Pular para o conteúdo principal

ADIAR O ENEM É NECESSÁRIO

Tenho na defesa da escola pública uma das minhas causas. Que escola é essa? São 141.298 estabelecimentos de ensino que atendem 40 milhões de estudantes em todo o Brasil. Nessas escolas persistem desigualdades que marcam nossa história como civilização, são visíveis e inescapáveis a todos os banhos de mídia e às retóricas desviantes.

A pandemia do coronavírus não inventou as desigualdades da escola pública brasileira, mas as agravou e as evidenciou. Por exemplo, as plataformas de ensino via internet ou celular prevalecem como solução para suprir a ausência de aulas. O que nos alerta para a exclusão digital em nosso país, onde 33% dos domicílios não possuem acesso à internet, conforme pesquisa TIC Domicílios.

A desigualdade educativa se reflete nas condições dos estudantes da escola pública em participarem no Exame Nacional do Ensino Médio-ENEM, o qual foi criado para equilibrar e corrigir as distorções no acesso à Universidade.

Esses estudantes estão sem aulas há tempos e em sua maioria não foram incluídos pelas soluções de educação a distância ou remota. Em condições normais, 90,9% chega ao final do 3º ano do ensino médio sem aprendizagem adequada de matemática e 70,9% sem saber português. Os resultados sem aulas presenciais serão melhores? Claro que não.

Em face dessa realidade, não tenho dúvidas, adiar o ENEM é necessário. Países como China, França e Estados Unidos, cujos resultados educacionais são melhores que os do Brasil, tem adiado ou cancelado seus exames nacionais.

O Ministério da Educação da China decidiu adiar o GAOKAO (o Enem chinês) por um mês como medida de justiça, pois identificaram que os estudantes da área rural e das regiões mais pobres foram afetados no acesso às soluções de educação on line disponibilizadas. A França através do seu Ministério da Educação cancelou o Baccalauréat-BAC e o College Board dos Estados Unidos também cancelou o Scholastic Aptitude Test-SAT.

Se essas grandes nações resolveram adiar, não seria racional e razoável fazer o mesmo no Brasil? O Ministro da Educação pensa diferente, afirmou em reunião com o Senado Federal que o cronograma do ENEM está mantido e não está preocupado com injustiças sociais.

Não surpreende essa atitude do Ministro, suas grosserias nas redes sociais e incapacidade de dialogar são conhecidas e repudiadas. A cada dia que passa, o Ministro apequena a cadeira que já foi ocupada por Darcy Ribeiro e nos envergonha como brasileiros.

A educação é a única política pública em que os não especialistas ousam muito. Desconhecendo a realidade e armados de arrogância resolvem decidir aleatoriamente em matéria educativa, a insciência à serviço do cosmético, do imediato e do curto prazo.

É a marcha da insensatez, não basta ter sensibilidade para a importância do investimento em educação, importa saber o que é prioridade, aquilo que funciona ou não, e o mais relevante: se colocar no lugar do estudante da escola pública.

Faço aqui um apelo ao Congresso Nacional para que aprove projeto de lei adiando o cronograma do ENEM, reconhecendo as desigualdades educativas e oportunizando mais tempo de estudo para os nossos estudantes. Este é o papel do Estado, não como favor, mas como dever.

Comentários

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Postagens mais visitadas deste blog

TALENTOS PERDIDOS

Os caminhos para alcançar a excelência na educação são conhecidos e estão registrados em inúmeros estudos e pesquisas. Por outro lado, o uso dessa informação para tomada de decisão é um problema latino-americano. Constatei isso ao dialogar com colegas de outros países no Programa Regional de Formação em Planejamento e Gestão de Políticas Educativas promovido pelo Instituo Internacional de Planejamento da Educação da UNESCO.

O Centro de Excelência e Inovação em Políticas Educacionais-CEIPE disponibiliza estudos e pesquisas com a finalidade de subsidiar o desenho de políticas públicas educacionais. O Centro foi recentemente criado e está vinculado à Fundação Getúlio Vargas-FGV, sendo dirigido por Cláudia Costin, experiente profissional com passagens relevantes em cargos de gestão no âmbito municipal, estadual, federal e internacional, foi Diretora Global de Educação do Banco Mundial.

Recomendo ao público interessado a leitura do informativo Políticas Públicas em Ação Nº 1 com a temát…

A ESCOLA QUE NÃO ENSINA

Você colocaria seu filho para estudar em uma escola pública municipal de São Luís? Sim, responderiam aqueles que não a conhecem. Não, responderiam aqueles que tem condições de pagar a escola particular. A desigualdade no ponto de partida, sobretudo na infância, rouba de nossas crianças a possibilidade de ser mais e a base para abrir seus próprios futuros.

Talvez você caro leitor seja um dos privilegiados que trabalham em escritórios com ar-condicionado e cadeiras confortáveis. Tenho certeza, jamais permitiria que seus filhos passassem o dia todo no calor ou em cadeiras de madeira, as velhas e retas cadeiras inglesas do século passado. Infelizmente, aos filhos da maioria destinam as retas cadeiras de pau, aos filhos da elite, as cadeiras ergonômicas e adequadas. Isso nem é o mais grave, apenas simboliza como a escola pública foi e é tratada no Brasil.

Darcy Ribeiro falava em 1984 no culto à mentira educacional por parte de nossos líderes. Qual a ideia aí? É tratar a escola como algo i…

IMPACTO DAS DESIGUALDADES NA EDUCAÇÃO

O mundo vive algo inédito na história recente, a suspensão das aulas alcançou 191 países, 1,575 bilhão de estudantes, isso significa 91,3% da população estudantil. O período de quarentena requerido para contribuir com o enfrentamento do coronavirus trouxe desafios enormes para os sistemas educacionais e para as famílias, ambos despreparados para a modalidade de educação a distância ou remota.

Em casa, temos alternado entre as tarefas domésticas e as tarefas escolares dos filhos pequenos. É muito claro para mim que não podemos substituir os professores da educação infantil e do ensino fundamental, menos ainda a instituição escolar. As instituições escolares, por sua vez, precisam moderar os conteúdos, não se trata de ensinarmos no lugar dos professores, mas de auxiliarmos nas atividades adequadas ao momento.

Jaime Saavedra, Diretor Global de Educação do Banco Mundial enfatiza que tal suspensão de aulas nunca ocorreu em nível global e chama nossa atenção para o fato de que só 20 a 30% …