Pular para o conteúdo principal

PERSONAGENS DE SÃO LUÍS



Jhonatan Almada, historiador



Completo 15 anos vivendo em São Luís, cidade que adotei e estabeleci bases afetivas e profissionais. A cidade ao longo desses anos tem experimentado as tristezas e alegrias do crescimento urbano, da verticalização e do desnorteamento de um plano diretor. A Prefeitura de São Luís e o Governo do Estado tem feito grande esforço em tempos de recursos públicos escassos para revitalizar os espaços públicos, criar espaços de convivência e entretenimento atrativos à sociedade local, ao mesmo tempo, emuladores do turismo. As pessoas dão vida a cidade, elas são sua maior riqueza a preencher os espaços urbanos com suas existências e buscas por ser.

O déficit de serviços públicos na cidade ainda é grande. A desigualdade social também é uma desigualdade urbana na distribuição dos equipamentos e serviços comuns de todos, onde o sentido de público e o de ser cidadão são tênues. Apesar disso, os movimentos populares por moradia e melhorias indicam que as lutas por uma São Luís mais democrática e includente estão vivas. 

Há que se reconhecer os ganhos que as novas praças e espaços trazem para o querer bem nossa cidade. Por outro lado, também reconhecer que precisamos aumentar nosso exercício cidadão para preservar esses ganhos e não deixar depredar o patrimônio público recuperado. É inadmissível que o investimento realizado para estimular a convivência social se veja inócuo ante à brutalidade da destruição desse patrimônio. A praça deve ser nossa não só no sentido de ocupar, mas sobretudo de cuidar.

Espaços revitalizados dão mais brilho às pessoas e personagens que povoam São Luís ao longo do tempo, obtendo ou não o reconhecimento social de sua importância para criar a singularidade de nossa cidade.

O Pirata da Litorânea é um grito de irreverência ante a arrogância dos que se pensam destinatários dos espaços públicos e capazes de impor a exclusão do outro. O arbítrio retirou seu fusca colorido, casa com vista para o mar e o obrigou ao relento de uma barraca, quando não, se cobrir de vento e nuvens para dormir. Muitos julgam que o direito de morar na praia é para os poucos das casas e apartamentos ao longo da Litorânea ou para os turistas ocasionais. Não é. Dançando magicamente o reggae do Bar do Nelson, o Pirata solitário grita sua resistência e seu não pela beleza dos passos cadenciados e maneiros.

Enquanto alguns pintam suas cidades de cinza em oposição aos que a querem colorida, Emílio Ayoub escreve nas paredes seu coração, mensagens de amor, esperança e otimismo para nos alegrar ou fazer refletir. Se escrevesse nos jornais ou em livros não poderia alcançar o universo, os muros são o suporte de sua arte e a projetam para os olhos atentos ou distraídos que ali se põem a ler. Ninguém escreve para si, no outro buscamos o diálogo que nos faz gente e nos dá o pertencimento de humanidade.

Nas manhãs ou tardes de calor nada melhor que um sorvete gelado em raspas e na casquinha. Quando a vontade encontra o vendedor, somente aqui se ouve o Quantos na reiterada pergunta para nos fazer pedir mais um. O Quantos andarilha pela Universidade Federal do Maranhão ou no Centro Histórico oferecendo esse gelado refrescante sempre antecedido dessa pergunta fundamental. Os trabalhadores que andejam com seus produtos nas mãos, ombros ou cabeça merecem nosso respeito não por serem empreendedores, mas por terem encontrado veredas na densa floresta da indiferença capitalista.

Em São Luís não temos hot-dog, cachorro-quente é a pedida para saciar a fome do final do expediente de trabalho ou das aulas. A sociabilidade de uma mesa de comida com preços acessíveis que nos aproxima, cria ou reafirma os laços de amizade conquistou gerações de ludovicenses para o Cachorro-quente do Sousa. O Sousa conquistou também aquele espaço no país em que patrimônio histórico se decompõe e está eternamente cercado de tapumes, mas proíbe-se a ofertas de serviços às pessoas. Aqueles que transformam o servir em arte do conviver, como o Sousa, são vitoriosos pontos de referência que humanizam os lugares e produzem lembranças de bem querer.

