Pular para o conteúdo principal

CENTENÁRIO DE NEIVA MOREIRA

O Instituto Jackson Lago-IJL, a Academia Maranhense de Letras-AML e o Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão-IEMA estão organizando conjunto de eventos alusivos ao Centenário de Neiva Moreira (1917-2017). A programação elaborada para o mês de outubro inclui o lançamento de livros e a inauguração do Acervo Neiva Moreira na Biblioteca do IEMA Praia Grande, acervo constituído pela biblioteca pessoal de Neiva doada por Beatriz Bissio.

Meu primeiro contato com Neiva Moreira se deu na banca do Bena em Caxias-MA. Ponto em que eu frequentava atrás de revistas e almanaques, interessado em saber da cultura global. Ali tomei contato com a revista Cadernos do Terceiro Mundo e descobri um conjunto de realidades até então invisíveis para mim. Em geral, os países que a Cadernos apresentava eram ignorados pela mídia hegemônica ou quando lembrados destacava-se algo negativo, sempre.

A visão de mundo sobre a África, o Oriente Médio, a Ásia e a América Latina emergiram com uma riqueza de cores aos meus olhos. Histórias seculares e milenares de civilizações diferentes do modelo ocidental. Essa disposição de mostrar a diversidade só existia na revista Cadernos do Terceiro Mundo, nenhuma publicação atualmente se aproxima da linha editorial inaugurada pela Cadernos.

Meu segundo contato com Neiva se deu pelo livro Pilão da Madrugada. Livro com longa entrevista narrando o arco de sua vida, do Maranhão para o Mundo. Tal leitura me fez utilizar na epígrafe de meu livro “A alternância do poder político no Maranhão” a citação que Neiva fez quanto à generosidade de três irmãs que socam o pilão para ajudar viajantes extraviados a encontrarem seu caminho nas madrugadas.

Considerei importante trazer o discurso de Neiva Moreira ao assumir na Câmara dos Deputados, dia 15 de setembro de 1993, 29 anos após seu último mandato de deputado federal:

Sr. Presidente, meus caros colegas, seria muito insincero se dissesse que não me encontro dominado por forte emoção ao retornar a esta Casa, onde durante três mandatos participamos de acontecimentos decisivos da vida pública do nosso País. Serei breve. Em outro momento procurarei fazer uma análise das realidades do nosso País e da nossa visão pessoal e partidária de como encarar esses problemas.

Não sinto a menor amargura. Esses anos de ausência do Parlamento e da Pátria não foram perdidos. Quando o exílio me levou à África, às margens do Rio Congo, sentia que os problemas que ali se verificavam, que faziam padecer o seu povo, eram iguais aos que vivíamos no Rio São Francisco e no Parnaíba.

Eu achava que as novas ideias, as novas realidades, o novo conhecimento que incorporava através do sacrifício e da luta, poderiam permitir melhores, mais profundas e mais tranquilas contribuições no sentido de solucionar nossos problemas. No futuro, seguramente, vamos nos encontrar muitas vezes aqui neste microfone, não apenas concordando, mas também discordando.

Espero, sobretudo, Sr. Presidente, que estejamos unidos pelo desejo de servir ao País para transformá-lo na grande Pátria do futuro, que é o símbolo das nossas esperanças e aspirações. (Muito bem! Palmas.)

O discurso nos dá a dimensão humanista de Neiva Moreira, ao final, sua luta para resolver os problemas do povo era comum a qualquer lugar do mundo. O mais relevante ainda é que Neiva não guardou mágoas e apresentava neste discurso a mesma vontade de contribuir para o Brasil encontrar sua grandeza. Atitude rara em tempos de ódios exacerbados e fascismos armados.

Sugeri formalmente que a Câmara dos Deputados, a Assembleia Legislativa e a Câmara Municipal de São Luís e de Nova Iorque (onde Neiva nasceu) realizem sessões solenes de homenagem pelo Centenário de seu nascimento. É um gesto político de civilidade e reconhecimento ao legado de Neiva.

