Pular para o conteúdo principal

A LUTA PELA ESCOLA HONESTA

A defesa da escola pública exige tomada de posição e coerência entre a teoria e a prática. Não é aceitável declarar-se favorável à escola pública e não tomar decisões que de fato a coloquem como prioridade, dedicando o investimento necessário e suficiente para seu desenvolvimento. Ao longo da história brasileira um dos campos de luta sempre foi o financiamento da educação pública.

A proposta de novo Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica-Fundeb que está em tramitação no Senado Federal traz um dos mais relevantes avanços, torna o fundo permanente. Isso significa que as próximas gerações de brasileiros, sobretudo aqueles que mais precisam, terão garantido o acesso à escola pública e seu respectivo financiamento.

Quando fiz ensino médio na escola estadual de minha cidade não existia Fundeb. Somente o ensino fundamental era etapa obrigatória e financiada pelo poder público como direito. Naquela escola em que estudei, os professores e equipe escolar se empenhavam para garantir esse direito sob condições totalmente desfavoráveis.

Não tínhamos biblioteca, laboratórios, internet, refeitório, enfermaria, ar-condicionado, carteiras adequadas, intercâmbio, nada disso. Algumas disciplinas ficavam sem professores por meses e nunca esse conteúdo foi reposto. Tal realidade segue existindo no Brasil, em maior ou menor intensidade. Até quando vamos aceitar isso?

E foi nessa escola que conclui o ensino médio com enormes lacunas de aprendizagem. Isso exigiu de mim mais esforço, mais dedicação para superar e criar o próprio caminho. Não é a regra, fui uma exceção, a maioria fica pelo caminho e interrompe sua trajetória educacional. Talvez essa experiência tenha me conduzido para atuar profissionalmente na área de educação, desse lugar faço sua defesa.

Será tão difícil oferecer uma “escola honesta” como defendia Darcy Ribeiro? Acredito que não é difícil quando há consenso razoável entre a política e a dimensão técnico-pedagógica. Todo consenso é provisório e situado no tempo. Nesse momento, o novo Fundeb deve incluir o Custo-Aluno Qualidade, pois esse instrumento vai nos aproximar mais dessa escola sonhada por tantos educadores e educadoras.

Além disso, não é aceitável que os recursos do novo Fundeb sejam utilizados para o pagamento de aposentados, se a saúde veda tal prática, na educação não deve ser diferente. Precisamos assegurar os investimentos, não diminuir, por isso essas malandragens contábeis na educação devem acabar, astúcia tem limite.

Estamos em semana decisiva para a educação pública e os/as Senadores/as tem papel fundamental, seus votos têm peso histórico para o futuro dos estudantes e para os estudantes do futuro. Desejo que cada um e cada uma esteja à altura desse momento, votando pela aprovação do novo Fundeb.

Comentários

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Postagens mais visitadas deste blog

TALENTOS PERDIDOS

Os caminhos para alcançar a excelência na educação são conhecidos e estão registrados em inúmeros estudos e pesquisas. Por outro lado, o uso dessa informação para tomada de decisão é um problema latino-americano. Constatei isso ao dialogar com colegas de outros países no Programa Regional de Formação em Planejamento e Gestão de Políticas Educativas promovido pelo Instituo Internacional de Planejamento da Educação da UNESCO.

O Centro de Excelência e Inovação em Políticas Educacionais-CEIPE disponibiliza estudos e pesquisas com a finalidade de subsidiar o desenho de políticas públicas educacionais. O Centro foi recentemente criado e está vinculado à Fundação Getúlio Vargas-FGV, sendo dirigido por Cláudia Costin, experiente profissional com passagens relevantes em cargos de gestão no âmbito municipal, estadual, federal e internacional, foi Diretora Global de Educação do Banco Mundial.

Recomendo ao público interessado a leitura do informativo Políticas Públicas em Ação Nº 1 com a temát…

A ESCOLA QUE NÃO ENSINA

Você colocaria seu filho para estudar em uma escola pública municipal de São Luís? Sim, responderiam aqueles que não a conhecem. Não, responderiam aqueles que tem condições de pagar a escola particular. A desigualdade no ponto de partida, sobretudo na infância, rouba de nossas crianças a possibilidade de ser mais e a base para abrir seus próprios futuros.

Talvez você caro leitor seja um dos privilegiados que trabalham em escritórios com ar-condicionado e cadeiras confortáveis. Tenho certeza, jamais permitiria que seus filhos passassem o dia todo no calor ou em cadeiras de madeira, as velhas e retas cadeiras inglesas do século passado. Infelizmente, aos filhos da maioria destinam as retas cadeiras de pau, aos filhos da elite, as cadeiras ergonômicas e adequadas. Isso nem é o mais grave, apenas simboliza como a escola pública foi e é tratada no Brasil.

Darcy Ribeiro falava em 1984 no culto à mentira educacional por parte de nossos líderes. Qual a ideia aí? É tratar a escola como algo i…

IMPACTO DAS DESIGUALDADES NA EDUCAÇÃO

O mundo vive algo inédito na história recente, a suspensão das aulas alcançou 191 países, 1,575 bilhão de estudantes, isso significa 91,3% da população estudantil. O período de quarentena requerido para contribuir com o enfrentamento do coronavirus trouxe desafios enormes para os sistemas educacionais e para as famílias, ambos despreparados para a modalidade de educação a distância ou remota.

Em casa, temos alternado entre as tarefas domésticas e as tarefas escolares dos filhos pequenos. É muito claro para mim que não podemos substituir os professores da educação infantil e do ensino fundamental, menos ainda a instituição escolar. As instituições escolares, por sua vez, precisam moderar os conteúdos, não se trata de ensinarmos no lugar dos professores, mas de auxiliarmos nas atividades adequadas ao momento.

Jaime Saavedra, Diretor Global de Educação do Banco Mundial enfatiza que tal suspensão de aulas nunca ocorreu em nível global e chama nossa atenção para o fato de que só 20 a 30% …