Pular para o conteúdo principal

União e Ruptura

UNIÃO E RUPTURA

Jhonatan Almada, historiador

Tenho um apreço fraternal a Franklin Douglas, o que não impede, como bem disse Niemeyer, de discordar e acordar fraternalmente também.

A ausência dos fatos e acontecimentos relevantes ocorridos no Governo Jackson Lago em relação a cooperação internacional e ao avanço da democracia participativa e direta em terras insuladas pela oligarquia e sob a égide do medo, tem mais a ver com a percepção dos mesmos em face de um governo de frente ampla e de um eleitorado ainda preocupado com a sobrevivência cotidiana, do que com a incompreensão do sentido e significado deles no visão política macro.

O drama do Maranhão desde o governo José Sarney, chegando no da filha Roseana Sarney, é que justamente traduziam o Estado pela capital. Os governadores competiam com os prefeitos da capital, lugar do maior eleitorado, deixando a míngua os atuais 216 municípios. O governo Jackson Lago e em parte também o de José Reinaldo romperam com a "lógica insular do governo estadual", dinamizando os investimentos para o continente, desconcentrado-os da ilha. É certo que o governo Jackson Lago avançou sobremaneira nisso, porém o esforço interrompido pelo golpe judicial deixou tudo a meio caminho.

Acredito que só a carta a São Luís não traduza o todo do que representou o Governo Jackson Lago nos dois sentidos já mencionados (cooperação internacional e democracia participativa e direta), por isso, considero indispensável uma Carta aos Movimentos Sociais e a Sociedade Civil Organizada dando conta disso.

Por fim é importante lembrar que a autocrítica feita nas mãos da oligarquia se transforma em outra coisa. Em tempo quente eleitoral ela será utilizada como confissão de uma incompetência (que a oligarquia julga ser detentora) que não houve no grau divulgado pela mídia sarneista durante os 2 anos e 4 meses de Governo Jackson Lago.

O desafio a meu ver é reinstituir a capacidade de entender a realidade maranhense como uma totalidade (diferente do editorial equivocado de O Imparcial de 6.ago.2010, hoje). A política não é milagrosa, resolvedora de tudo e não é o único meio de transformação real. A lógica econômica (é óbvio, mas necessário repetir) é capitalista, portanto funcionalmente excludente, nunca será a rendenção, não foi no passado e por condições objetivas não será no futuro. A estrutura governamental é falida, a máquina administrativa retrógrada, nunca aceitou a autonomia dos Conselhos de Políticas Públicas, nunca aceitou substituir o exército de cargos comissionados (muitos envelhecidos espiritualmente) por carreiras consolidadas (exceto professores e policiais mal remunerados).

Somente essas três dimensões do que poderíamos chamar de "problema maranhense" colocam por terra qualquer ingenuidade. Ao mesmo tempo reforça a centralidade da política, o fundamental da ruptura com a oligarquia e o imprescindível da união da oposição. De um lado união para derrotar a oligarquia, de outro força para fazer a ruptura.

Coloca aqui essas idéias a apreciação dos companheir@s da rede.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

BANQUE O DURO, MEU CHEFE

BANQUE O DURO , MEU CHEFE ! Por Raimundo Palhano Não deixe o seu lugar. Foi o conselho do venerável Bita do Barão de Guaré ao presidente do Senado, José Sarney, que, ao que parece, está sendo levado extremamente a sério. Quem ousaria desconsiderá-lo? Afinal, não se trata de um simples palpite. Estamos frente à opinião de um sumo sacerdote do Terecô, um mito vivo para o povo de Codó e muitos outros lugares deste imenso Maranhão. Um mago que, além de Ministro de Culto Religioso, foi agraciado pelo próprio Sarney, nos tempos de presidência da República, com o título de Comendador do Brasil, galardão este acessível a um pequenino grupo de brasileiros. Segundo a Época de 18.02.2002, estamos falando do pai de santo mais bem sucedido, respeitado, amado e temido do Maranhão. Com toda certeza o zelador de santo chegou a essa conclusão consultando seus deuses e guias espirituais. Vale recordar que deles já havia recebido a mensagem de que o Senador tem o “corpo fechado”. Ketu,

É POSSÍVEL REABRIR AS ESCOLAS

  É preciso organizar a reabertura das escolas públicas em 2021 com os cuidados sanitários devidos, por outro lado e em paralelo, priorizar a vacinação das equipes escolares (professores, gestores, técnico-administrativos e terceirizados). Não há tempo a perder, estamos entregando uma geração de estudantes para a desigualdade por incompetência e inação. O trabalho de preparação para reabrir as escolas deve ocorrer neste mês de janeiro, que na educação só deve ser férias para os estudantes e professores. As equipes técnicas devem organizar a retomada das aulas ainda no primeiro semestre de 2021 de forma gradual e escalonada. A primeira tarefa é assegurar os insumos e adaptações necessárias, máscaras, álcool em gel, distanciamento e reorganização das salas de aula e turmas. Se pode fazer a retomada presencial escalonada a partir de fevereiro, conforme avançar a vacinação, 30% dos estudantes no primeiro mês, 50% no segundo mês, 75% no terceiro mês até chegar a 100% no quarto mês letivo, e

O ANO PERDIDO

O ano da pandemia do coronavírus deixará marcas profundas na educação e nas desigualdades do nosso país, acumulando desafios para o próximo ciclo político e econômico. Não há copo meio vazio ou meio cheio. A educação pública enfrentou um dos piores momentos. Temos um Ministério da Educação esvaziado e omisso na condução da política educacional, incapaz de tomar decisões fundamentais, se movendo a base de pressão social e política. Lembremos do episódio do Exame Nacional do Ensino Médio-Enem, adiado com muito custo e resistência. Lembremos do ensino remoto que só ocorreu graças à atuação do Conselho Nacional de Educação-CNE. Os estudantes da escola pública se viram excluídos do sistema de ensino, enganados por falsas soluções tecnológicas que nunca os alcançaram e sendo descobertos pelo poder público em suas casas, dessa vez não mais como números, mas como gente e gente submetida à desigualdade social e educativa. No entanto, ação que tarda é inócua. Este foi um ano perdido para maioria