Pular para o conteúdo principal

O IEMA INOVA COM EDUCAÇÃO TÉCNICA INTEGRAL



Jhonatan Almada, historiador.


Começamos a implantação do Instituto Estadual de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (IEMA) dia 1º de janeiro de 2015 quando era uma folha de papel com este nome. Atentos ao fraco desempenho do Governo do Estado na oferta de qualificação profissional para nosso povo e o desinteresse dos jovens pela educação tradicional, pensamos que o IEMA poderia ocupar este espaço e ser referência.

O diferencial do IEMA em relação à rede federal e sistema S é que trabalhamos com educação técnica integral. O modelo pedagógico inovador tem duas linhas de implementação: a institucional e a escolar. Quanto à linha institucional, 2015 foi o Ano da Implantação (equipes, infraestrutura e equipamentos), 2016 foi o Ano da Consolidação (matrícula, funcionamento, avaliação), 2017 foi o Ano da Expansão (saímos de 3 para 7 unidades). Quanto à linha escolar, cada unidade passa pela fase da Sobrevivência (Ano I), Crescimento (Ano II) e Sustentabilidade (Ano III), as quais são permanentemente acompanhadas (mensal, trimestral, semestral) pela nossa equipe gestora com formação continuada, avaliação coletiva e correções de rumo. 

O modelo do IEMA tem por meta formar sujeitos autônomos, solidários e competentes. O centro do modelo é o projeto de vida de cada estudante, auxiliamos a cada um no desenho desse projeto com formação acadêmica de excelência, formação para a vida e formação nas competências do século XXI. O currículo reúne base nacional comum, parte diversificada (conteúdos construídos pelos estudantes e professores) e base técnica (conforme o curso).

Os cursos técnicos são definidos a partir de estudo do arranjo produtivo local, rodada de diálogos com segmentos da sociedade local e regional, por fim, realizamos audiência pública onde são colhidos subsídios finais. Isso permite que os cursos estejam de fato conectados com as necessidades locais, sem descuidar das demandas regionais e transformações globais que a economia experimenta. 

Um dos valores que cultivamos é a inovação. Implantamos o uniforme inteligente que envia mensagem aos celulares dos pais e responsáveis sempre que seus filhos chegam e saem do IEMA. Além disso, também recebem notas e avisos importantes da escola por intermédio do mesmo sistema. Isso dá maior segurança para as famílias e permite acompanhamento mais próximo dos estudantes. Estamos aperfeiçoando o sistema para lançar o aplicativo para celular. 

O programa IEMA no Mundo é outra inovação. Nossos estudantes concorrem a bolsas de estudo no exterior em que cursam parte do ensino médio em escolas dos Estados Unidos, Alemanha e Argentina. A oportunidade de realizar intercâmbio acadêmico no ensino médio objetiva robustecer o currículo de nossos estudantes, propiciar imersão em outra cultura e o domínio de idioma estrangeiro. Nossos estudantes ganharão em termos de maturidade e capacidade de enfrentar os desafios contemporâneos.

Os indicadores do IEMA tem referendado nosso modelo ao registrarem 98% de frequência escolar, 2% de evasão e 95% de aprovação. Nossas conquistas em Olímpiadas do Conhecimento e competições internacionais são exemplos concretos daquilo que os números indicam. Essa semana nossos estudantes participaram do Torneio Internacional de Robótica (ITR), concorrendo com 243 equipes de 3 países, foram premiados nas cinco modalidades da competição, duas em 1º lugar e cinco em 2º lugar, meninos e meninas de Pindaré-Mirim e São Luís do Maranhão.

Preocupação central é não crescer de forma descontrolada ou oferecer ensino de forma massificada. O IEMA tem condições de funcionar bem em cidades médias e grandes com demanda por educação profissionalizante, mas não pode, não deve e nem pretende substituir a rede regular de ensino.

Em face disso, o processo de expansão tem seguido ciclo que garante a manutenção dos padrões de qualidade desejados por todos nós. O próximo ciclo de expansão prevê a implantação do IEMA em Cururupu, Santa Inês e Brejo, otimizando a ocupação de prédios existentes ou concluindo obras que foram abandonadas. 

Comentários

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Postagens mais visitadas deste blog

MIL DIAS DO GOVERNO FLÁVIO DINO

O Governo Flávio Dino completou mil dias de efetivo exercício nesta semana. Quem está imerso no enfrentamento dos grandes problemas do Maranhão sabe do significado deste número. O semióforo dos mil dias oportuniza fecunda reflexão sobre o que tem sido feito pelo Governo do Maranhão em conjuntura adversa e drástica do Brasil.

Quando assumiu o governo, Flávio Dino decidiu imprimir ritmo de campanha na ação do Poder Executivo acostumado a formas tradicionais de agir ou paralisado pelos tecnicalismos vazios. Podemos resumir isso em uma frase: o governador que trabalha mais de 12 horas por dia e atravessa madrugadas no encalço de suas metas e dos responsáveis por elas. Nunca teci elogios sem fundamento. Não se pode perder tempo e este espírito se apoderou dos que se imbuíram do exemplo e procuraram imitá-lo no limite de suas capacidades individuais e condições disponíveis.

Não foi um passeio chegar aos mil dias com o conjunto de obras e serviços entregues pelo Governo. A brutal escasse…

O DESAFIO DO ENSINO DE INGLÊS NA REDE PÚBLICA

Fazendo as contas completei 10 anos como articulista de jornais, escrevendo artigos de opinião. Destaco o Jornal Pequeno como espaço privilegiado para compartilhar minhas reflexões sobre temas de interesse e questões contemporâneas que merecem ser debatidas. Os artigos acumulados já resultaram em quatro livros: “Planejamento que marca caminhos”, “A alternância do poder político no Maranhão”, “Crítica à indiferença: política, ciência e educação” e “Ciência e educação como agentes de desenvolvimento”.
Dando continuidade a essas reflexões abordo hoje o problema do ensino de inglês na rede pública. O British Council publicou a pesquisa “O ensino de inglês na educação pública brasileira” apresentando os aspectos institucionais, o contexto escolar, o perfil dos professores e os desafios para o ensino desse idioma.
Uma primeira conclusão importante é que o ensino de inglês não é uma diretriz obrigatória nos documentos que regulam a educação, seja na esfera federal, seja nas esferas estaduai…

OBAMA NO BRASIL II

Acredito que qualquer político em início de carreira deve ser alvo de muitas depreciações, seja porque não lhe reconhecem como tal, seja porque sempre minimizam o trabalho realizado como algo banal ou simplório. Assim imagino a reação ao Obama dos primeiros anos, começando seu agir político nas comunidades, atuando em prol da organização das pessoas para resolverem os problemas mais agudos que lhes afetam.

A incapacidade de reconhecer tem raiz no apagamento do outro, enxergar no outro não um parceiro e igual, mas um mero semovente útil para determinadas tarefas e circunstâncias. Os tempos de mentiras aceleradas pela velocidade dos fluxos de informação constroem biografias precoces e também desumanizam abruptamente. Agradecer é reconhecer, pois não se constrói nada duradouro sem a participação de muitos outros, anônimos ou cavaleiros marginais, à margem, mas cavaleiros. Cada um traz seu tijolo para o edifício da história.

A comparação é um recurso comum para nos posicionarmos sobre q…