Pular para o conteúdo principal

CIÊNCIA E IGUALDADE DE GÊNERO

Laurinda Pinto, Secretária da Mulher

Jhonatan Almada, Reitor do IEMA e ex-Secretário de Ciência, Tecnologia e Inovação


Ciência e Cidadania são duas chaves que contribuem de maneira estruturante para o desenvolvimento das pessoas em seus territórios. Enquanto uma abre portas do conhecimento e avanço tecnológico a outra traz o reconhecimento do poder de transformação social de alguém que vivencia seus direitos sociais plenamente.

A partir dessa visão temos buscado construir uma Agenda da Ciência Cidadã no Maranhão, baseada em parcerias fundamentais com ações intersetoriais que desenvolvemos com as Secretarias da Mulher, da Igualdade Racial e da Juventude e da Educação.

Quem disse que mulher não sabe matemática? Física? ou Ciência? Um cientista é antes de tudo um criativo, alguém que vê a realidade de outra perspectiva, inovadora e rica de possibilidades.

Nesse aspecto, as mulheres saem na frente, de acordo com o relatório “Gender in the Global Research Landscape”, o qual aborda a presença das mulheres na Ciência em perspectiva mundial. A proporção de mulheres pesquisadoras e inventoras cresceu 12 vezes entre 1996 e 2015, as quais tendem a se especializar na área biomédica enquanto os homens se concentram nas ciências físicas. No Brasil o crescimento observado foi de 8,47 vezes, saímos de 18 mil para 153 mil pesquisadoras, entretanto, temos poucas mulheres inventoras, são 1,5 mil em um universo de 7,8 mil inventores.

Já a Universidade Federal do Maranhão (UFMA) elegeu a primeira mulher reitora de toda sua história, a professora Nair Portela. E a Universidade Estadual da Região Tocantina do Maranhão (UEMASUL), criada por nosso governo, é dirigida pela reitora Elizabeth Fernandes. Espaços institucionais significativos conquistados pelas mulheres pesquisadoras do Maranhão.
 
Atentos a este cenário, criamos o Prêmio Estadual Construindo a Igualdade de Gênero, reconhecendo e valorizando as jovens pesquisadoras do ensino médio à pós-graduação, bem como, as lideranças femininas. O Prêmio segue para a segunda edição e tem mobilizado participantes em todo o Maranhão.

Destacamos nesta empreitada a parceria com a Secretaria de Estado da Mulher que tem a missão de implantar e implementar as Políticas Públicas para Mulheres no Estado visando a vivência plena de cidadania por parte das mulheres maranhenses.

 Ciência e a Cidadania também estão a postos quando o assunto é sensibilizarmos a comunidade em geral para a prevenção da Violência Contra a Mulher, numa perspectiva da construção de uma sociedade não sexista, não machista, pois Violência de Gênero é o freio do progresso. Uma sociedade desenvolvida não comporta nenhum tipo de desigualdade entre homens e mulheres.

Sendo assim, o Instituto Estadual de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (IEMA), primeira rede de educação profissional e tecnológica, incorporou a defesa da igualdade de gênero e o trabalho em prol do empoderamento feminino em seu modelo pedagógico.

Firmamos parceria com o Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) no projeto STEM2D, implementado com a Johnson & Johnson, para estimular o ingresso de mulheres nas áreas de Ciência, Tecnologia, Engenharia, Matemática, Manufatura e Design.

Em nossa oferta de cursos de qualificação profissional do IEMA também priorizamos as mulheres na ocupação de vagas, estimulando a geração de emprego, trabalho e renda nas famílias.

Os principais programas implementados pela Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação, tais como, Cidadão do Mundo, Luminar Caravana da Ciência, Aulão do Enem, Semana de Ciência e Tecnologia, são liderados por mulheres.

E a propósito do citado relatório, incluiremos a dimensão gênero no documento Estado da Ciência no Maranhão de 2018. Este documento sintetiza os investimentos realizados em pesquisa e a distribuição mesorregional dos pesquisadores, a partir do ano que vem, também teremos uma seção destacando as Mulheres na Ciência.


Este conjunto de iniciativas nos permite vislumbrar ambiente favorável e estimulante para que mais meninas e mulheres conquistem espaços relevantes na Ciência, pois reflete dimensão fundamental de nosso trabalho no Governo Flávio Dino: superar todos os tipos de desigualdade. 

Comentários

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Postagens mais visitadas deste blog

MIL DIAS DO GOVERNO FLÁVIO DINO

O Governo Flávio Dino completou mil dias de efetivo exercício nesta semana. Quem está imerso no enfrentamento dos grandes problemas do Maranhão sabe do significado deste número. O semióforo dos mil dias oportuniza fecunda reflexão sobre o que tem sido feito pelo Governo do Maranhão em conjuntura adversa e drástica do Brasil.

Quando assumiu o governo, Flávio Dino decidiu imprimir ritmo de campanha na ação do Poder Executivo acostumado a formas tradicionais de agir ou paralisado pelos tecnicalismos vazios. Podemos resumir isso em uma frase: o governador que trabalha mais de 12 horas por dia e atravessa madrugadas no encalço de suas metas e dos responsáveis por elas. Nunca teci elogios sem fundamento. Não se pode perder tempo e este espírito se apoderou dos que se imbuíram do exemplo e procuraram imitá-lo no limite de suas capacidades individuais e condições disponíveis.

Não foi um passeio chegar aos mil dias com o conjunto de obras e serviços entregues pelo Governo. A brutal escasse…

O DESAFIO DO ENSINO DE INGLÊS NA REDE PÚBLICA

Fazendo as contas completei 10 anos como articulista de jornais, escrevendo artigos de opinião. Destaco o Jornal Pequeno como espaço privilegiado para compartilhar minhas reflexões sobre temas de interesse e questões contemporâneas que merecem ser debatidas. Os artigos acumulados já resultaram em quatro livros: “Planejamento que marca caminhos”, “A alternância do poder político no Maranhão”, “Crítica à indiferença: política, ciência e educação” e “Ciência e educação como agentes de desenvolvimento”.
Dando continuidade a essas reflexões abordo hoje o problema do ensino de inglês na rede pública. O British Council publicou a pesquisa “O ensino de inglês na educação pública brasileira” apresentando os aspectos institucionais, o contexto escolar, o perfil dos professores e os desafios para o ensino desse idioma.
Uma primeira conclusão importante é que o ensino de inglês não é uma diretriz obrigatória nos documentos que regulam a educação, seja na esfera federal, seja nas esferas estaduai…