A última imagem que tive de Neiva Moreira não foi do seu próprio sepultamento, mas sim dele carregando o caixão de Darcy Ribeiro. O tema geracional emerge. Neiva e a estirpe de homens públicos que não se servem do poder se extinguiu ao longo da última década. Poucos podem afirmar que saíram dos mandatos exercidos tão pobres quanto entraram. A paixão com que se colocaram para resgatar a dignidade do povo brasileiro deve estimular nossa geração, ser montanha a qual se aspira subir.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

BANQUE O DURO, MEU CHEFE

BANQUE O DURO , MEU CHEFE ! Por Raimundo Palhano Não deixe o seu lugar. Foi o conselho do venerável Bita do Barão de Guaré ao presidente do Senado, José Sarney, que, ao que parece, está sendo levado extremamente a sério. Quem ousaria desconsiderá-lo? Afinal, não se trata de um simples palpite. Estamos frente à opinião de um sumo sacerdote do Terecô, um mito vivo para o povo de Codó e muitos outros lugares deste imenso Maranhão. Um mago que, além de Ministro de Culto Religioso, foi agraciado pelo próprio Sarney, nos tempos de presidência da República, com o título de Comendador do Brasil, galardão este acessível a um pequenino grupo de brasileiros. Segundo a Época de 18.02.2002, estamos falando do pai de santo mais bem sucedido, respeitado, amado e temido do Maranhão. Com toda certeza o zelador de santo chegou a essa conclusão consultando seus deuses e guias espirituais. Vale recordar que deles já havia recebido a mensagem de que o Senador tem o “corpo fechado”. Ketu,

POR QUE HISTÓRIA É IMPORTANTE?

POR QUE HISTÓRIA É IMPORTANTE?  Pensando no que ocorreu com o Brasil nos últimos 4 anos e na enxurrada de informações destes dias pós-eleições tenho clareza de que HISTÓRIA é cada vez mais fundamental para entender o presente e não nos deixar reféns do momento, vejam o #Enem . O atual Ministro da Educação divulgou os inscritos no Exame Nacional do Ensino Médio-Enem 2022 com um tom de comemoração em junho. O número de inscritos 2022 aumentou em relação a 2021, bem como, cresceram as isenções. Quando não se tem a perspectiva histórica sobre o Enem, facilmente nos enganamos, até por boa fé em relação às autoridades constituídas. O fato é que número de #jovens que se inscrevem no Enem caiu de forma expressiva, cerca de 35,6% em relação a 2014. E aí? E aí que não há nada para se comemorar. O número de jovens que não estão continuando seus estudos cresceu, a pandemia foi o golpe de misericórdia. A #Universidade deixou de ser um sonho para esses jovens, precisamos estudar HISTÓRIA e não se

ESTRADA DO SOL - João Batista Ericeira

Ainda estou muito sentido e impactado, escrevo algumas linhas com os olhos cheios d'água.  Conheci o professor Ericeira há 16 anos, pouco depois de vir morar em São Luís, fui aluno do curso de políticas públicas oferecido pela Escola de Formação de Governantes(EFG) dirigida por ele e vinculada à Escola de Governo da Universidade de São Paulo-USP, criada por Fábio Konder Comparato. Ali fomos construindo nossa amizade a partir da relação mestre e aluno. Nestes 16 anos sempre estivemos juntos, nunca passamos uma semana sem nos falar, quando ligava falava com a voz grave "- Professor Almada, como estão as coisas?". Depois caíamos na risada e assim levamos, trabalhamos juntos na Escola de Formação de Governantes, onde me tornei professor e coordenador de projetos; na Escola Superior de Advocacia, onde criamos dois Cursos de Especialização em Direito; na Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação e no Instituto Estadual de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão. "São