Pular para o conteúdo principal

CIEP COMO OPORTUNIDADE

Chu En-Lai, primeiro-ministro da China disse “Existe tumulto abaixo do céu e temos oportunidade de acabar com isso”, a frase foi dirigida para Kissinger, secretário de Estado dos Estados Unidos, durante sua visita ao país nos idos de 1971. A frase é toda uma filosofia e prática política que nos custa aprender. É com instituições que vamos combatendo os despotismos.

O Centro de Inovação e Conhecimento para a Excelência em Políticas Públicas-CIEP nasceu em meados de abril de 2020, em plena pandemia do coronavírus. A nossa primeira atividade foi dia 3 de abril com o estudante Luiz Eduardo, dialogamos sobre o estudo em casa. Tal tema já enfatizava a educação, a ciência, a tecnologia e a inovação como áreas de interesse principal do CIEP.

De lá para cá, realizamos 39 eventos entre webinários, diálogos e debates em âmbito nacional e internacional. Produzimos 15 publicações entre livros ou documentos com acesso público e gratuito, queremos a circulação desse conhecimento. Atualmente, contamos com 48 pesquisadores voluntários com distintas experiências e titulações acadêmicas que enriquecem nossos eventos e pesquisas, agradeço muito cada um e cada uma.

Importante destacar o Ciclo de Debates “Educação, desigualdade e pandemia na América Latina: olhares desde o campo da política educativa” que realizamos com a Rede de Estudos Teóricos e Epistemológicos em Política Educativa-ReLePe. Participaram pesquisadores do México, El Salvador, Panamá, Guatemala, Honduras, Costa Rica, Nicarágua, Colômbia, Argentina, Uruguai, Chile e Brasil. Estamos trabalhando na publicação de livro com as reflexões deste evento para 2021.

Registro ainda o Ciclo “Educação é prioridade?” em que analisamos os indicadores educacionais das cidades de São Luís, Imperatriz, Codó, Caxias e Timon com pesquisadores e professores das redes de ensino. O debate colocou em evidência que o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica-Ideb não consegue explicar todos os elementos para a qualidade do ensino. Persistem problemas básicos como a falta de abastecimento de água, internet, laboratórios, bibliotecas e quadras de esportes.

Não nos limitamos ao debate internacional ou local, buscamos pautar o debate nacional sobre o desenvolvimento do nosso país. Juntamente com Elias Jabbour e Luiz Fernando de Paula organizamos e lançamos o livro “Repensar o Brasil”, reunindo grandes nomes como Jessé Souza, Bresser-Pereira, Belluzzo, Rossini Corrêa e Armen Mamigonian. O livro coloca em diálogo história, política e economia para propor caminhos e soluções aos problemas brasileiros.

Entre os projetos que estão em andamento, temos o Programa Casimiro Montenegro, a Agenda de Municipalização da Ciência, Tecnologia e Inovação, e o Observatório das Bibliotecas Escolares. O Programa é um preparatório para os vestibulares do Instituto Tecnológico de Aeronáutica-ITA, Instituto Militar de Engenharia-IME e Escola Naval com professores voluntários. A Agenda pauta municípios para a área de CT&I. E o Observatório acompanha a implantação e o funcionamento de bibliotecas nas escolas públicas, divulgando anualmente o Ranking dos Estados.

O ano foi de muito trabalho e temos confiança que 2021 o será mais ainda. A acomodação não faz parte da nossa vida e o CIEP é oportunidade de contribuirmos para a superação de problemas recorrentes. Estamos atentos e lutando para nos inserir de forma independente e científica no espaço público.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

BANQUE O DURO, MEU CHEFE

BANQUE O DURO , MEU CHEFE ! Por Raimundo Palhano Não deixe o seu lugar. Foi o conselho do venerável Bita do Barão de Guaré ao presidente do Senado, José Sarney, que, ao que parece, está sendo levado extremamente a sério. Quem ousaria desconsiderá-lo? Afinal, não se trata de um simples palpite. Estamos frente à opinião de um sumo sacerdote do Terecô, um mito vivo para o povo de Codó e muitos outros lugares deste imenso Maranhão. Um mago que, além de Ministro de Culto Religioso, foi agraciado pelo próprio Sarney, nos tempos de presidência da República, com o título de Comendador do Brasil, galardão este acessível a um pequenino grupo de brasileiros. Segundo a Época de 18.02.2002, estamos falando do pai de santo mais bem sucedido, respeitado, amado e temido do Maranhão. Com toda certeza o zelador de santo chegou a essa conclusão consultando seus deuses e guias espirituais. Vale recordar que deles já havia recebido a mensagem de que o Senador tem o “corpo fechado”. Ketu,

É POSSÍVEL REABRIR AS ESCOLAS

  É preciso organizar a reabertura das escolas públicas em 2021 com os cuidados sanitários devidos, por outro lado e em paralelo, priorizar a vacinação das equipes escolares (professores, gestores, técnico-administrativos e terceirizados). Não há tempo a perder, estamos entregando uma geração de estudantes para a desigualdade por incompetência e inação. O trabalho de preparação para reabrir as escolas deve ocorrer neste mês de janeiro, que na educação só deve ser férias para os estudantes e professores. As equipes técnicas devem organizar a retomada das aulas ainda no primeiro semestre de 2021 de forma gradual e escalonada. A primeira tarefa é assegurar os insumos e adaptações necessárias, máscaras, álcool em gel, distanciamento e reorganização das salas de aula e turmas. Se pode fazer a retomada presencial escalonada a partir de fevereiro, conforme avançar a vacinação, 30% dos estudantes no primeiro mês, 50% no segundo mês, 75% no terceiro mês até chegar a 100% no quarto mês letivo, e

IMPACTO DAS DESIGUALDADES NA EDUCAÇÃO

O mundo vive algo inédito na história recente, a suspensão das aulas alcançou 191 países, 1,575 bilhão de estudantes, isso significa 91,3% da população estudantil. O período de quarentena requerido para contribuir com o enfrentamento do coronavirus trouxe desafios enormes para os sistemas educacionais e para as famílias, ambos despreparados para a modalidade de educação a distância ou remota. Em casa, temos alternado entre as tarefas domésticas e as tarefas escolares dos filhos pequenos. É muito claro para mim que não podemos substituir os professores da educação infantil e do ensino fundamental, menos ainda a instituição escolar. As instituições escolares, por sua vez, precisam moderar os conteúdos, não se trata de ensinarmos no lugar dos professores, mas de auxiliarmos nas atividades adequadas ao momento. Jaime Saavedra, Diretor Global de Educação do Banco Mundial enfatiza que tal suspensão de aulas nunca ocorreu em nível global e chama nossa atenção para o fato de que só 20 a 30% d