Pular para o conteúdo principal

É POSSÍVEL REABRIR AS ESCOLAS

Menos de 200 cidades do país têm datas para retomar aulas presenciais na  rede pública em 2020 | Atualidade | EL PAÍS Brasil 

É preciso organizar a reabertura das escolas públicas em 2021 com os cuidados sanitários devidos, por outro lado e em paralelo, priorizar a vacinação das equipes escolares (professores, gestores, técnico-administrativos e terceirizados). Não há tempo a perder, estamos entregando uma geração de estudantes para a desigualdade por incompetência e inação.

O trabalho de preparação para reabrir as escolas deve ocorrer neste mês de janeiro, que na educação só deve ser férias para os estudantes e professores. As equipes técnicas devem organizar a retomada das aulas ainda no primeiro semestre de 2021 de forma gradual e escalonada.

A primeira tarefa é assegurar os insumos e adaptações necessárias, máscaras, álcool em gel, distanciamento e reorganização das salas de aula e turmas. Se pode fazer a retomada presencial escalonada a partir de fevereiro, conforme avançar a vacinação, 30% dos estudantes no primeiro mês, 50% no segundo mês, 75% no terceiro mês até chegar a 100% no quarto mês letivo, existem muitas possibilidades e combinações possíveis.

A segunda tarefa é construir e explicar a nova rotina escolar aos estudantes e famílias, professores e equipes escolares de modo geral. Explicar não é só produzir cartilhas, lembremos que alguns pais não sabem ler, precisa fazer vídeos e gravar áudios com as orientações.

A terceira tarefa é avaliar o quanto conseguiram aprender em 2020 sob tão injustas condições de ensino remoto. Feito o diagnóstico devemos começar a recuperação do ensino e aprendizagem. No caso de gestões municipais novas, busquem saber o que já foi feito pela administração anterior, cuidado com os números e estatísticas que exageram o êxito e subestimam o fracasso. O poder público errou, falhou e tardou na sua resposta para a educação pública.

A quarta tarefa é organizar a oferta parcial do ensino à distância combinado com o ensino presencial, garantindo a inclusão digital. Não adianta chip se o estudante não tem celular ou tablet, devemos agir sim, mas agir com inteligência e completude. Inclusão digital deve ocorrer no bojo de programa consistente que alcance a escola e o domicílio do estudante.

A quinta tarefa é formular o plano de contingência, caso existam estudantes ou profissionais infectados, a escola suspende o ensino presencial e retoma o ensino a distância. Isso exigirá bom senso por parte de toda a comunidade escolar e das autoridades responsáveis.

A sexta tarefa é criar a sala de situação para monitorar e agir conforme a necessidade durante a implementação da reabertura das escolas. Monitorar não é criar grupo de whatsapp e enviar áudio ou texto, significa dispor de quadro situacional geral e específico a ser checado constantemente, escola por escola, de forma presencial e digital.

A sétima tarefa é estabelecer comunicação e transparência de todo o processo de reabertura das escolas para a sociedade, isso vai ajudar a corrigir excessos e equívocos. A tendência de filtrar o que está errado e mostrar somente o que está funcionando falsifica a opinião pública, se livrar das contradições não as fazem sumir. Essa medida demanda coragem e ponderação.

O que é inaceitável, sobretudo para os estudantes mais pobres que dependem da escola pública, é o adiamento e o vácuo decisório. O trabalho não finaliza com decretos e portarias, pois os documentos são estáticos, a educação é uma prática social dinâmica que a eles não se reduz, nem se limita.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

BANQUE O DURO, MEU CHEFE

BANQUE O DURO , MEU CHEFE ! Por Raimundo Palhano Não deixe o seu lugar. Foi o conselho do venerável Bita do Barão de Guaré ao presidente do Senado, José Sarney, que, ao que parece, está sendo levado extremamente a sério. Quem ousaria desconsiderá-lo? Afinal, não se trata de um simples palpite. Estamos frente à opinião de um sumo sacerdote do Terecô, um mito vivo para o povo de Codó e muitos outros lugares deste imenso Maranhão. Um mago que, além de Ministro de Culto Religioso, foi agraciado pelo próprio Sarney, nos tempos de presidência da República, com o título de Comendador do Brasil, galardão este acessível a um pequenino grupo de brasileiros. Segundo a Época de 18.02.2002, estamos falando do pai de santo mais bem sucedido, respeitado, amado e temido do Maranhão. Com toda certeza o zelador de santo chegou a essa conclusão consultando seus deuses e guias espirituais. Vale recordar que deles já havia recebido a mensagem de que o Senador tem o “corpo fechado”. Ketu,

POR QUE HISTÓRIA É IMPORTANTE?

POR QUE HISTÓRIA É IMPORTANTE?  Pensando no que ocorreu com o Brasil nos últimos 4 anos e na enxurrada de informações destes dias pós-eleições tenho clareza de que HISTÓRIA é cada vez mais fundamental para entender o presente e não nos deixar reféns do momento, vejam o #Enem . O atual Ministro da Educação divulgou os inscritos no Exame Nacional do Ensino Médio-Enem 2022 com um tom de comemoração em junho. O número de inscritos 2022 aumentou em relação a 2021, bem como, cresceram as isenções. Quando não se tem a perspectiva histórica sobre o Enem, facilmente nos enganamos, até por boa fé em relação às autoridades constituídas. O fato é que número de #jovens que se inscrevem no Enem caiu de forma expressiva, cerca de 35,6% em relação a 2014. E aí? E aí que não há nada para se comemorar. O número de jovens que não estão continuando seus estudos cresceu, a pandemia foi o golpe de misericórdia. A #Universidade deixou de ser um sonho para esses jovens, precisamos estudar HISTÓRIA e não se

ESTRADA DO SOL - João Batista Ericeira

Ainda estou muito sentido e impactado, escrevo algumas linhas com os olhos cheios d'água.  Conheci o professor Ericeira há 16 anos, pouco depois de vir morar em São Luís, fui aluno do curso de políticas públicas oferecido pela Escola de Formação de Governantes(EFG) dirigida por ele e vinculada à Escola de Governo da Universidade de São Paulo-USP, criada por Fábio Konder Comparato. Ali fomos construindo nossa amizade a partir da relação mestre e aluno. Nestes 16 anos sempre estivemos juntos, nunca passamos uma semana sem nos falar, quando ligava falava com a voz grave "- Professor Almada, como estão as coisas?". Depois caíamos na risada e assim levamos, trabalhamos juntos na Escola de Formação de Governantes, onde me tornei professor e coordenador de projetos; na Escola Superior de Advocacia, onde criamos dois Cursos de Especialização em Direito; na Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação e no Instituto Estadual de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão. "São