sábado, 23 de janeiro de 2016

PRIMEIROS RESULTADOS DO AULÃO DO ENEM



Jhonatan Almada, historiador


O Maranhão está prestes a dar um ousado passo no âmbito da educação profissional e tecnológica, ao iniciar as aulas das três primeiras unidades do Instituto Estadual de Educação, Ciência e Tecnologia (IEMA). Ousado por que criamos uma nova instituição educacional como contraparte estadual do esforço que a União já desenvolve com os institutos federais. As unidades do IEMA de São Luís, Pindaré-Mirim e Bacabeira nascem com infraestrutura escolar muito boa, corpo docente e diretivo selecionado, novo modelo pedagógico com ensino médio integrado em tempo integral.

A criação da rede estadual de educação profissional e tecnológica é um investimento estratégico de longo prazo alicerçado na política estruturante mais relevante e poderosa em termos de promoção social – a educação. Alguns atores políticos locais insistem com a tese de que não há política estruturante ou de longo prazo no Governo Flávio Dino, afirmação que só se sustenta por que não conhecem o programa de governo, não participaram com qualquer ideia tornada programa público atualmente e estão preteridos politicamente. É uma velha tática, melhor dizer que não tem do que reconhecer nunca ter feito.

Em paralelo a essa política estruturante, temos as medidas urgentes de curto prazo. Na oportunidade da divulgação dos resultados do ENEM 2015 quero comentar uma delas, os Aulões do Enem realizados no âmbito do Programa Pré-Universitário (PreUNI) pela Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação (SECTI).

Os Aulões do ENEM alcançaram um público de mais de 15 mil pessoas em 22 municípios do estado. Foram revisados os conteúdos das áreas de Linguagens e Códigos, Ciências Humanas, Matemática, Ciências da Natureza e Redação. Cada aluno participante recebeu uma apostila impressa por área de conhecimento, além de acessar vídeos e questionários no aplicativo PreUNI para celular. Os Aulões foram ministrados por professores com experiência em cursinhos pré-vestibular, a maioria deles também pertencentes à rede pública de ensino. 

A aceitação pública e participação dos estudantes ficou registrada em auditórios e quadras lotados, gestantes ou mães lactantes que levavam seus filhos com grande esforço pessoal para continuar os estudos. Muitos desses jovens nunca tiveram acesso a um cursinho e em uníssono sublinhavam isso. Os estudantes foram mais rápidos que as instituições. Após a realização dos Aulões ainda recebíamos demandas de prefeituras, secretarias e associações, as quais ficaram para esse ano com a nova edição do programa.

Fizemos um levantamento amostral preliminar no universo de alunos atendidos. Solicitamos a cada um, caso considerasse ter o Aulão contribuído para seu desempenho no ENEM, que nos informasse a nota obtida. Centenas responderam, o que nos permite algumas inferências. A maioria com notas acima da média de 450 pontos, necessários para a obtenção do FIES. Inúmeros casos com notas acima de 700 pontos, além de depoimentos impressionantes. 

Tenho consciência que o Aulão do ENEM não resolverá o problema estrutural do ensino médio público, nunca foi pensado para tal, mas isso não nos impede de reconhecer que contribuiu para os resultados obtidos pelos alunos, como os próprios afirmam em suas devolutivas. As respostas vão de Douglas Oliveira que alcançou 658 pontos e passou em 5º lugar no Curso de Economia da Universidade Federal do Piauí (UFPI) a outros que reconheciam não terem obtido boas notas, mas mesmo assim registravam agradecimentos pelo incentivo e a oportunidade. 

