Pular para o conteúdo principal

Ousar Vencer


OUSAR VENCER

Jhonatan Almada, historiador e primeiro secretário do Instituto Jackson Lago.

Quem conhece a trajetória política de Léo Costa e partilha de sua agradável companhia sabe da inventividade, inteligência e capacidade criadora que o caracterizam. Se falarmos de coerência e lealdade é impossível não mencioná-lo. Companheiro do dr. Jackson Lago desde os primórdios, um dos fundadores e históricos do Partido Democrático Trabalhista (PDT), construiu uma relação de confiança com o saudoso político, prefeito de São Luís por três mandatos e governador do Maranhão.

Entretanto, o que demarca a vitória eleitoral em Barreirinhas é a ousadia de Leo Costa. Ousadia em enfrentar um dos principais representantes da oligarquia local rediviva, praticamente só, com as próprias mãos e as do que se juntaram e acreditaram na sua navegação. Ousadia de vencer a eleição contra um dos esquemas mais poderosos, espúrios e atrasados da política maranhense e brasileira.

A derrota de Albérico Filho, primo de José Sarney, é um indício claro da fadiga dos materiais que acomete a oligarquia. Certamente, estará nos porões dos tribunais gestando um novo golpe, uma nova artimanha. Sintomático disso é a ausência de qualquer menção a vitória de Léo Costa no jornal O Estado do Maranhão de hoje, 8 de outubro de 2012, segunda-feira. Lembremos que eles nunca desistem do tapetão. Contudo, o povo de Barreirinhas não assistirá bestializado qualquer tentativa de usurpação da sua soberania e a hora é de comemoração.

Nossa pequena contribuição à campanha de Léo Costa se deu com a produção de uma análise da situação educacional de Barreirinhas e a identificação dos macroproblemas a serem enfrentados no âmbito dessa política pública estratégica. O prof. Raimundo Palhano liderou a produção dessa análise, a qual foi enriquecida decisivamente pelas visitas, debates e conversas do candidato e agora prefeito, Léo Costa, junto ao povo de Barreirinhas, verdadeiros conhecedores dos seus problemas e agora senhores do seu destino.

Um dos macroproblemas apontados foi o do analfabetismo. Conforme dados do IBGE (2010), 25,4 da população com 15 anos ou mais de Barreirinhas é analfabeta, sendo que o maior percentual se encontra entre idosos (65,5%) e negros (31,2%). Um segundo macroproblema, diz respeito à defasagem escolar, distorção idade-série e evasão escolar. Esses números convergem para percentuais de até 56%, evidenciando que a escola pública municipal não tem cumprido seu papel em termos de garantir o acesso, a permanência, a aprendizagem e a conclusão do ensino fundamental. Um terceiro macroproblema está relacionado à qualificação das professoras e professores. Apenas 8,9% dos professores da rede pública de Barreirinhas possuíam nível superior, conforme a última estatística disponível. Isso dá uma ideia aproximada do quanto o novo prefeito terá que se empenhar para tirar a educação municipal do extravio da história e necessitará da colaboração de todas as forças sociais vivas da cidade e do campo.

Sempre que visitava Barreirinhas, especialmente nos últimos 4 anos, me perguntava por que o principal pólo turístico do Maranhão e um dos mais importantes do Brasil era tão mal cuidado. A primeira impressão de quem vem por terra ao entrar na cidade é de abandono, total falta de zelo com as coisas mais básicas de um centro urbano, ainda mais de um centro urbano que se propõe ser um espaço privilegiado para o turismo nacional e internacional. Não fosse a iniciativa dos pequenos e médios empreendedores locais que as próprias custas abrem seus negócios, montam seus restaurantes, pousadas e serviços de transporte, o turismo em Barreirinhas já teria falido.

A inoperância, a incompetência e a lentidão da administração pública municipal nos últimos anos é o principal fator a explicar o quadro acima desenhado. O conjunto de fatores mencionados contribuiu para que a proposta de Léo Costa fosse bem acolhida, encontrasse solo fértil para se desenvolver. Ela estava e está sintonizada com as demandas, necessidades e problemas do povo de Barreirinhas. É importante ressaltar que dra. Clay Lago esteve presente, como não poderia deixar de ser, carreando apoio e energia positiva a essa campanha, sagrada vitoriosa pelas urnas no dia 7 de outubro de 2012. 

Arrisco a dizer, se dr. Jackson Lago pudesse expressar nesse plano sua alegria, diria: - Parabéns Macário! Amigos e amigas de Barreirinhas, agora é 12!.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

BANQUE O DURO, MEU CHEFE

BANQUE O DURO , MEU CHEFE ! Por Raimundo Palhano Não deixe o seu lugar. Foi o conselho do venerável Bita do Barão de Guaré ao presidente do Senado, José Sarney, que, ao que parece, está sendo levado extremamente a sério. Quem ousaria desconsiderá-lo? Afinal, não se trata de um simples palpite. Estamos frente à opinião de um sumo sacerdote do Terecô, um mito vivo para o povo de Codó e muitos outros lugares deste imenso Maranhão. Um mago que, além de Ministro de Culto Religioso, foi agraciado pelo próprio Sarney, nos tempos de presidência da República, com o título de Comendador do Brasil, galardão este acessível a um pequenino grupo de brasileiros. Segundo a Época de 18.02.2002, estamos falando do pai de santo mais bem sucedido, respeitado, amado e temido do Maranhão. Com toda certeza o zelador de santo chegou a essa conclusão consultando seus deuses e guias espirituais. Vale recordar que deles já havia recebido a mensagem de que o Senador tem o “corpo fechado”. Ketu,

É POSSÍVEL REABRIR AS ESCOLAS

  É preciso organizar a reabertura das escolas públicas em 2021 com os cuidados sanitários devidos, por outro lado e em paralelo, priorizar a vacinação das equipes escolares (professores, gestores, técnico-administrativos e terceirizados). Não há tempo a perder, estamos entregando uma geração de estudantes para a desigualdade por incompetência e inação. O trabalho de preparação para reabrir as escolas deve ocorrer neste mês de janeiro, que na educação só deve ser férias para os estudantes e professores. As equipes técnicas devem organizar a retomada das aulas ainda no primeiro semestre de 2021 de forma gradual e escalonada. A primeira tarefa é assegurar os insumos e adaptações necessárias, máscaras, álcool em gel, distanciamento e reorganização das salas de aula e turmas. Se pode fazer a retomada presencial escalonada a partir de fevereiro, conforme avançar a vacinação, 30% dos estudantes no primeiro mês, 50% no segundo mês, 75% no terceiro mês até chegar a 100% no quarto mês letivo, e

O ANO PERDIDO

O ano da pandemia do coronavírus deixará marcas profundas na educação e nas desigualdades do nosso país, acumulando desafios para o próximo ciclo político e econômico. Não há copo meio vazio ou meio cheio. A educação pública enfrentou um dos piores momentos. Temos um Ministério da Educação esvaziado e omisso na condução da política educacional, incapaz de tomar decisões fundamentais, se movendo a base de pressão social e política. Lembremos do episódio do Exame Nacional do Ensino Médio-Enem, adiado com muito custo e resistência. Lembremos do ensino remoto que só ocorreu graças à atuação do Conselho Nacional de Educação-CNE. Os estudantes da escola pública se viram excluídos do sistema de ensino, enganados por falsas soluções tecnológicas que nunca os alcançaram e sendo descobertos pelo poder público em suas casas, dessa vez não mais como números, mas como gente e gente submetida à desigualdade social e educativa. No entanto, ação que tarda é inócua. Este foi um ano perdido para maioria