Pular para o conteúdo principal

O QUE FALTA PARA A INCLUSÃO DIGITAL?

Meu primeiro trabalho foi como estagiário no Laboratório de Informática da Universidade, ao longo dos meus doze anos de educação básica não me lembro de ter visto um como aquele, nunca. Hoje é impensável e até inaceitável que a escola pública não tenha laboratório de informática, concorda comigo? No entanto, o Brasil possui 141.298 escolas públicas, destas, somente 38% tem laboratório de informática.

Como falar em cultura digital, maker ou pensamento computacional nestas escolas? A minha experiência com as escolas rurais traz a resposta a essa pergunta, são 56.954 escolas públicas rurais em nosso país. É o computador da diretoria e os notebooks dos professores que trazem a esses estudantes algum contato com a tecnologia contemporânea.

Não basta ter laboratório, precisa de internet. Não basta qualquer internet, tem que ser veloz. Lamentavelmente, a internet chega a 67% das escolas públicas, com banda larga chega a 54% delas. As escolas públicas rurais ostentam acesso mínimo e precário, 34% tem internet, 21% tem banda larga.

Se sabemos quantas escolas precisam de computadores e internet, o que falta para garantir a inclusão digital? Falta política pública consistente e continuada para além dos governos de cada ocasião. Nesse campo da tecnologia nas escolas, o Brasil desde a década de 1980 tenta implementar um programa que leve internet e computadores para as escolas, a iniciativa federal mais recente é o Programa de Inovação Educação Conectada que promete resolver esse problema até 2024.

Resolvendo esse problema garantimos a inclusão digital dos estudantes? Por um lado, sim, resolvemos nas escolas. Por outro, não. Situações emergenciais como a da pandemia trouxeram a realidade das casas dos estudantes, cujo acesso à computador e internet é limitado ou inexistente.

A desigualdade está mais explícita no universo dos domicílios brasileiros. O celular é a principal tecnologia, presente em 93% das casas, se considero somente a área rural, esse número cai para 85%. O computador de mesa só existe em 19%, o notebook em 27% e o tablet em 14% dos lares.

Se colocarmos a lupa por classes de renda a situação fica mais precisa. Entre as classes DE somente 2% possuem computador de mesa, 3% notebooks e 4% tablets. Não há inclusão digital verdadeira sem os menos favorecidos, os estudantes das famílias em situação de pobreza e extrema pobreza também devem ser incluídos na política pública.

Meu amigo Ruy Gueiros, Reitor do Centro Universitário Eniac de São Paulo tomou uma iniciativa muito interessante. Eles fecharam parceria com uma operadora de telefonia e distribuíram chips com 6 GB de dados para que os estudantes usem em seus celulares e tablets.

A inclusão digital não pode se reduzir à escola, deve alcançar todos os estudantes, sobretudo aqueles mais excluídos, distribuindo chips, notebooks ou tablets. Foi aprovado pela Câmara dos Deputados e está tramitando no Senado Federal, projeto de lei sobre a política de inovação educação conectada (PL 142/2018).

É uma oportunidade ímpar para enfrentarmos o problema da exclusão digital no Brasil. Precisamos aperfeiçoar o projeto e torná-lo política pública mais completa, atendendo as escolas públicas e a diversidades de seus estudantes, quem sabe assim conseguiremos superar uma de nossas desigualdades educativas.

Comentários

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Postagens mais visitadas deste blog

TALENTOS PERDIDOS

Os caminhos para alcançar a excelência na educação são conhecidos e estão registrados em inúmeros estudos e pesquisas. Por outro lado, o uso dessa informação para tomada de decisão é um problema latino-americano. Constatei isso ao dialogar com colegas de outros países no Programa Regional de Formação em Planejamento e Gestão de Políticas Educativas promovido pelo Instituo Internacional de Planejamento da Educação da UNESCO.

O Centro de Excelência e Inovação em Políticas Educacionais-CEIPE disponibiliza estudos e pesquisas com a finalidade de subsidiar o desenho de políticas públicas educacionais. O Centro foi recentemente criado e está vinculado à Fundação Getúlio Vargas-FGV, sendo dirigido por Cláudia Costin, experiente profissional com passagens relevantes em cargos de gestão no âmbito municipal, estadual, federal e internacional, foi Diretora Global de Educação do Banco Mundial.

Recomendo ao público interessado a leitura do informativo Políticas Públicas em Ação Nº 1 com a temát…

A ESCOLA QUE NÃO ENSINA

Você colocaria seu filho para estudar em uma escola pública municipal de São Luís? Sim, responderiam aqueles que não a conhecem. Não, responderiam aqueles que tem condições de pagar a escola particular. A desigualdade no ponto de partida, sobretudo na infância, rouba de nossas crianças a possibilidade de ser mais e a base para abrir seus próprios futuros.

Talvez você caro leitor seja um dos privilegiados que trabalham em escritórios com ar-condicionado e cadeiras confortáveis. Tenho certeza, jamais permitiria que seus filhos passassem o dia todo no calor ou em cadeiras de madeira, as velhas e retas cadeiras inglesas do século passado. Infelizmente, aos filhos da maioria destinam as retas cadeiras de pau, aos filhos da elite, as cadeiras ergonômicas e adequadas. Isso nem é o mais grave, apenas simboliza como a escola pública foi e é tratada no Brasil.

Darcy Ribeiro falava em 1984 no culto à mentira educacional por parte de nossos líderes. Qual a ideia aí? É tratar a escola como algo i…

IMPACTO DAS DESIGUALDADES NA EDUCAÇÃO

O mundo vive algo inédito na história recente, a suspensão das aulas alcançou 191 países, 1,575 bilhão de estudantes, isso significa 91,3% da população estudantil. O período de quarentena requerido para contribuir com o enfrentamento do coronavirus trouxe desafios enormes para os sistemas educacionais e para as famílias, ambos despreparados para a modalidade de educação a distância ou remota.

Em casa, temos alternado entre as tarefas domésticas e as tarefas escolares dos filhos pequenos. É muito claro para mim que não podemos substituir os professores da educação infantil e do ensino fundamental, menos ainda a instituição escolar. As instituições escolares, por sua vez, precisam moderar os conteúdos, não se trata de ensinarmos no lugar dos professores, mas de auxiliarmos nas atividades adequadas ao momento.

Jaime Saavedra, Diretor Global de Educação do Banco Mundial enfatiza que tal suspensão de aulas nunca ocorreu em nível global e chama nossa atenção para o fato de que só 20 a 30% …