Compreendendo que acertamos e muito ao realizar o Aulão do ENEM, encerro com o depoimento de Gustavo Roberth Cruz Gomes: 
“Primeiramente quero agradecer pela oportunidade oferecida no Aulão, de revisar todos os conteúdos com com professores de excelência em cada disciplina, focando em assuntos específicos, que geralmente estão presentes no Enem e vestibular da Uema, oportunidade esta nunca vista aqui no Maranhão, e que todos que tenho certeza que, todos que participaram aproveitaram ao máximo os recursos oferecidos. Minha pontuação geral no Enem foi aproximadamente 642 pontos. Consegui uma vaga para os cursos que eu desejo, tanto na Uema no Curso de Engenharia da Computação, e pelo SISU, estava classificado na última atualização em 4° lugar na minha cota no Curso de Ciência da Computação, alcançando minha desejada vaga, como eu idealizava. Enfim, obrigado pela oportunidade de participar do Aulão do Enem, espero que tenha mais edições ao longo dos anos que virão, para auxiliar aqueles alunos que se empenham a estudar um pouco mais e também a se testar, de pouco a pouco a cada ano, tentando melhorar os déficits que foram sentidos na educação do Maranhão ao longos dos últimos anos, andando a passos modestos e efetivos, corrigir os erros do passado e que daqui pra frente possamos realmente mudar a realidade do nosso Maranhão.”

45 ANOS DAS VEIAS ABERTAS DA AMÉRICA LATINA



Jhonatan Almada, historiador


Este ano o livro “Veias Abertas da América Latina” completa 45 anos de lançamento. Talvez a obra mais continental de Eduardo Galeano (1940-2015), certamente a mais reconhecida por todos os círculos intelectuais de esquerda. O livro faz um balanço histórico fundamental de nossa colonização e reiterados colonialismos. Leitura de muitos jovens universitários é impossível não repensar o papel de nossos colonizadores e a exploração das potências que lhes sucederam, oprimiram as culturas originárias e nos legaram uma visão subserviente, deslumbrada com o chamado mundo desenvolvido e enormes desconfianças entre nós mesmos, dificultando nossa cooperação e integração solidária.

Eduardo Galeano tem uma obra muito maior que este livro, mas a vida toda e em todo lugar sempre foi inquirido a rever as ideias ali apresentadas. Lançado em 1971 no terrível ciclo de ditaduras da América Latina o livro carrega nas suas tintas sobre nossa história, entretanto, não inventa fatos. Entre 1973 e 1985 Galeano viveu no exílio, sonhava em ser jogador de futebol como todo uruguaio de sua geração, mas para o engrandecimento das letras latinas se tornou escritor. 

Em 2014, um ano antes de morrer, declarou que não teria condições de reler esse livro cujo estilo seu corpo atual não suportava mais, dormiria até. Essa declaração dada em uma Feira do Livro de Brasília despertou uma onda de direita que nunca gostou do livro e uma onda de esquerda que o considerava ímpar. Basta ler livros escritos bem depois, como “Espelhos – uma história quase universal”, cuja primeira edição é de 2008 e ali consta o mesmo Galeano, não no sentido físico, mas de escritor:

“Os peregrinos do Mayflower ouviram: Deus dizia que a América era a Terra Prometida. E os que viviam lá eram surdos? Depois os netos daqueles peregrinos do norte se apoderaram do nome e de todo o resto. Agora, americanos são eles. E nós, que vivemos nas outras Américas, o que somos?” 

Em linhas gerais extraíram do que Galeano disse aquilo que gostariam ter ouvido. O que fica patente é a contribuição do livro “As Veias Abertas da América Latina” ao evidenciar a exploração colonial e seus fortes desdobramentos ao longo de nossa história. Isso independente da vontade do próprio autor. O livro não nos pertence mais depois que publicamos, se soma ao legado da humanidade no infindável repositório cultural a ser transmitido por gerações, sobretudo quando lemos: 

“A causa nacional latino-americana é, antes de tudo, uma causa social: para que a América Latina possa renascer, terá de começar por derrubar seus donos, país por país. Abrem-se tempos de rebelião e mudança. Há aqueles que creem que o destino descansa nos joelhos dos deuses, mas a verdade é que trabalha, como um desafio candente, sobre as consciências dos homens.”

A propósito da passagem desses 45 anos, a Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação do Maranhão lançou edital do Concurso Eduardo Galeado de Redação com o tema “Ciência e tecnologia integrando a América Latina”. O edital pode ser acesso em Podem participar estudantes de ensino médio e de graduação de qualquer dos países do continente. Os textos de máximo uma página e meia podem ser enviados em português ou espanhol para o e-mail eduardogaleano@secti.ma.gov.br.

Translate

Minha lista de blogs