formação de Governantes(EFG) dirigida por ele e vinculada à Escola de Governo da Universidade de São Paulo-USP, criada por Fábio Konder Comparato. Ali fomos construindo nossa amizade a partir da relação mestre e aluno. Nestes 16 anos sempre estivemos juntos, nunca passamos uma semana sem nos falar, quando ligava falava com a voz grave "- Professor Almada, como estão as coisas?". Depois caíamos na risada e assim levamos, trabalhamos juntos na Escola de Formação de Governantes, onde me tornei professor e coordenador de projetos; na Escola Superior de Advocacia, onde criamos dois Cursos de Especialização em Direito; na Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação e no Instituto Estadual de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão. "São