Pular para o conteúdo principal

Precisamos da escola integral como conquista civilizatória


Entrevista feita pelo jornalista e professor Marcos Fábio. Publicada originalmente no portal Região Tocantina e republicada no jornal O Progresso.

Região Tocantina – Qual é o papel da educação em uma sociedade?

Jhonatan Almada – A educação serve essencialmente a dois propósitos, nos humaniza e contribui para o desenvolvimento da Nação, está pautada pela relação dialética indivíduo-coletividade. Humaniza no sentido de ajudar na construção da nossa identidade e inserir-nos na cultura e história do povo e do mundo ao qual pertencemos. Contribui para o desenvolvimento quando está sintonizada com os tempos da sociedade, suas necessidades, demandas e problemas. Ajuda a levar para frente o processo civilizatório, materializando o “ser mais” a que todos nós temos direito, trazendo progresso científico-tecnológico, formando gerações mais preparadas que as precedentes, produzindo sociedades mais justas e menos desiguais.

Região Tocantina – O Brasil tem compromisso com uma educação libertadora?

Jhonatan Almada – Se pensarmos a partir da Constituição Federal e da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, a resposta seria sim. Como o Brasil é um país-continente, as escalas e as práticas concretas são mais importantes. No âmbito central, a educação pública hoje é entendida em um sentido ultraconservador, como educar para garantir o estado atual de coisas, muito mais pela negação dos avanços que conquistamos nas últimas décadas, retrocessos visíveis no campo da inclusão, identidade e diversidade. É claro que isso exerce influência no âmbito regional e local, até pela força do Estado em nossa sociedade e o alto grau de dependência engendrada por este, bem longe do sentido emancipador. Contudo, no local é possível identificar projetos de educação libertadora, alguns com décadas de funcionamento e ainda pouco conhecidos, flutuando na conjuntura entre fortalezas e fraquezas, mas presentes e potentes. É preciso dar visibilidade a esses tesouros escondidos. 

Região Tocantina – Quando se pensa em educação libertadora, pensa-se logo em Paulo Freire. Qual é o real papel deste pensador para a educação?

Jhonatan Almada – Paulo Freire é conhecido e reconhecido internacionalmente por sua contribuição na área de educação. É o patrono da educação brasileira e o cerne de sua contribuição está na alfabetização de jovens e adultos, contudo a filosofia da educação dele derivada se estendeu para diferentes campos. Ele nos ajuda a entender a educação como instrumento de libertação, humanização, conscientização e mobilização, sobretudo dos oprimidos, dos vencidos, dos excluídos. Seu pensamento e prática são imbricados e têm compromisso social muito bem definido e declarado. A pergunta, a autonomia, a esperança e a indignação formam sua pedagogia, fazendo-a contemporânea em um mundo que permanece injusto, desigual e excludente. Paulo Freire é e será “sempre velho de mil anos e sempre menino que nasce”, como cantou o poeta Bandeira Tribuzi.

Região Tocantina – E, além de Freire, há outros pensadores de uma educação libertadora no Brasil?

Jhonatan Almada – Anísio Teixeira por sua defesa da escola pública com contribuições concretas por onde passou, especialmente no campo da educação integral, como nas experiências da Bahia, Rio de Janeiro e Brasília. Este intelectual se apresentava como livre pensador, no que muito me identifico. Anísio defendia que a escola de jornada completa (mínimo de 7 horas por dia) com concepção pedagógica integral dos países de capitalismo avançado pudesse chegar ao Brasil, sobretudo às crianças das classes desfavorecidas. Ele enxergava a educação como instrumento de construção da democracia. Darcy Ribeiro com o apoio de Leonel Brizola colocou em prática essas ideias, reformuladas e atualizadas. Daí surgiu a experiência dos Centros Integrados de Educação Pública no Rio Janeiro, até o momento a melhor experiência de educação integral em escala da nossa história.

Região Tocantina –  O Maranhão tem feito o dever de casa no que diz respeito a uma educação realmente libertadora?

Jhonatan Almada – Nosso passivo é muito grande, é enorme a dívida social do Maranhão. Os governos democráticos eleitos fora do ciclo oligárquico contribuíram bastante, por exemplo, o Governo Jackson Lago foi o único que conseguiu superar as metas do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica-IDEB até hoje; o Governo Flávio Dino avançou muito na agenda da infraestrutura escolar e trouxe inovações fundamentais como a criação do Instituto Estadual de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão-IEMA. Agora o que precisamos é avançar na agenda da qualidade, sem descuidar das necessárias condições de trabalho nas escolas. Apesar de todos os esforços, o Maranhão chega ao final dessa segunda década do século XXI com 98% dos seus estudantes sem saber matemática quando concluem o ensino médio e 77% das escolas estaduais sem internet banda larga. É preciso ter humildade para reconhecer erros, generosidade para acolher os acertos e sabedoria para aperfeiçoar e avançar. Compreendo que para fazer a catedral da humanidade, cada um de nós precisa assentar o seu tijolo geracional na argamassa do trabalho cumulativo e continuado.  

