Pular para o conteúdo principal

PRESERVAR A MEMÓRIA DO FEITO E SUPERAR O ESPANTO


Jhonatan Almada, historiador e primeiro secretário do Instituto Jackson Lago

Todos os dias, íamos, eu e dois amigos, acompanhar o processo de cassação de Dr. Jackson no Acampamento Balaiada montado em frente ao Palácio dos Leões. Íamos após o expediente de trabalho. Não imaginávamos que eram os últimos dias de um governo com tantas realizações e muito mais a caminho. Recebi de forma impactante a notícia da cassação. Pesaroso, me despedi dos colegas de trabalho no Instituto Maranhense de Estudos Socioeconômicos e Cartográficos (Imesc) e na Secretaria de Planejamento (Seplan). Fui arrebatado pelas lágrimas, pela frustração. O que poderia ter sido, não pôde ser. Imperou o arbítrio do grupo político dominante, liderado pelo senador José Sarney, há meio século.

Foi doloroso ver todo um trabalho ser achincalhado diariamente pela mídia do grupo e ao mesmo tempo, ver esse mesmo trabalho, ser apropriado, desvirtuado e apresentado como algo deles. Dia, 17 de abril de 2013, quatro anos depois, recordei tudo isso sob uma forte comoção pessoal que me fez adiar a escrita desse artigo várias vezes. Reli o Soneto da Separação, de Vinicius de Moraes: “De repente do riso fez-se o pranto. Silencioso e branco como a bruma. E das bocas unidas fez-se a espuma. E das mãos espalmadas fez-se o espanto”. 

Assim, permitam-me um depoimento pessoal, uma pequena catarse. Nos anos posteriores ao golpe judiciário escrevi artigos, acompanhei Dr. Jackson ao interior, participei da sua última campanha eleitoral no ano de 2010 e contribui com a fundação do Instituto que leva seu nome. Fui mais um a unir-se aos companheiros e companheiras de jornada do Dr. Jackson. Abrimos esses caminhos para não deixar que o pranto derramado apagasse a chama. Abrimos esses caminhos para preservar a memória histórica do feito e superar o espanto. O bom desses caminhos é que eles nunca foram solitários.

Escrevendo inúmeros artigos nos quais denunciava a prática contraditória do Governo Roseana, tentamos quebrar o silêncio. Diziam que o Governo Jackson nada fez, mas se apropriavam das ações, dos projetos e dos programas que lhes interessavam. Em alguns mudavam apenas o nome. Noutros mudavam tudo. Outros abandonavam. Apresentaram os investimentos privados como se tivesse sido deles o trabalho de articulá-los. Abandonaram os hospitais regionais de alta complexidade para criarem hospitais de urgência e emergência de forma pulverizada. Logo em seguida, retomaram a ideia dos hospitais regionais exibindo-a como uma novidade. Utilizaram o endividamento massivo do Estado como dupla estratégia de poder: a) garantia dos recursos necessários para comprarem a continuidade no poder ou b) garantia de inviabilizarem um eventual governo de oposição.

Acompanhando a comitiva de Dr. Jackson nas viagens que fez ao interior do Maranhão para explicar à população, prestar contas do que seu governo fez, constatamos o quanto a comunicação direta com o cidadão e a cidadã dos municípios maranhenses é dificultada, quase impossibilitada. Nenhum outro meio substitui com eficácia o diálogo face a face. Fiquei responsável por apresentar os fundamentos do planejamento governamental, dizer que a regionalização do desenvolvimento, a descentralização dos investimentos, o fortalecimento dos municípios, a democratização do Estado, foram os princípios norteadores e as práticas concretas do Governo Jackson.

Participei da elaboração do Plano de Governo para sua campanha de governador nas eleições de 2010. Pensávamos que era fundamental retomar o que tinha sido feito durante o Governo (2007-2009) e aprofundar as transformações propostas e em curso. “Democracia, prosperidade e desenvolvimento” foi a consigna escolhida, os princípios norteadores que orientaram e fundamentaram a construção daquele documento.