A cidade de São Luís me acolheu há mais de uma década e pelos seus personagens presto essa homenagem por entender que sua riqueza reside nas pessoas e são elas que a tornam singular. Certamente outros personagens existem e existirão, pois enquanto continuarmos acreditando que vida plena se constrói com o outro haverá cidade.


Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

BANQUE O DURO, MEU CHEFE

BANQUE O DURO , MEU CHEFE ! Por Raimundo Palhano Não deixe o seu lugar. Foi o conselho do venerável Bita do Barão de Guaré ao presidente do Senado, José Sarney, que, ao que parece, está sendo levado extremamente a sério. Quem ousaria desconsiderá-lo? Afinal, não se trata de um simples palpite. Estamos frente à opinião de um sumo sacerdote do Terecô, um mito vivo para o povo de Codó e muitos outros lugares deste imenso Maranhão. Um mago que, além de Ministro de Culto Religioso, foi agraciado pelo próprio Sarney, nos tempos de presidência da República, com o título de Comendador do Brasil, galardão este acessível a um pequenino grupo de brasileiros. Segundo a Época de 18.02.2002, estamos falando do pai de santo mais bem sucedido, respeitado, amado e temido do Maranhão. Com toda certeza o zelador de santo chegou a essa conclusão consultando seus deuses e guias espirituais. Vale recordar que deles já havia recebido a mensagem de que o Senador tem o “corpo fechado”. Ketu,

POR QUE HISTÓRIA É IMPORTANTE?

POR QUE HISTÓRIA É IMPORTANTE?  Pensando no que ocorreu com o Brasil nos últimos 4 anos e na enxurrada de informações destes dias pós-eleições tenho clareza de que HISTÓRIA é cada vez mais fundamental para entender o presente e não nos deixar reféns do momento, vejam o #Enem . O atual Ministro da Educação divulgou os inscritos no Exame Nacional do Ensino Médio-Enem 2022 com um tom de comemoração em junho. O número de inscritos 2022 aumentou em relação a 2021, bem como, cresceram as isenções. Quando não se tem a perspectiva histórica sobre o Enem, facilmente nos enganamos, até por boa fé em relação às autoridades constituídas. O fato é que número de #jovens que se inscrevem no Enem caiu de forma expressiva, cerca de 35,6% em relação a 2014. E aí? E aí que não há nada para se comemorar. O número de jovens que não estão continuando seus estudos cresceu, a pandemia foi o golpe de misericórdia. A #Universidade deixou de ser um sonho para esses jovens, precisamos estudar HISTÓRIA e não se

ESTRADA DO SOL - João Batista Ericeira

Ainda estou muito sentido e impactado, escrevo algumas linhas com os olhos cheios d'água.  Conheci o professor Ericeira há 16 anos, pouco depois de vir morar em São Luís, fui aluno do curso de políticas públicas oferecido pela Escola de Formação de Governantes(EFG) dirigida por ele e vinculada à Escola de Governo da Universidade de São Paulo-USP, criada por Fábio Konder Comparato. Ali fomos construindo nossa amizade a partir da relação mestre e aluno. Nestes 16 anos sempre estivemos juntos, nunca passamos uma semana sem nos falar, quando ligava falava com a voz grave "- Professor Almada, como estão as coisas?". Depois caíamos na risada e assim levamos, trabalhamos juntos na Escola de Formação de Governantes, onde me tornei professor e coordenador de projetos; na Escola Superior de Advocacia, onde criamos dois Cursos de Especialização em Direito; na Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação e no Instituto Estadual de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão. "São