Pular para o conteúdo principal

LULA SERÁ CONDENADO



Jhonatan Almada, historiador

Estamos chegando ao meio de 2017, apesar das incertezas do cenário econômico e político. A sensação é de que os ânimos precisam arrefecer para chegarmos ao fim. Não é nada republicano que as instituições de justiça sejam colocadas como adversárias dos réus, pugilistas que precisam derrubar o outro para sagrar-se vencedores. Juiz não é boxeador ou justiceiro, mas árbitro e mediador de conflitos.

Imagine que qualquer um de nós estivesse sendo processado e o juiz do nosso caso divulgasse carta pública agradecendo o apoio das pessoas ao trabalho dele, palestrasse no exterior explicando como está agindo, fosse ator em filme sobre o caso, postasse vídeos pedindo aos fãs que não se manifestem.

Imagine ainda que os colegas desse mesmo juiz dessem liminar impedindo posse em cargo público, proibissem os amigos de se solidarizarem com você, fechassem sua instituição, ameaçassem com multa e prisão qualquer manifestação em seu favor.

Isso tudo aconteceu e está acontecendo no Brasil. A imparcialidade e a isenção do Judiciário foram corroídas pela sanha que tornou o processo mera formalidade para se chegar à condenação.

A repactuação de poder que atualmente atravessamos no Brasil impôs polarizações perigosas para a democracia. A política não é o reino do bem e do mal, se isso existir não é nesta existência. Política é mediação entre diferentes para construir o bem comum pelo diálogo e entendimento. As instituições do sistema de justiça não são heroínas e não substituem a política, elas são instâncias de definição do que é proibido. Quando essas instituições ultrapassam esse papel da vedação de condutas e passam a fazer a agenda do país, vamos mal.

Lula será condenado, não porque existem provas, mas porque depois de tanto circo midiático fica impossível outra conclusão. Trata-se de um pugilato que só poderá resultar no nocaute do próprio Lula, afastando-o da política, satisfazendo a direita reacionária e possibilitando que os inquietos outsiders assumam seu lugar, mesmo que de forma farsesca. O combate a corrupção cedeu lugar para a busca pela morte política do Lula.

É temerário que as forças políticas não consigam superar o lodaçal em que se meteram ao derrubar a Presidente Dilma. A agenda do grupo que assumiu o poder se baseia na redução de direitos como caminho para a retomada do crescimento, por isso investem toda sua energia nas reformas previdenciária e trabalhista. Não há nada no horizonte pós-reformas, salvo uma aposta intuitiva de que elas resultarão em crescimento.

O ponto central é que na ausência de projeto nacional com pauta estratégica de longo prazo, continuaremos a reboque dessas medidas apresentadas como salvacionistas por campanhas midiáticas emburrecedoras e ultrajantes.

Roberto Amaral ex-ministro do Governo Lula lançou a proposta de uma frente ampla com o objetivo de pensar o Brasil para além de 2018, comprometida com a soberania nacional, a retomada do desenvolvimento autônomo e a preservação dos direitos dos trabalhadores, agregando o pensamento progressista amplo.

Bresser-Pereira ex-ministro do Governo FHC lançou o Manifesto do Projeto Brasil Nação tendo como pontos econômicos centrais: 1. Regra fiscal que permita a atuação contracíclica do gasto público, e assegure prioridade à educação e à saúde; 2. Taxa básica de juros em nível mais baixo, compatível com o praticado por economias de estatura e grau de desenvolvimento semelhantes aos do Brasil; 3. Superávit na conta corrente do balanço de pagamentos que é necessário para que a taxa de câmbio seja competitiva; 4. Retomada do investimento público em nível capaz de estimular a economia e garantir investimento rentável para empresários e salários que reflitam uma política de redução da desigualdade; 5. Reforma tributária que torne os impostos progressivos.

Antes dos dois, o PMDB lançou o documento “Ponte para o Futuro” em novembro de 2015 e nele apresentava tudo o que está sendo feito pelo Governo Temer. Os pontos centrais eram a flexibilização dos direitos trabalhistas (terceirização), o fim das vinculações constitucionais para educação e saúde (teto dos gastos públicos), elevação da idade para aposentadoria (reforma da previdência) e redução dos gastos sociais (fim do Pronatec e do Ciência sem Fronteiras).

Por um lado, temos vozes que desejam interlocução para colocar o país em novo rumo, por outro, temos a alucinante insanidade que tomou conta dos que assumiram o poder, desesperados para manter-se e implodir qualquer alternativa a Ponte para o Futuro.

Comentários

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Postagens mais visitadas deste blog

MIL DIAS DO GOVERNO FLÁVIO DINO

O Governo Flávio Dino completou mil dias de efetivo exercício nesta semana. Quem está imerso no enfrentamento dos grandes problemas do Maranhão sabe do significado deste número. O semióforo dos mil dias oportuniza fecunda reflexão sobre o que tem sido feito pelo Governo do Maranhão em conjuntura adversa e drástica do Brasil.

Quando assumiu o governo, Flávio Dino decidiu imprimir ritmo de campanha na ação do Poder Executivo acostumado a formas tradicionais de agir ou paralisado pelos tecnicalismos vazios. Podemos resumir isso em uma frase: o governador que trabalha mais de 12 horas por dia e atravessa madrugadas no encalço de suas metas e dos responsáveis por elas. Nunca teci elogios sem fundamento. Não se pode perder tempo e este espírito se apoderou dos que se imbuíram do exemplo e procuraram imitá-lo no limite de suas capacidades individuais e condições disponíveis.

Não foi um passeio chegar aos mil dias com o conjunto de obras e serviços entregues pelo Governo. A brutal escasse…

O DESAFIO DO ENSINO DE INGLÊS NA REDE PÚBLICA

Fazendo as contas completei 10 anos como articulista de jornais, escrevendo artigos de opinião. Destaco o Jornal Pequeno como espaço privilegiado para compartilhar minhas reflexões sobre temas de interesse e questões contemporâneas que merecem ser debatidas. Os artigos acumulados já resultaram em quatro livros: “Planejamento que marca caminhos”, “A alternância do poder político no Maranhão”, “Crítica à indiferença: política, ciência e educação” e “Ciência e educação como agentes de desenvolvimento”.
Dando continuidade a essas reflexões abordo hoje o problema do ensino de inglês na rede pública. O British Council publicou a pesquisa “O ensino de inglês na educação pública brasileira” apresentando os aspectos institucionais, o contexto escolar, o perfil dos professores e os desafios para o ensino desse idioma.
Uma primeira conclusão importante é que o ensino de inglês não é uma diretriz obrigatória nos documentos que regulam a educação, seja na esfera federal, seja nas esferas estaduai…