Pular para o conteúdo principal

COMO REABRIR AS ESCOLAS?

Passados alguns meses sem aulas no mundo, poucos países começaram a reabrir suas escolas, na América Latina somente o Uruguai, registrando 826 casos confirmados e 23 mortes por Covid-19. Existem equívocos de origem para explicar os problemas enfrentados pelo setor educativo durante a pandemia, o primeiro é fingir que estávamos bem antes e o segundo é que ocorrerá um milagre depois.

Nossa educação ia mal antes e nada nos autoriza supor que irá melhor depois, os dados e as pesquisas jogam água fria nos oportunistas de ocasião. Os prejuízos serão captados nas próximas avaliações nacionais e locais.

Há grande ansiedade e temor pelo retorno às aulas e se abate verdadeiro desespero nas famílias menos favorecidas, preocupadas com o impacto da pandemia na educação de seus filhos e ao mesmo tempo imersas nas desigualdades históricas de nossa região. Estamos falando de baixo aprendizado, abandono escolar, captura pelo crime, trabalho infantil, desnutrição e violência doméstica.

Unesco, Unicef e Banco Mundial divulgaram recomendações a serem observadas para a reabertura das escolas. O aspecto central é que essa reabertura deve ser baseada em evidências científicas e sanitárias das autoridades, avaliando riscos e benefícios para as crianças e jovens em cada contexto local.

A primeira dimensão que destaco se refere a segurança sanitária, estabelecer que protocolos de saúde deverão ser seguidos pelas escolas, bem como, as medidas de contenção para o caso de estudantes ou funcionários se sentirem mal durante esse processo. Clareza e objetividade na comunicação são fundamentais.

A segunda dimensão se refere ao aprendizado. O calendário escolar e as avaliações devem ser flexibilizados, não é possível fazer reprovações a partir do que não foi ensinado. Formação continuada dos professores e equipes escolares devem ser realizadas tanto sobre recuperação de aprendizagem quanto de saúde mental e psicossocial dos estudantes. E por último, refletir se é necessário adotar programas de reforço escolar em larga escala.

Bem-estar e proteção é a terceira dimensão. Reforçar os serviços de saúde, realizar avaliação de risco para professores e demais funcionários, e reestabelecer a prestação regular e segura de serviços essenciais como alimentação escolar, atendimento especializado e vacinação.

Por último e mais importante, alcançar os estudantes desfavorecidos. Garantir que sejam priorizados no retorno às aulas e mitigadas quaisquer barreiras impeditivas, financeiras ou sociais. Os estudantes pobres, negros, indígenas, as meninas e as pessoas com deficiência são o público-alvo dessa ação-chave.

O fechamento de escolas em escala global foi algo novo e inédito para a educação, as lições desse período excepcional ainda estão sendo recolhidas, contudo, precisamos que a reabertura ocorra de forma segura, organizada e atenta às curvas de contaminação da Covid-19. Nesse sentido, apesar das limitações de nossas redes escolares, reconheço a potência e os esforços dos profissionais da educação para garantir que ninguém fique para trás, que ninguém fique de fora

Comentários

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Postagens mais visitadas deste blog

TALENTOS PERDIDOS

Os caminhos para alcançar a excelência na educação são conhecidos e estão registrados em inúmeros estudos e pesquisas. Por outro lado, o uso dessa informação para tomada de decisão é um problema latino-americano. Constatei isso ao dialogar com colegas de outros países no Programa Regional de Formação em Planejamento e Gestão de Políticas Educativas promovido pelo Instituo Internacional de Planejamento da Educação da UNESCO.

O Centro de Excelência e Inovação em Políticas Educacionais-CEIPE disponibiliza estudos e pesquisas com a finalidade de subsidiar o desenho de políticas públicas educacionais. O Centro foi recentemente criado e está vinculado à Fundação Getúlio Vargas-FGV, sendo dirigido por Cláudia Costin, experiente profissional com passagens relevantes em cargos de gestão no âmbito municipal, estadual, federal e internacional, foi Diretora Global de Educação do Banco Mundial.

Recomendo ao público interessado a leitura do informativo Políticas Públicas em Ação Nº 1 com a temát…

A ESCOLA QUE NÃO ENSINA

Você colocaria seu filho para estudar em uma escola pública municipal de São Luís? Sim, responderiam aqueles que não a conhecem. Não, responderiam aqueles que tem condições de pagar a escola particular. A desigualdade no ponto de partida, sobretudo na infância, rouba de nossas crianças a possibilidade de ser mais e a base para abrir seus próprios futuros.

Talvez você caro leitor seja um dos privilegiados que trabalham em escritórios com ar-condicionado e cadeiras confortáveis. Tenho certeza, jamais permitiria que seus filhos passassem o dia todo no calor ou em cadeiras de madeira, as velhas e retas cadeiras inglesas do século passado. Infelizmente, aos filhos da maioria destinam as retas cadeiras de pau, aos filhos da elite, as cadeiras ergonômicas e adequadas. Isso nem é o mais grave, apenas simboliza como a escola pública foi e é tratada no Brasil.

Darcy Ribeiro falava em 1984 no culto à mentira educacional por parte de nossos líderes. Qual a ideia aí? É tratar a escola como algo i…

IMPACTO DAS DESIGUALDADES NA EDUCAÇÃO

O mundo vive algo inédito na história recente, a suspensão das aulas alcançou 191 países, 1,575 bilhão de estudantes, isso significa 91,3% da população estudantil. O período de quarentena requerido para contribuir com o enfrentamento do coronavirus trouxe desafios enormes para os sistemas educacionais e para as famílias, ambos despreparados para a modalidade de educação a distância ou remota.

Em casa, temos alternado entre as tarefas domésticas e as tarefas escolares dos filhos pequenos. É muito claro para mim que não podemos substituir os professores da educação infantil e do ensino fundamental, menos ainda a instituição escolar. As instituições escolares, por sua vez, precisam moderar os conteúdos, não se trata de ensinarmos no lugar dos professores, mas de auxiliarmos nas atividades adequadas ao momento.

Jaime Saavedra, Diretor Global de Educação do Banco Mundial enfatiza que tal suspensão de aulas nunca ocorreu em nível global e chama nossa atenção para o fato de que só 20 a 30% …