Pular para o conteúdo principal

O ANO PERDIDO

O ano da pandemia do coronavírus deixará marcas profundas na educação e nas desigualdades do nosso país, acumulando desafios para o próximo ciclo político e econômico. Não há copo meio vazio ou meio cheio.

A educação pública enfrentou um dos piores momentos. Temos um Ministério da Educação esvaziado e omisso na condução da política educacional, incapaz de tomar decisões fundamentais, se movendo a base de pressão social e política. Lembremos do episódio do Exame Nacional do Ensino Médio-Enem, adiado com muito custo e resistência. Lembremos do ensino remoto que só ocorreu graças à atuação do Conselho Nacional de Educação-CNE.

Os estudantes da escola pública se viram excluídos do sistema de ensino, enganados por falsas soluções tecnológicas que nunca os alcançaram e sendo descobertos pelo poder público em suas casas, dessa vez não mais como números, mas como gente e gente submetida à desigualdade social e educativa.

No entanto, ação que tarda é inócua. Este foi um ano perdido para maioria desses estudantes, a perda de aprendizagem é estimada entre 50 e 60%. A minoria privilegiada continuou seus estudos nas escolas privadas.

A principal vitória foi a aprovação e a regulamentação do novo Fundeb, agora Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação. A luta foi renhida.

A vitória veio graças à atuação e incidência da sociedade civil no Congresso Nacional, a exemplo da mobilização da Campanha Nacional pelo Direito à Educação, a Associação Nacional de Pesquisa em Financiamento da Educação-Fineduca e a Confederação Nacional dos Trabalhadores da Educação-CNTE.

Teremos mais recursos a partir de 2021 e o desafio de não torrar tudo com salários ou construção de prédios. Há que se buscar o equilíbrio. A agenda da infraestrutura que é mais visível, tem seus limites, basta ver os resultados do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica-Ideb, a estagnação do ensino fundamental e a mediocridade no ensino médio.

É a hora e a vez da agenda da qualidade. Isso implica em formação de professores com impacto na prática do ensino em sala de aula, acompanhamento e monitoramento para elevar o patamar de aprendizagem dos estudantes e ampliação da jornada escolar em projetos sérios de educação integral, sem macaquear ou papagaiar os outros.

A China conseguiu erradicar a pobreza extrema com geração de empregos. O mais relevante é o emprego, decisivo para a dignidade humana. Não são ações simbólicas e marketeiras que estamos acostumados a ver por aqui, são políticas públicas estruturadas em projeto de desenvolvimento, ousado e criativo.

O Brasil perde tempo com bobagens e gasta energia com polêmicas que só servem para projetar pretensos salvadores. Temos 13,8 milhões de brasileiros vivendo com menos de 10 reais por dia, cuja situação foi aliviada pelo Auxílio Emergencial, contudo, o problema é que desde o Bolsa-Escola, passando pelo Bolsa-Família, não fizemos nada além do alívio da pobreza.

A esquerda, a direita e o centro não ofereceram solução consistente para a pobreza no Brasil. Até o momento estão nos devendo, a todos nós, algo melhor do que bate boca pelo Twitter.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

BANQUE O DURO, MEU CHEFE

BANQUE O DURO , MEU CHEFE ! Por Raimundo Palhano Não deixe o seu lugar. Foi o conselho do venerável Bita do Barão de Guaré ao presidente do Senado, José Sarney, que, ao que parece, está sendo levado extremamente a sério. Quem ousaria desconsiderá-lo? Afinal, não se trata de um simples palpite. Estamos frente à opinião de um sumo sacerdote do Terecô, um mito vivo para o povo de Codó e muitos outros lugares deste imenso Maranhão. Um mago que, além de Ministro de Culto Religioso, foi agraciado pelo próprio Sarney, nos tempos de presidência da República, com o título de Comendador do Brasil, galardão este acessível a um pequenino grupo de brasileiros. Segundo a Época de 18.02.2002, estamos falando do pai de santo mais bem sucedido, respeitado, amado e temido do Maranhão. Com toda certeza o zelador de santo chegou a essa conclusão consultando seus deuses e guias espirituais. Vale recordar que deles já havia recebido a mensagem de que o Senador tem o “corpo fechado”. Ketu,

É POSSÍVEL REABRIR AS ESCOLAS

  É preciso organizar a reabertura das escolas públicas em 2021 com os cuidados sanitários devidos, por outro lado e em paralelo, priorizar a vacinação das equipes escolares (professores, gestores, técnico-administrativos e terceirizados). Não há tempo a perder, estamos entregando uma geração de estudantes para a desigualdade por incompetência e inação. O trabalho de preparação para reabrir as escolas deve ocorrer neste mês de janeiro, que na educação só deve ser férias para os estudantes e professores. As equipes técnicas devem organizar a retomada das aulas ainda no primeiro semestre de 2021 de forma gradual e escalonada. A primeira tarefa é assegurar os insumos e adaptações necessárias, máscaras, álcool em gel, distanciamento e reorganização das salas de aula e turmas. Se pode fazer a retomada presencial escalonada a partir de fevereiro, conforme avançar a vacinação, 30% dos estudantes no primeiro mês, 50% no segundo mês, 75% no terceiro mês até chegar a 100% no quarto mês letivo, e

IMPACTO DAS DESIGUALDADES NA EDUCAÇÃO

O mundo vive algo inédito na história recente, a suspensão das aulas alcançou 191 países, 1,575 bilhão de estudantes, isso significa 91,3% da população estudantil. O período de quarentena requerido para contribuir com o enfrentamento do coronavirus trouxe desafios enormes para os sistemas educacionais e para as famílias, ambos despreparados para a modalidade de educação a distância ou remota. Em casa, temos alternado entre as tarefas domésticas e as tarefas escolares dos filhos pequenos. É muito claro para mim que não podemos substituir os professores da educação infantil e do ensino fundamental, menos ainda a instituição escolar. As instituições escolares, por sua vez, precisam moderar os conteúdos, não se trata de ensinarmos no lugar dos professores, mas de auxiliarmos nas atividades adequadas ao momento. Jaime Saavedra, Diretor Global de Educação do Banco Mundial enfatiza que tal suspensão de aulas nunca ocorreu em nível global e chama nossa atenção para o fato de que só 20 a 30% d