Pular para o conteúdo principal

É POSSÍVEL REABRIR AS ESCOLAS

Menos de 200 cidades do país têm datas para retomar aulas presenciais na  rede pública em 2020 | Atualidade | EL PAÍS Brasil 

É preciso organizar a reabertura das escolas públicas em 2021 com os cuidados sanitários devidos, por outro lado e em paralelo, priorizar a vacinação das equipes escolares (professores, gestores, técnico-administrativos e terceirizados). Não há tempo a perder, estamos entregando uma geração de estudantes para a desigualdade por incompetência e inação.

O trabalho de preparação para reabrir as escolas deve ocorrer neste mês de janeiro, que na educação só deve ser férias para os estudantes e professores. As equipes técnicas devem organizar a retomada das aulas ainda no primeiro semestre de 2021 de forma gradual e escalonada.

A primeira tarefa é assegurar os insumos e adaptações necessárias, máscaras, álcool em gel, distanciamento e reorganização das salas de aula e turmas. Se pode fazer a retomada presencial escalonada a partir de fevereiro, conforme avançar a vacinação, 30% dos estudantes no primeiro mês, 50% no segundo mês, 75% no terceiro mês até chegar a 100% no quarto mês letivo, existem muitas possibilidades e combinações possíveis.

A segunda tarefa é construir e explicar a nova rotina escolar aos estudantes e famílias, professores e equipes escolares de modo geral. Explicar não é só produzir cartilhas, lembremos que alguns pais não sabem ler, precisa fazer vídeos e gravar áudios com as orientações.

A terceira tarefa é avaliar o quanto conseguiram aprender em 2020 sob tão injustas condições de ensino remoto. Feito o diagnóstico devemos começar a recuperação do ensino e aprendizagem. No caso de gestões municipais novas, busquem saber o que já foi feito pela administração anterior, cuidado com os números e estatísticas que exageram o êxito e subestimam o fracasso. O poder público errou, falhou e tardou na sua resposta para a educação pública.

A quarta tarefa é organizar a oferta parcial do ensino à distância combinado com o ensino presencial, garantindo a inclusão digital. Não adianta chip se o estudante não tem celular ou tablet, devemos agir sim, mas agir com inteligência e completude. Inclusão digital deve ocorrer no bojo de programa consistente que alcance a escola e o domicílio do estudante.

A quinta tarefa é formular o plano de contingência, caso existam estudantes ou profissionais infectados, a escola suspende o ensino presencial e retoma o ensino a distância. Isso exigirá bom senso por parte de toda a comunidade escolar e das autoridades responsáveis.

A sexta tarefa é criar a sala de situação para monitorar e agir conforme a necessidade durante a implementação da reabertura das escolas. Monitorar não é criar grupo de whatsapp e enviar áudio ou texto, significa dispor de quadro situacional geral e específico a ser checado constantemente, escola por escola, de forma presencial e digital.

A sétima tarefa é estabelecer comunicação e transparência de todo o processo de reabertura das escolas para a sociedade, isso vai ajudar a corrigir excessos e equívocos. A tendência de filtrar o que está errado e mostrar somente o que está funcionando falsifica a opinião pública, se livrar das contradições não as fazem sumir. Essa medida demanda coragem e ponderação.

O que é inaceitável, sobretudo para os estudantes mais pobres que dependem da escola pública, é o adiamento e o vácuo decisório. O trabalho não finaliza com decretos e portarias, pois os documentos são estáticos, a educação é uma prática social dinâmica que a eles não se reduz, nem se limita.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

BANQUE O DURO, MEU CHEFE

BANQUE O DURO , MEU CHEFE ! Por Raimundo Palhano Não deixe o seu lugar. Foi o conselho do venerável Bita do Barão de Guaré ao presidente do Senado, José Sarney, que, ao que parece, está sendo levado extremamente a sério. Quem ousaria desconsiderá-lo? Afinal, não se trata de um simples palpite. Estamos frente à opinião de um sumo sacerdote do Terecô, um mito vivo para o povo de Codó e muitos outros lugares deste imenso Maranhão. Um mago que, além de Ministro de Culto Religioso, foi agraciado pelo próprio Sarney, nos tempos de presidência da República, com o título de Comendador do Brasil, galardão este acessível a um pequenino grupo de brasileiros. Segundo a Época de 18.02.2002, estamos falando do pai de santo mais bem sucedido, respeitado, amado e temido do Maranhão. Com toda certeza o zelador de santo chegou a essa conclusão consultando seus deuses e guias espirituais. Vale recordar que deles já havia recebido a mensagem de que o Senador tem o “corpo fechado”. Ketu,

IMPACTO DAS DESIGUALDADES NA EDUCAÇÃO

O mundo vive algo inédito na história recente, a suspensão das aulas alcançou 191 países, 1,575 bilhão de estudantes, isso significa 91,3% da população estudantil. O período de quarentena requerido para contribuir com o enfrentamento do coronavirus trouxe desafios enormes para os sistemas educacionais e para as famílias, ambos despreparados para a modalidade de educação a distância ou remota. Em casa, temos alternado entre as tarefas domésticas e as tarefas escolares dos filhos pequenos. É muito claro para mim que não podemos substituir os professores da educação infantil e do ensino fundamental, menos ainda a instituição escolar. As instituições escolares, por sua vez, precisam moderar os conteúdos, não se trata de ensinarmos no lugar dos professores, mas de auxiliarmos nas atividades adequadas ao momento. Jaime Saavedra, Diretor Global de Educação do Banco Mundial enfatiza que tal suspensão de aulas nunca ocorreu em nível global e chama nossa atenção para o fato de que só 20 a 30% d