Pular para o conteúdo principal

AS SOLUÇÕES DOIDAS DEMAIS

A grande contribuição de Carlos Matus para a arte do governo é evidenciar que a gestão política, a gestão macroeconômica e a gestão dos problemas têm crivos de eficácia formal/técnica e eficácia material/política. Ignorar a política é barbárie tecnocrática. Ignorar a economia é a barbárie política. Ignorar os problemas é a barbárie gerencial. O desafio é encontrar um balanço global que seja positivo e equilibrado, evidenciando a qualidade da gestão do governo.

Somos limitados, como todo ser humano. Nosso mundo é do tamanho dos conceitos que conhecemos. O que é certo? Não existe solução de problema que seja exclusivamente técnica, também não existe solução exclusivamente política. É um desrespeito à inteligência alheia construir explicações parciais sobre problemas complexos, os argumentos de base não se sustentam e para funcionar precisam excluir os atores-chave.

Quando a população brasileira teve expressivo crescimento demográfico em meados do século XX, a solução de gênio foi abrir escolas de tempo parcial, arremedo que não viceja na maioria dos países avançados. A elite quando se vê enredada em um problema cria soluções doidas demais para o povo, não para si. A massificação do tempo parcial em escolas públicas precárias é prova disso e prevalece até hoje. A ignorância rotunda daqueles que nunca estudaram em tais escolas, as conhecendo de passagem, presidiu as decisões de política educacional.

Anísio Teixeira aos 46 anos criou a Escola Parque como uma das mais importantes experiências de turno integral da história da educação, tal projeto mereceu reconhecimento internacional e projetou este intelectual como um dos melhores quadros de sua geração. Os Governos seguintes tentaram matar o projeto, mas ele sobrevive e devido a sua relevância, o Ano Letivo da Bahia é aberto no auditório do Centro.

Darcy Ribeiro aos 61 anos, inspirado no projeto de Anísio, criou os Centros Integrados de Educação Pública (CIEPs) no Rio de Janeiro durante o Governo Brizola. Investimento sério e projeto ousado que levantou fortíssima oposição, sempre se naturalizou educação pobre para os pobres. Se você deseja transformar a vida dos excluídos lhes dê a educação mais avançada existente, assim pensava Anísio e Darcy, no que estou de pleno acordo.

Os CIEPs não tiveram o mesmo destino da Escola Parque, os governos seguintes ao de Brizola alegaram os altos custos como o centro do argumento para sua gradual desativação. Darcy questionava: “fazer economia com crianças? Um dos grandes fracassos do Brasil, como povo e como civilização, tem sido nossa incapacidade de criarmos uma escola pública honesta e eficiente”. Tais políticos só são lembrados como os carrascos dos CIEPs, mancha em suas biografias que alvejante nenhum retira.

Paulo Freire aos 39 anos inventou um método de alfabetização extremamente eficaz, em vez de “Eva viu a uva”, onde nem uva havia, era necessário identificar quem era Eva, qual sua posição social, quem trabalha para produzir a uva, a serviço de quem. A ditadura interrompeu o projeto, prenderam e depois exilaram Paulo Freire. Conta-se que em uma das prisões, o diretor pediu a ele que alfabetizasse os presos, ao que respondeu – Mas justamente por isso me colocaram aqui. Paulo é referência internacional em educação, ninguém conhece quem o prendeu, ninguém sério respeita os que o atacam.

Anísio Teixeira, Darcy Ribeiro e Paulo Freire foram combatidos por suas ideias, desrespeitados enquanto profissionais e ignorados na tomada de decisões, os projetos que criaram foram interrompidos, boicotados ou desvirtuados. A história às vezes nos consola. Aqueles que os combateram receberam o esquecimento como prêmio.

Comentários

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Postagens mais visitadas deste blog

PORQUE ATACAM O PROGRAMA ESCOLA DIGNA?

Jhonatan Almada, Reitor do IEMA e ex-Secretário de Ciência, Tecnologia e Inovação

As crianças do Povoado Peritoró dos Pretos não podem estudar o sistema solar como as crianças das escolas particulares da capital?
O problema educacional brasileiro, ao contrário do que muitos afirmam não se reduz à qualidade do ensino. Temos problemas ligados ao acesso (ausência de vagas em creche, pré-escola e no ensino médio), a permanência (evasão no ensino fundamental e ensino médio), ao aprendizado (baixa proficiência de português, matemática e ciências) e ao sucesso escolar (poucos concluem e progridem entre as etapas). Esse é um resumo da situação brasileira que se agrava ou se repete nos estados e municípios.
Todos os anos os sistemas federal, estaduais e municipais de ensino investem bilhões de reais em salários, equipamentos e formações. É possível questionar o monitoramento dos resultados e da qualidade desses investimentos, mas não o fato deles acontecerem. Os principais diferenciais do governo…

A FÓRMULA DO SUCESSO DE FLÁVIO DINO

Completamos quatro anos de trabalho no Governo Flávio Dino, inicialmente colaborando na Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação e agora no Instituto Estadual de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão-IEMA. Se pudermos identificar a fórmula do sucesso do Governo, penso que essa fórmula tem pelo menos três elementos-chave: a) programa de governo com metas claras e objetivas; b) capacidade de gestão e governança do líder e c) combinação geracional e social na equipe de governo.

O elemento-síntese foi aliar razão e emoção, redirecionando o leme estatal para aqueles que mais precisam. A fórmula abriu caminho para conjunto expressivo de realizações em período de crise, escassez de recursos e fraco apoio do governo federal. O arco de ações abrangeu as principais políticas públicas, tanto as tradicionais como obras e asfaltamento, quanto as inovadoras como a criação de instituições, a exemplo do IEMA e da Universidade Estadual da Região Tocantina do Maranhão-UEMASUL.

Publiquei em …

VOCÊS FAZEM PARTE DESSA HISTÓRIA (DISCURSO DE COLAÇÃO DE GRAU)

Bacabeira, 3 de janeiro de 2019 Uma grande noite a todos nós!

Cumprimento as autoridades presentes na equipe escolar da Unidade Plena de Bacabeira, na pessoa da gestora geral professora Ana Cláudia, gestor administrativo Antônio e a gestora pedagógica Geane,

Cumprimento todas as famílias aqui presentes,

Cumprimento todos os professores e funcionários,

Cumprimento em especial todos os estudantes que colarão grau,



Senhoras e Senhores,



O Instituto Estadual de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão, o IEMA, completou 4 anos de vida, dia 2 de janeiro de 2019. Vocês fazem parte dessa história, história construída pelo trabalho em equipe.

Antes de chegarmos a este dia tão importante, muitas pessoas conceberam, pensaram, planejaram nosso Instituto, homenageio todas elas em nome do deputado Bira do Pindaré, fundador e quem inaugurou esta Unidade e ao governador Flávio Dino que ousou criar uma nova instituição pública de ensino no Maranhão.

Esta nova instituição que antes era uma página no…