Pular para o conteúdo principal

Tempo de recolhimento


Eu, que sou cego,
- mas só peço luzes...
Que sou pequeno,
- mas só fito os Andes...,
Canto nest'hora
Castro Alves


Por mais que saibamos, sempre há por saber, infindável e inumerável é o conhecimento, por isso precisamos de mais luzes para ir clareando aquilo que for possível, pois curta é a vida. Sábio é saber-se cego e buscar as luzes.

Ante esse conhecimento infinito e a vida curta nos sabemos pequenos, um entre bilhões de almas do mundo. Porém, cientes disso, precisamos ter ambição e ousadia para olhar mais longe e mais alto, deixando a marca da nossa singularidade, o nosso canto.

Existe a hora, o tempo propício para o canto, mas não há precisão. Pode ser o longo tempo em que o rio leva para fazer polida a pedra bruta. Talvez seja aquele curto espaço de tempo que leva para o beija-flor bater as asas e voar. É um dos mistérios da existência humana.

Ante o tumulto do mundo é preciso recolhimento para a reflexão, assim abre-se a janela de tempo e podemos fazer como a máquina que minera e separa o precioso do descartável. A palavra não é necessária ainda, somente a lavoura do pensamento.

Tudo pesado e separado, o pensamento ganha a luz pela palavra, por ser flecha que não volta ao ser atirada há de ter-se zelo e paciência. É delicada neste início e precisa de intenso trabalho para ganhar densidade e ressoar como a pedra no lago, produzindo ondas e espraiando.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

BANQUE O DURO, MEU CHEFE

BANQUE O DURO , MEU CHEFE ! Por Raimundo Palhano Não deixe o seu lugar. Foi o conselho do venerável Bita do Barão de Guaré ao presidente do Senado, José Sarney, que, ao que parece, está sendo levado extremamente a sério. Quem ousaria desconsiderá-lo? Afinal, não se trata de um simples palpite. Estamos frente à opinião de um sumo sacerdote do Terecô, um mito vivo para o povo de Codó e muitos outros lugares deste imenso Maranhão. Um mago que, além de Ministro de Culto Religioso, foi agraciado pelo próprio Sarney, nos tempos de presidência da República, com o título de Comendador do Brasil, galardão este acessível a um pequenino grupo de brasileiros. Segundo a Época de 18.02.2002, estamos falando do pai de santo mais bem sucedido, respeitado, amado e temido do Maranhão. Com toda certeza o zelador de santo chegou a essa conclusão consultando seus deuses e guias espirituais. Vale recordar que deles já havia recebido a mensagem de que o Senador tem o “corpo fechado”. Ketu,

POR QUE HISTÓRIA É IMPORTANTE?

POR QUE HISTÓRIA É IMPORTANTE?  Pensando no que ocorreu com o Brasil nos últimos 4 anos e na enxurrada de informações destes dias pós-eleições tenho clareza de que HISTÓRIA é cada vez mais fundamental para entender o presente e não nos deixar reféns do momento, vejam o #Enem . O atual Ministro da Educação divulgou os inscritos no Exame Nacional do Ensino Médio-Enem 2022 com um tom de comemoração em junho. O número de inscritos 2022 aumentou em relação a 2021, bem como, cresceram as isenções. Quando não se tem a perspectiva histórica sobre o Enem, facilmente nos enganamos, até por boa fé em relação às autoridades constituídas. O fato é que número de #jovens que se inscrevem no Enem caiu de forma expressiva, cerca de 35,6% em relação a 2014. E aí? E aí que não há nada para se comemorar. O número de jovens que não estão continuando seus estudos cresceu, a pandemia foi o golpe de misericórdia. A #Universidade deixou de ser um sonho para esses jovens, precisamos estudar HISTÓRIA e não se

ESTRADA DO SOL - João Batista Ericeira

Ainda estou muito sentido e impactado, escrevo algumas linhas com os olhos cheios d'água.  Conheci o professor Ericeira há 16 anos, pouco depois de vir morar em São Luís, fui aluno do curso de políticas públicas oferecido pela Escola de Formação de Governantes(EFG) dirigida por ele e vinculada à Escola de Governo da Universidade de São Paulo-USP, criada por Fábio Konder Comparato. Ali fomos construindo nossa amizade a partir da relação mestre e aluno. Nestes 16 anos sempre estivemos juntos, nunca passamos uma semana sem nos falar, quando ligava falava com a voz grave "- Professor Almada, como estão as coisas?". Depois caíamos na risada e assim levamos, trabalhamos juntos na Escola de Formação de Governantes, onde me tornei professor e coordenador de projetos; na Escola Superior de Advocacia, onde criamos dois Cursos de Especialização em Direito; na Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação e no Instituto Estadual de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão. "São