Pular para o conteúdo principal

Os equívocos do "Programa Saúde é Vida" do Maranhão

Os equívocos do "Programa Saúde é Vida" do Maranhão

A "resposta" do sr. Ricardo Murad sobre a nota publicada pela Veja quanto ao Programa Saúde é Vida não pode ser levada à sério. A nota da Veja denuncia a licitação dos hospitais, o descumprimento do prometido quando do lançamento do programa, a doação das construtoras "ganhadoras" à campanha eleitoral de Roseana Sarney e a paralisia atual das obras. O sr. Ricardo se esquiva de responder a todas essas questões e publica, juntamente com a governadora, um panfleto com fotos dos hospitais e novas promessas de prazos e entrega (http://www.youblisher.com/files/publications/23/135707/pdf.pdf).

Um ponto importante a ser destacado é que a decisão de construir os hospitais não partiu de nenhum estudo preciso das necessidades da população, das possibilidades de financiamento público e da disponibilidade de pessoal para atuar nas futuras estruturas quando entrarem em funcionamento. O conhecido "trator" passou por cima do Conselho Estadual de Saúde.

Outro ponto importante é que esse programa não tem nada de original ou único na história é apenas uma iniciativa caroneira do programa de construção de UPAs implementado pelo Governo Federal.

O terceiro ponto importante é que esse "programa" nem pode ser considerado como tal, pois não faz parte de nenhum plano global do Governo Estadual, não está articulado a um projeto estadual de desenvolvimento, aqui entendido em suas múltiplas dimensões. É tão somente uma iniciativa voluntarista, por que despreparada; oportunista, por que se apropria de uma bandeira história da oposição e a desfigura, pois não se pode pensar em saúde pública no Brasil e em boa parte dos países do mundo, ignorando a necessária regionalização dos serviços e a complexidade em termos de custos e pessoal.

Por fim, não pensemos que esse "programa" irá resolver os problemas da saúde pública do Estado do Maranhão, os quais são muito mais complexos que a mera construção de estruturas "hospitalares", como se unidade de saúde, posto de saúde e hospital fossem tudo a mesma coisa. É impressionante que o amadorismo e o voluntarismo da atual gestão da Secretaria de Saúde e do Governo Estadual ignore a existência de um Programa de Pós-graduação em Saúde Pública e outro em Políticas Públicas, na UFMA, com razoável acúmulo de estudos e pesquisas relevantes para se pensar em uma política de saúde mais concreta.

No Maranhão ainda vivemos a menoridade e não sejamos ingênuos ao acreditar que da dinastia Sarney sairá algo razoável. Os fatos comprovam cada vez mais isso. Estamos urgentemente necessitando de uma Primavera Árabe, de uma Puerta del Sol aqui.

Por Jhonatan Almada, historiador e membro da Associação Internacional para Investigação e Desenvolvimento sócio-cultural-AGIR (sede em Portugal).

Comentários

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Postagens mais visitadas deste blog

MIL DIAS DO GOVERNO FLÁVIO DINO

O Governo Flávio Dino completou mil dias de efetivo exercício nesta semana. Quem está imerso no enfrentamento dos grandes problemas do Maranhão sabe do significado deste número. O semióforo dos mil dias oportuniza fecunda reflexão sobre o que tem sido feito pelo Governo do Maranhão em conjuntura adversa e drástica do Brasil.

Quando assumiu o governo, Flávio Dino decidiu imprimir ritmo de campanha na ação do Poder Executivo acostumado a formas tradicionais de agir ou paralisado pelos tecnicalismos vazios. Podemos resumir isso em uma frase: o governador que trabalha mais de 12 horas por dia e atravessa madrugadas no encalço de suas metas e dos responsáveis por elas. Nunca teci elogios sem fundamento. Não se pode perder tempo e este espírito se apoderou dos que se imbuíram do exemplo e procuraram imitá-lo no limite de suas capacidades individuais e condições disponíveis.

Não foi um passeio chegar aos mil dias com o conjunto de obras e serviços entregues pelo Governo. A brutal escasse…

O DESAFIO DO ENSINO DE INGLÊS NA REDE PÚBLICA

Fazendo as contas completei 10 anos como articulista de jornais, escrevendo artigos de opinião. Destaco o Jornal Pequeno como espaço privilegiado para compartilhar minhas reflexões sobre temas de interesse e questões contemporâneas que merecem ser debatidas. Os artigos acumulados já resultaram em quatro livros: “Planejamento que marca caminhos”, “A alternância do poder político no Maranhão”, “Crítica à indiferença: política, ciência e educação” e “Ciência e educação como agentes de desenvolvimento”.
Dando continuidade a essas reflexões abordo hoje o problema do ensino de inglês na rede pública. O British Council publicou a pesquisa “O ensino de inglês na educação pública brasileira” apresentando os aspectos institucionais, o contexto escolar, o perfil dos professores e os desafios para o ensino desse idioma.
Uma primeira conclusão importante é que o ensino de inglês não é uma diretriz obrigatória nos documentos que regulam a educação, seja na esfera federal, seja nas esferas estaduai…

OBAMA NO BRASIL II

Acredito que qualquer político em início de carreira deve ser alvo de muitas depreciações, seja porque não lhe reconhecem como tal, seja porque sempre minimizam o trabalho realizado como algo banal ou simplório. Assim imagino a reação ao Obama dos primeiros anos, começando seu agir político nas comunidades, atuando em prol da organização das pessoas para resolverem os problemas mais agudos que lhes afetam.

A incapacidade de reconhecer tem raiz no apagamento do outro, enxergar no outro não um parceiro e igual, mas um mero semovente útil para determinadas tarefas e circunstâncias. Os tempos de mentiras aceleradas pela velocidade dos fluxos de informação constroem biografias precoces e também desumanizam abruptamente. Agradecer é reconhecer, pois não se constrói nada duradouro sem a participação de muitos outros, anônimos ou cavaleiros marginais, à margem, mas cavaleiros. Cada um traz seu tijolo para o edifício da história.

A comparação é um recurso comum para nos posicionarmos sobre q…