Não estive durante o enterro de Dr. Jackson. Estava morando em Fortaleza com minha companheira. Quando retorno, em junho de 2011, a convite de Aziz Santos e Raimundo Palhano, juntamente com Sandra Torres, Léo Costa, Eurídice Vidigal, dentre outros, começamos a nos reunir semanalmente e a defender a ideia de que a memória do Governo Jackson tinha que ser preservada e divulgada. Isso foi amadurecendo. Os planos iniciais foram se expandindo, se aperfeiçoando. Os familiares de Dr. Jackson vinham pensando na criação de um memorial. Os pensamentos convergiram. Dra. Clay Lago assumiu a liderança desse processo. Nascia o Instituto Jackson Lago.

O golpe judiciário do dia 17 de abril de 2009 foi o ponto de partida. Cada um e cada uma adotou a reação que lhe pareceu mais adequada. Uns se atiraram na disputa pelo poder partidário. Outros erigiram novas lideranças políticas e novos espaços institucionais na oposição. Alguns aderiram ao grupo político dominante. Outros culparam o próprio Governo pela cassação. Lideranças expressivas morreram.

Nós, optamos pelo Instituto Jackson Lago e nele lapidamos em mármore. Com esperança calcada em certeza e solidez, releio Pablo Neruda: “Cresceu como uma fortaleza. Nasceu do sangue agredido. Amontoou seus cabelos como um pequeno puma vermelho e os olhos de pedra dura brilhavam desde a matéria como fulgores implacáveis saídos da caça”.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

BANQUE O DURO, MEU CHEFE

BANQUE O DURO , MEU CHEFE ! Por Raimundo Palhano Não deixe o seu lugar. Foi o conselho do venerável Bita do Barão de Guaré ao presidente do Senado, José Sarney, que, ao que parece, está sendo levado extremamente a sério. Quem ousaria desconsiderá-lo? Afinal, não se trata de um simples palpite. Estamos frente à opinião de um sumo sacerdote do Terecô, um mito vivo para o povo de Codó e muitos outros lugares deste imenso Maranhão. Um mago que, além de Ministro de Culto Religioso, foi agraciado pelo próprio Sarney, nos tempos de presidência da República, com o título de Comendador do Brasil, galardão este acessível a um pequenino grupo de brasileiros. Segundo a Época de 18.02.2002, estamos falando do pai de santo mais bem sucedido, respeitado, amado e temido do Maranhão. Com toda certeza o zelador de santo chegou a essa conclusão consultando seus deuses e guias espirituais. Vale recordar que deles já havia recebido a mensagem de que o Senador tem o “corpo fechado”. Ketu,

É POSSÍVEL REABRIR AS ESCOLAS

  É preciso organizar a reabertura das escolas públicas em 2021 com os cuidados sanitários devidos, por outro lado e em paralelo, priorizar a vacinação das equipes escolares (professores, gestores, técnico-administrativos e terceirizados). Não há tempo a perder, estamos entregando uma geração de estudantes para a desigualdade por incompetência e inação. O trabalho de preparação para reabrir as escolas deve ocorrer neste mês de janeiro, que na educação só deve ser férias para os estudantes e professores. As equipes técnicas devem organizar a retomada das aulas ainda no primeiro semestre de 2021 de forma gradual e escalonada. A primeira tarefa é assegurar os insumos e adaptações necessárias, máscaras, álcool em gel, distanciamento e reorganização das salas de aula e turmas. Se pode fazer a retomada presencial escalonada a partir de fevereiro, conforme avançar a vacinação, 30% dos estudantes no primeiro mês, 50% no segundo mês, 75% no terceiro mês até chegar a 100% no quarto mês letivo, e

O ANO PERDIDO

O ano da pandemia do coronavírus deixará marcas profundas na educação e nas desigualdades do nosso país, acumulando desafios para o próximo ciclo político e econômico. Não há copo meio vazio ou meio cheio. A educação pública enfrentou um dos piores momentos. Temos um Ministério da Educação esvaziado e omisso na condução da política educacional, incapaz de tomar decisões fundamentais, se movendo a base de pressão social e política. Lembremos do episódio do Exame Nacional do Ensino Médio-Enem, adiado com muito custo e resistência. Lembremos do ensino remoto que só ocorreu graças à atuação do Conselho Nacional de Educação-CNE. Os estudantes da escola pública se viram excluídos do sistema de ensino, enganados por falsas soluções tecnológicas que nunca os alcançaram e sendo descobertos pelo poder público em suas casas, dessa vez não mais como números, mas como gente e gente submetida à desigualdade social e educativa. No entanto, ação que tarda é inócua. Este foi um ano perdido para maioria