Pular para o conteúdo principal

O DESAFIO DO IDEB

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira-INEP divulgou os resultados do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica-IDEB, referentes a 2019. Durante a coletiva de imprensa afirmaram que o Inep é a Casa de Anísio Teixeira, o qual completa 120 anos de nascimento neste ano. Ter Anísio Teixeira como referência significa rigor e flexibilidade, rigor científico e flexibilidade para mudar, conforme o caráter provisório de todo conhecimento.

O Ideb é formado por dois elementos: as notas da Prova Brasil, aplicada de 2 em 2 anos na 5ª e 9ª série do ensino fundamental, e no 3º ano do ensino médio; e o fluxo escolar, especificamente a taxa de aprovação registrada no Censo Escolar. A multiplicação desses dois elementos produz a nota do Ideb.

Nem tudo é narrativa. Não podemos torcer a estatística para que ela diga aquilo que desejamos. A escala do Ideb é de 0 a 10, apesar dos avanços e celebrações, nossa educação pública ainda está muito aquém, ainda precisa avançar bastante. Isso só será possível com trabalho focado nas redes municipais de ensino.

O Maranhão ficou em 25º lugar no Ideb dos anos iniciais do ensino fundamental, com a nota 5,0 e superou a meta de 4,8. Nisso acompanhamos a tendência nacional. Contudo, precisamos registrar que somente 42,5% dos municípios maranhenses cumpriram a meta do Ideb. A responsabilidade do ensino fundamental como um todo é das Prefeituras.

O Ideb do Maranhão nos anos finais do ensino fundamental foi de 4,2 para uma meta de 4,8, o que deu o 22º lugar. O mais grave é que somente 11,2% dos municípios atingiram a meta. O que isso significa? Significa que precisamos assessorar as redes municipais de ensino com mais eficiência, fornecer apoio técnico-pedagógico de fato e premiar as redes com incentivo financeiro, como sugeri com a ideia do ICMS Educação.

O ensino médio do Maranhão obteve 3,7 no Ideb 2019 para uma meta de 4, ficamos em 15º lugar. A tendência de melhoria se registra nas últimas três notas do Ideb, mérito da política educacional do atual governo. Contudo, desde 2011 não atingimos a meta, batemos na trave, mas não marcamos o gol. O avanço tem sido lento, o que evidencia o enorme desafio ainda por ser enfrentado na rede estadual, o desafio da qualidade de aprendizagem.

Preciso comentar os resultados do IEMA, Instituto Estadual de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão, no qual estive como Reitor de março de 2016 a fevereiro de 2020. Planejei, junto com nossa equipe, obter o melhor Ideb, pois seria o nosso primeiro. Trabalhamos com foco, dedicação e determinação, mas o essencial foi motivar com afeto e respeito à nossa comunidade escolar. As unidades do IEMA conquistaram notas de 4,5 a 5,3 no Ideb 2019, acima da média nacional do ensino médio que foi 4,2 e da média estadual que foi 3,7. 

Este foi o legado que deixamos no IEMA, lembrando Anísio Teixeira “a Inovação é, acima de tudo, um novo tipo de ordem, exigindo esforço para implantá-la e permanente esforço em sua conservação. Daí ser tão difícil o nosso trabalho.”

Comentários

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Postagens mais visitadas deste blog

TALENTOS PERDIDOS

Os caminhos para alcançar a excelência na educação são conhecidos e estão registrados em inúmeros estudos e pesquisas. Por outro lado, o uso dessa informação para tomada de decisão é um problema latino-americano. Constatei isso ao dialogar com colegas de outros países no Programa Regional de Formação em Planejamento e Gestão de Políticas Educativas promovido pelo Instituo Internacional de Planejamento da Educação da UNESCO.

O Centro de Excelência e Inovação em Políticas Educacionais-CEIPE disponibiliza estudos e pesquisas com a finalidade de subsidiar o desenho de políticas públicas educacionais. O Centro foi recentemente criado e está vinculado à Fundação Getúlio Vargas-FGV, sendo dirigido por Cláudia Costin, experiente profissional com passagens relevantes em cargos de gestão no âmbito municipal, estadual, federal e internacional, foi Diretora Global de Educação do Banco Mundial.

Recomendo ao público interessado a leitura do informativo Políticas Públicas em Ação Nº 1 com a temát…

A ESCOLA QUE NÃO ENSINA

Você colocaria seu filho para estudar em uma escola pública municipal de São Luís? Sim, responderiam aqueles que não a conhecem. Não, responderiam aqueles que tem condições de pagar a escola particular. A desigualdade no ponto de partida, sobretudo na infância, rouba de nossas crianças a possibilidade de ser mais e a base para abrir seus próprios futuros.

Talvez você caro leitor seja um dos privilegiados que trabalham em escritórios com ar-condicionado e cadeiras confortáveis. Tenho certeza, jamais permitiria que seus filhos passassem o dia todo no calor ou em cadeiras de madeira, as velhas e retas cadeiras inglesas do século passado. Infelizmente, aos filhos da maioria destinam as retas cadeiras de pau, aos filhos da elite, as cadeiras ergonômicas e adequadas. Isso nem é o mais grave, apenas simboliza como a escola pública foi e é tratada no Brasil.

Darcy Ribeiro falava em 1984 no culto à mentira educacional por parte de nossos líderes. Qual a ideia aí? É tratar a escola como algo i…

IMPACTO DAS DESIGUALDADES NA EDUCAÇÃO

O mundo vive algo inédito na história recente, a suspensão das aulas alcançou 191 países, 1,575 bilhão de estudantes, isso significa 91,3% da população estudantil. O período de quarentena requerido para contribuir com o enfrentamento do coronavirus trouxe desafios enormes para os sistemas educacionais e para as famílias, ambos despreparados para a modalidade de educação a distância ou remota.

Em casa, temos alternado entre as tarefas domésticas e as tarefas escolares dos filhos pequenos. É muito claro para mim que não podemos substituir os professores da educação infantil e do ensino fundamental, menos ainda a instituição escolar. As instituições escolares, por sua vez, precisam moderar os conteúdos, não se trata de ensinarmos no lugar dos professores, mas de auxiliarmos nas atividades adequadas ao momento.

Jaime Saavedra, Diretor Global de Educação do Banco Mundial enfatiza que tal suspensão de aulas nunca ocorreu em nível global e chama nossa atenção para o fato de que só 20 a 30% …