Região Tocantina –  Na sua visão, o Brasil será capaz de implementar uma educação de fato libertadora?

Jhonatan Almada – Quando o Brasil compreender que nossa prioridade deve ser a educação básica sim, sobretudo a qualidade do ensino fundamental, momento em que mais tempo passamos sob a responsabilidade do Estado e da escola pública. É inacreditável que a qualidade não avance no ensino fundamental, não há articulação nacional persistente e perseverante para enfrentar e superar esse problema. Não faz sentido que nossas crianças e adolescentes continuem frequentando essa escola de turno que não ensina, onde 82% dos estudantes concluem o ensino fundamental sem saber matemática. Precisamos da escola integral como conquista civilizatória e estratégica para o Brasil. Se essa escola chegar aos que mais precisam, uma educação libertadora será possível sim, inscrita no âmbito de um projeto nacional de desenvolvimento. 

Região Tocantina – Uma educação libertadora, em um mundo tão polarizado, é realmente possível?

Jhonatan Almada – Sim, pois enquanto houver injustiça e desigualdade, haverá os que se levantarão em defesa da educação como prática de liberdade. Gerações e gerações têm feito isso ao longo da nossa história, líderes e educadores como Leonel Brizola, Jackson Lago, Anísio Teixeira, Darcy Ribeiro e Paulo Freire, por exemplo. É como o esforço de atravessar com as mãos vigas de madeira, precisa de inteligência e perseverança para conseguir. Testemunhei ao longo dos anos, como estudante, professor e dirigente público, tantas histórias de vida que foram transformadas pela educação, tenho clareza de que é plenamente possível e vale a pena.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

BANQUE O DURO, MEU CHEFE

BANQUE O DURO , MEU CHEFE ! Por Raimundo Palhano Não deixe o seu lugar. Foi o conselho do venerável Bita do Barão de Guaré ao presidente do Senado, José Sarney, que, ao que parece, está sendo levado extremamente a sério. Quem ousaria desconsiderá-lo? Afinal, não se trata de um simples palpite. Estamos frente à opinião de um sumo sacerdote do Terecô, um mito vivo para o povo de Codó e muitos outros lugares deste imenso Maranhão. Um mago que, além de Ministro de Culto Religioso, foi agraciado pelo próprio Sarney, nos tempos de presidência da República, com o título de Comendador do Brasil, galardão este acessível a um pequenino grupo de brasileiros. Segundo a Época de 18.02.2002, estamos falando do pai de santo mais bem sucedido, respeitado, amado e temido do Maranhão. Com toda certeza o zelador de santo chegou a essa conclusão consultando seus deuses e guias espirituais. Vale recordar que deles já havia recebido a mensagem de que o Senador tem o “corpo fechado”. Ketu,

É POSSÍVEL REABRIR AS ESCOLAS

  É preciso organizar a reabertura das escolas públicas em 2021 com os cuidados sanitários devidos, por outro lado e em paralelo, priorizar a vacinação das equipes escolares (professores, gestores, técnico-administrativos e terceirizados). Não há tempo a perder, estamos entregando uma geração de estudantes para a desigualdade por incompetência e inação. O trabalho de preparação para reabrir as escolas deve ocorrer neste mês de janeiro, que na educação só deve ser férias para os estudantes e professores. As equipes técnicas devem organizar a retomada das aulas ainda no primeiro semestre de 2021 de forma gradual e escalonada. A primeira tarefa é assegurar os insumos e adaptações necessárias, máscaras, álcool em gel, distanciamento e reorganização das salas de aula e turmas. Se pode fazer a retomada presencial escalonada a partir de fevereiro, conforme avançar a vacinação, 30% dos estudantes no primeiro mês, 50% no segundo mês, 75% no terceiro mês até chegar a 100% no quarto mês letivo, e

A educação de São Luís

Ontem foi o Dia do Professor, portanto, momento oportuno para refletir sobre a educação. A educação de São Luís tem sido objeto de minhas reflexões nos últimos anos, especialmente por ser o maior sistema municipal de ensino dentre os 217 municípios do Maranhão.  Isso demanda atenção especial, por isso já escrevi sobre a escola que não ensina e a necessidade de superar essa escola . Embora os artigos tenham provocado o debate público no nível possível para a nossa realidade, isso não resultou em modificações da política educacional de então. Nesse sentido, enquanto contribuição, penso que é importante dimensionar qual herança a gestão anterior deixou no âmbito da educação de São Luís, o CIEPP fez um diagnóstico sobre isso. Um problema central deixado foi o acesso à creche, depois de 8 anos, somente 442 vagas a mais foram entregues, se comparamos a matrícula de 2013 e a matrícula de 2020. Para termos uma ideia da gravidade disso, São Luís registrou em 2020 cerca de 6,5 mil nascimentos