Pular para o conteúdo principal

O SONHO DA CIÊNCIA PARA O MARANHÃO

Jhonatan Almada, historiador, escreve as sextas-feiras no Jornal Pequeno

No momento em que o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), completa 30 anos, vemos o quanto ainda precisamos avançar e o quanto avançamos. Saímos da irrelevância na década de 1980 para um patamar significativo em produção científica, impacto de publicações, investimento e formação de recursos humanos. Registre-se o papel destacado do maranhense Renato Archer, o primeiro ministro da pasta e responsável pela sua estruturação.

Para que o Brasil supere seu complexo de vira-latas se reveste como indispensável o conhecimento de si e o domínio do conhecimento mais avançado. Elementos cruciais para isso estão na engenharia aeroespacial, tecnologia da informação, nanotecnologia, energia renovável e produção de novos materiais. Investimento colossal a fundo perdido, sem interferências burocráticas permitirão superarmos esse nó histórico nos próximos 20 anos. Hoje, ainda somos mais importadores que criadores de tecnologia.

Importante citar que as principais realizações da ciência brasileira foram financiadas com recursos públicos ou de empresas como a Petrobrás. Nada diferindo do que ocorre no resto do mundo. A boba direita desinformadora omite esse dado e trata a questão como de corrupção endêmica. O melhor remédio seria concluir as investigações da Operação Lava Jato sem estardalhaço, com  identificação cabal dos responsáveis, sem essa espetacularização. Trabalho bem feito e de qualidade prima pela discrição no processo, mas divulga com a máxima amplitude os resultados. Nisso, nossa Polícia Federal e Ministério Público ainda precisam aprender muito com os americanos. As instituições são mais fortes que as pessoas, não podem sucumbir a elas. 

Temos feito um grande esforço de articulação institucional para atrairmos centros de excelência para o Maranhão. Entre eles, o Centro de Tecnologia da Informação “Renato Archer” (CTI) e a Agência Espacial Brasileira (AEB), órgãos vinculados ao MCTI. A perspectiva é que, com a participação ativa dos pesquisadores locais, possamos deixar institucionalizada a política estadual e organizado o órgão coordenador dessa política, com iniciativas estratégicas e focadas na conquista de uma nova geração para a ciência. O sonho é criarmos ambiente propício e estimulante ao avanço científico em prol do desenvolvimento humano maranhense, em definitivo e com caráter sustentável.

A gestão da área de Ciência, Tecnologia e Inovação (CT&I) do Estado do Maranhão viverão outro momento no atual governo. O governador Flávio Dino assinou o Decreto Nº 30.679, de 16 de março de 2015, o qual reorganiza a estrutura da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (SECTEC), transformando-a em Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação (SECTI). Mais que uma mudança nominal, a nova estrutura abarca mudança conceitual e de sentido com três eixos de competências: ciência, tecnologia e ensino superior; educação profissional e tecnológica; inovação e cidadania digital. Antes restrita a um papel figurativo e orçamentariamente secundário, a mudança organizacional sinaliza para a afirmação da Secretaria enquanto instância de coordenação e mediação das entidades vinculadas (FAPEMA, UEMA e IEMA) no trabalho de instituir e fazer funcionar o Sistema Estadual de CT&I.

Três temas foram incorporados pela Secretaria de forma mais contundente. A educação profissional e tecnológica tem como desafio a implantação de uma política estadual para o setor que abrange a implantação do Instituto Estadual de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (IEMA), a realização de cursos técnicos e tecnológicos, a oferta de oportunidades de inserção profissional e a criação de novos Centros de Vocação Tecnológica (CVT), hoje restrito ao Estaleiro-Escola. A inovação tem como desafio fortalecer as iniciativas de fomento executadas pela FAPEMA por intermédio de editais, a partir da criação de programas voltados para start-ups e aprovação do marco legal da inovação. A cidadania digital tem como desafio ampliar o acesso a internet a partir de programas que implantem maior infraestrutura de rede, wifi livre em locais públicos e pontos tecnológicos de acesso a internet, cursos técnicos e serviços públicos.

O legado de formar uma nova geração de maranhenses interessados em ciência, tecnologia e inovação, portadores do sonho de conhecer nos mobiliza. A geração de 2022, quando completamos 200 anos de independência, herdará dez mil flores de pensamento e criação. Estamos empenhados nisso.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

BANQUE O DURO, MEU CHEFE

BANQUE O DURO , MEU CHEFE ! Por Raimundo Palhano Não deixe o seu lugar. Foi o conselho do venerável Bita do Barão de Guaré ao presidente do Senado, José Sarney, que, ao que parece, está sendo levado extremamente a sério. Quem ousaria desconsiderá-lo? Afinal, não se trata de um simples palpite. Estamos frente à opinião de um sumo sacerdote do Terecô, um mito vivo para o povo de Codó e muitos outros lugares deste imenso Maranhão. Um mago que, além de Ministro de Culto Religioso, foi agraciado pelo próprio Sarney, nos tempos de presidência da República, com o título de Comendador do Brasil, galardão este acessível a um pequenino grupo de brasileiros. Segundo a Época de 18.02.2002, estamos falando do pai de santo mais bem sucedido, respeitado, amado e temido do Maranhão. Com toda certeza o zelador de santo chegou a essa conclusão consultando seus deuses e guias espirituais. Vale recordar que deles já havia recebido a mensagem de que o Senador tem o “corpo fechado”. Ketu,

POR QUE HISTÓRIA É IMPORTANTE?

POR QUE HISTÓRIA É IMPORTANTE?  Pensando no que ocorreu com o Brasil nos últimos 4 anos e na enxurrada de informações destes dias pós-eleições tenho clareza de que HISTÓRIA é cada vez mais fundamental para entender o presente e não nos deixar reféns do momento, vejam o #Enem . O atual Ministro da Educação divulgou os inscritos no Exame Nacional do Ensino Médio-Enem 2022 com um tom de comemoração em junho. O número de inscritos 2022 aumentou em relação a 2021, bem como, cresceram as isenções. Quando não se tem a perspectiva histórica sobre o Enem, facilmente nos enganamos, até por boa fé em relação às autoridades constituídas. O fato é que número de #jovens que se inscrevem no Enem caiu de forma expressiva, cerca de 35,6% em relação a 2014. E aí? E aí que não há nada para se comemorar. O número de jovens que não estão continuando seus estudos cresceu, a pandemia foi o golpe de misericórdia. A #Universidade deixou de ser um sonho para esses jovens, precisamos estudar HISTÓRIA e não se

ESTRADA DO SOL - João Batista Ericeira

Ainda estou muito sentido e impactado, escrevo algumas linhas com os olhos cheios d'água.  Conheci o professor Ericeira há 16 anos, pouco depois de vir morar em São Luís, fui aluno do curso de políticas públicas oferecido pela Escola de Formação de Governantes(EFG) dirigida por ele e vinculada à Escola de Governo da Universidade de São Paulo-USP, criada por Fábio Konder Comparato. Ali fomos construindo nossa amizade a partir da relação mestre e aluno. Nestes 16 anos sempre estivemos juntos, nunca passamos uma semana sem nos falar, quando ligava falava com a voz grave "- Professor Almada, como estão as coisas?". Depois caíamos na risada e assim levamos, trabalhamos juntos na Escola de Formação de Governantes, onde me tornei professor e coordenador de projetos; na Escola Superior de Advocacia, onde criamos dois Cursos de Especialização em Direito; na Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação e no Instituto Estadual de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão. "São