Pular para o conteúdo principal

A PRIMEIRA REDE DE INTERNET GRATUITA DO MARANHÃO



Jhonatan Almada, historiador


Li entrevista de Fernando Haddad, ex-ministro da Educação e ex-prefeito de São Paulo, sobre o tratamento da mídia às políticas desenvolvidas por sua gestão na Prefeitura. Em que pese à dificuldade de Haddad de reconhecer eventuais erros ou decisões equivocadas de sua parte, a entrevista é enriquecedora por deslindar essa faceta de nossa mídia nativa. As famílias que controlam os veículos de comunicação por intermédio da cobertura e de seus jornalistas omitiam a autoria das ações, desvirtuavam a motivação dos programas criados ou davam tratamento desigual na abordagem sobre as políticas públicas. 

A principal forma de escapar dos direcionamentos e bloqueios dos meios tradicionais está na internet. Podemos divulgar as ações de interesse público diretamente sem os vetos de famílias poderosas ou interesses estranhos que apagam a autoria das ações, secundarizam o impacto do que é feito, deturpam o conteúdo ou simplesmente omitem da pauta. 

A criação da primeira rede de internet gratuita do Maranhão, a MARANET dialoga com dois aspectos fundamentais da contemporaneidade. O primeiro é a democratização do acesso à internet, reconhecido como um direito humano pela Organização das Nações Unidas (ONU). O segundo é a inserção junto às mídias digitais para democratizar o acesso à informação e ao conhecimento. 

O Governo do Maranhão ao criar a MARANET reconhece o acesso à internet como direito e realiza esforço colossal para incluir digitalmente nosso povo. Disponibilizar mais um instrumento de análise da realidade ampliam as possibilidades de efetivação da democracia e do pluralismo na interpretação pelos cidadãos.

A internet não é o paraíso virtual. Os monopólios também existem e as campanhas de desinformação ou ataque direcionado também ocorrem nela. O ponto central é que a utilização de inteligência e segurança cibernética permite uma reação proporcional ao ataque, algo impossível nas mídias tradicionais. 

A MARANET é uma conquista do povo do Maranhão, possível graças à diretriz do Governo Flávio Dino: levar direitos onde existiam privilégios. A proposta de uma Ciência Cidadã é a materialização dessa diretriz no âmbito das políticas, programas e ações de Ciência, Tecnologia e Inovação. 

A tradição política maranhense e brasileira alimentada pelo nosso povo só compreende obras físicas e visíveis, ainda que valorizem políticas e programas com impacto social. Nesse sentido, a área de Ciência, Tecnologia e Inovação enfrenta com dificuldades tal tradição, pois os ganhos e resultados desta área chegam ao longo prazo.

É exatamente por isso que criamos programas e ações que superem essa tradição, a exemplo da MARANET, do Ponto do Saber, do IEMA. Formas de traduzir a Ciência Cidadã para o pragmatismo imediatista da política e do povo.

Comentários

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Postagens mais visitadas deste blog

MIL DIAS DO GOVERNO FLÁVIO DINO

O Governo Flávio Dino completou mil dias de efetivo exercício nesta semana. Quem está imerso no enfrentamento dos grandes problemas do Maranhão sabe do significado deste número. O semióforo dos mil dias oportuniza fecunda reflexão sobre o que tem sido feito pelo Governo do Maranhão em conjuntura adversa e drástica do Brasil.

Quando assumiu o governo, Flávio Dino decidiu imprimir ritmo de campanha na ação do Poder Executivo acostumado a formas tradicionais de agir ou paralisado pelos tecnicalismos vazios. Podemos resumir isso em uma frase: o governador que trabalha mais de 12 horas por dia e atravessa madrugadas no encalço de suas metas e dos responsáveis por elas. Nunca teci elogios sem fundamento. Não se pode perder tempo e este espírito se apoderou dos que se imbuíram do exemplo e procuraram imitá-lo no limite de suas capacidades individuais e condições disponíveis.

Não foi um passeio chegar aos mil dias com o conjunto de obras e serviços entregues pelo Governo. A brutal escasse…

O DESAFIO DO ENSINO DE INGLÊS NA REDE PÚBLICA

Fazendo as contas completei 10 anos como articulista de jornais, escrevendo artigos de opinião. Destaco o Jornal Pequeno como espaço privilegiado para compartilhar minhas reflexões sobre temas de interesse e questões contemporâneas que merecem ser debatidas. Os artigos acumulados já resultaram em quatro livros: “Planejamento que marca caminhos”, “A alternância do poder político no Maranhão”, “Crítica à indiferença: política, ciência e educação” e “Ciência e educação como agentes de desenvolvimento”.
Dando continuidade a essas reflexões abordo hoje o problema do ensino de inglês na rede pública. O British Council publicou a pesquisa “O ensino de inglês na educação pública brasileira” apresentando os aspectos institucionais, o contexto escolar, o perfil dos professores e os desafios para o ensino desse idioma.
Uma primeira conclusão importante é que o ensino de inglês não é uma diretriz obrigatória nos documentos que regulam a educação, seja na esfera federal, seja nas esferas estaduai…

OBAMA NO BRASIL II

Acredito que qualquer político em início de carreira deve ser alvo de muitas depreciações, seja porque não lhe reconhecem como tal, seja porque sempre minimizam o trabalho realizado como algo banal ou simplório. Assim imagino a reação ao Obama dos primeiros anos, começando seu agir político nas comunidades, atuando em prol da organização das pessoas para resolverem os problemas mais agudos que lhes afetam.

A incapacidade de reconhecer tem raiz no apagamento do outro, enxergar no outro não um parceiro e igual, mas um mero semovente útil para determinadas tarefas e circunstâncias. Os tempos de mentiras aceleradas pela velocidade dos fluxos de informação constroem biografias precoces e também desumanizam abruptamente. Agradecer é reconhecer, pois não se constrói nada duradouro sem a participação de muitos outros, anônimos ou cavaleiros marginais, à margem, mas cavaleiros. Cada um traz seu tijolo para o edifício da história.

A comparação é um recurso comum para nos posicionarmos sobre q…