Pular para o conteúdo principal

DA ÁGUA À ESTRELA, A PALAVRA VIRA IEMA

Jhonatan Almada, Reitor do IEMA e ex-Secretário de Ciência, Tecnologia e Inovação


Inauguramos duas unidades do IEMA nestas semanas, uma em Santa Inês na Rua do Olho D´água e outra em São Luís Itaqui-Bacanga na Rua da Estrela, este último em parceria com a empresa Vale a quem agradecemos. Duas ruas que nos remetem ao simbolismo da água e do céu, os elementos sacralizados pela humanidade desde quando começou a existir neste mundo, elementos entrelaçados que produzem a vida, vida em abundância. A escola é o lugar fecundo para a vida, foi a instituição criada por nós para transmitir e recriar conhecimentos e gerações.

Entendo que não foi mera coincidência as Ruas onde inauguramos os IEMAs do Governo Flávio Dino. Estamos seriamente dedicados a construir a melhor escola pública do Brasil no Maranhão, provando ser possível o público eficiente, eficaz e efetivo, produtor de excelência no ensino e semeador de futuros. Trata-se do futuro no presente, aqui e agora priorizamos o investimento em educação, de verdade, sem retóricas engomadas, sem bandidagens, sem corrupção.  

Nossa verdade está no trabalho que realizamos, aquilo que fazemos corresponde com aquilo que pensamos, pois nos colocamos sob o signo da coerência e do compromisso com a função pública. O mal do mundo não está na política, mas no que fizeram dela, todos os dias pelo trabalho dedicado ao IEMA lutamos para provar que o bem também está na política. É possível exercer um cargo público e apresentar resultados para a sociedade, sem com isso extrair benefícios ilegais e pessoais. 

O IEMA de Santa Inês traz cursos inéditos como Gerência em Saúde, Registros e Informações em Saúde, Informática para Internet e o IEMA Itaqui-Bacanga cursos como Portos (parceria com a EMAP) e Vulcanização (parceria com a Vale), o primeiro do Brasil nesta área e uma inovação em nossa rede. Educação e trabalho tem que estar juntos para gerar prosperidade, daí a esperança e confiança que vi nos olhos dos estudantes e famílias durante as inaugurações.

A satisfação com o trabalho tem que vir da alegria das pessoas que são beneficiadas pelo serviço público realizado. Reconhecimento pela palavra de afeto e pelo abraço de irmandade, quem se irmana pelo bem comum, quem divide o pão no barco coletivo para o porto da utopia. Somos companheiros nessa longa navegação que possivelmente não se enxergará o final, pois o próximo se distancia e o porto segue na linha do horizonte. O essencial é a viagem.

A política é o lugar da palavra e é no espaço público que ela reverbera. A palavra continua sendo a força da política, em especial quando a palavra se transforma em obras, as promessas em entregas. Precisamos religar a dimensão da palavra à dimensão da realidade para revitalizar a política como fazimento do bem para todos e cada um. 

Quando abrimos a porta de um IEMA nossa luta é garantir que os meninos e meninas de Santa Inês tenham o padrão dos meninos e meninas do Itaqui-Bacanga. O padrão IEMA de qualidade é a nossa obstinação de trabalho e garanti-lo é o desafio diário de gestão, fazemos porque gostamos e acreditamos na escola pública como projeto de vida.  

Comentários

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Postagens mais visitadas deste blog

MIL DIAS DO GOVERNO FLÁVIO DINO

O Governo Flávio Dino completou mil dias de efetivo exercício nesta semana. Quem está imerso no enfrentamento dos grandes problemas do Maranhão sabe do significado deste número. O semióforo dos mil dias oportuniza fecunda reflexão sobre o que tem sido feito pelo Governo do Maranhão em conjuntura adversa e drástica do Brasil.

Quando assumiu o governo, Flávio Dino decidiu imprimir ritmo de campanha na ação do Poder Executivo acostumado a formas tradicionais de agir ou paralisado pelos tecnicalismos vazios. Podemos resumir isso em uma frase: o governador que trabalha mais de 12 horas por dia e atravessa madrugadas no encalço de suas metas e dos responsáveis por elas. Nunca teci elogios sem fundamento. Não se pode perder tempo e este espírito se apoderou dos que se imbuíram do exemplo e procuraram imitá-lo no limite de suas capacidades individuais e condições disponíveis.

Não foi um passeio chegar aos mil dias com o conjunto de obras e serviços entregues pelo Governo. A brutal escasse…

O DESAFIO DO ENSINO DE INGLÊS NA REDE PÚBLICA

Fazendo as contas completei 10 anos como articulista de jornais, escrevendo artigos de opinião. Destaco o Jornal Pequeno como espaço privilegiado para compartilhar minhas reflexões sobre temas de interesse e questões contemporâneas que merecem ser debatidas. Os artigos acumulados já resultaram em quatro livros: “Planejamento que marca caminhos”, “A alternância do poder político no Maranhão”, “Crítica à indiferença: política, ciência e educação” e “Ciência e educação como agentes de desenvolvimento”.
Dando continuidade a essas reflexões abordo hoje o problema do ensino de inglês na rede pública. O British Council publicou a pesquisa “O ensino de inglês na educação pública brasileira” apresentando os aspectos institucionais, o contexto escolar, o perfil dos professores e os desafios para o ensino desse idioma.
Uma primeira conclusão importante é que o ensino de inglês não é uma diretriz obrigatória nos documentos que regulam a educação, seja na esfera federal, seja nas esferas estaduai…

OBAMA NO BRASIL II

Acredito que qualquer político em início de carreira deve ser alvo de muitas depreciações, seja porque não lhe reconhecem como tal, seja porque sempre minimizam o trabalho realizado como algo banal ou simplório. Assim imagino a reação ao Obama dos primeiros anos, começando seu agir político nas comunidades, atuando em prol da organização das pessoas para resolverem os problemas mais agudos que lhes afetam.

A incapacidade de reconhecer tem raiz no apagamento do outro, enxergar no outro não um parceiro e igual, mas um mero semovente útil para determinadas tarefas e circunstâncias. Os tempos de mentiras aceleradas pela velocidade dos fluxos de informação constroem biografias precoces e também desumanizam abruptamente. Agradecer é reconhecer, pois não se constrói nada duradouro sem a participação de muitos outros, anônimos ou cavaleiros marginais, à margem, mas cavaleiros. Cada um traz seu tijolo para o edifício da história.

A comparação é um recurso comum para nos posicionarmos sobre q…