Pular para o conteúdo principal

Carta aberta à FAPEMA

São Luís, 18 de novembro de 2013



Ilma. Sra.
PROFª. DRª. ROSANE NASSAR MEIRELES GUERRA
Presidente da FAPEMA


Senhora Presidente,


Fui bolsista de iniciação científica desta instituição nos termos do Edital Nº 6/2004 e bolsista de mestrado conforme Edital Nº 12/2010, constando do quadro de colaboradores da FAPEMA deste então. Continuo vinculado ao Grupo de Estudos e Pesquisas em Políticas de Educação Básica do Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal do Maranhão (UFMA) e atualmente integro a carreira técnico-administrativa dessa Universidade, como Técnico em Assuntos Educacionais (TAE).

Inscrevi-me no Edital Nº 04/2013 – APEC-FAPEMA e minha postulação ao auxílio não foi recomendada pelo comitê de julgamento considerando que eu não atendi ao item 3.2 do referido edital. Este item explicita que “A solicitação de apoio deverá ser individual para alunos de pós-graduação e professores”. Claramente o item não implica em exclusividade da solicitação, isto é, não implica que só poderão se inscrever alunos de pós-graduação e professores, mas sim que estes deverão fazer suas solicitações de forma individual.

É importante ressaltar que o trabalho que iria ser apresentado e para o qual foi solicitado o auxílio APEC faz parte da Dissertação de Mestrado financiada por esta Fundação, com o título “Planejamento Público e Educacional no Brasil: uma análise das relações entre planejamento e educação”, disponível na base de teses e dissertações da CAPES e da UFMA.

Considero de fundamental importância que a FAPEMA deixe claro nos seus editais que somente professores e alunos de pós-graduação podem solicitar os auxílios oferecidos, evitando o erro de interpretação acima aludido ou possa adotar uma postura alternativa em relação ao público que não se enquadra nesses requisitos.

Por oportuno, compartilho e submeto à apreciação de Vossa Senhoria, o entendimento de que essa Fundação deveria estabelecer uma política específica para o público que conclui o Mestrado e ainda não está cursando o Doutorado, bem como para o público da carreira técnica possuidor de titulação acadêmica e vinculado a grupos de pesquisa e a projetos de pesquisa em andamento, os quais se encontram em certo limbo no que diz respeito ao apoio à pesquisa.

Essa medida, certamente, daria maior sentido ao termo “colaborador” que nos é atribuído no PATRONAGE, possibilitando-nos contribuir efetivamente com as atividades demandadas pela Fundação, como a produção de pareceres, solicitação de auxílios e submissão de projetos de pesquisa (similarmente ao que ocorre com os professores do Ensino Médio, modalidade BIC Jr e aos professores universitários com título de Mestre, modalidade BIC).

Existe uma discussão nacional em andamento organizada pelo quadro de Técnicos em Assuntos Educacionais das Instituições Federais de Ensino Superior (IFES) sobre a especificidade da carreira e do trabalho que desenvolvemos. Parte significativa desse quadro tem elevado sua titulação acadêmica (Mestrado/Doutorado), participando ativamente de grupos de pesquisa e desenvolvendo projetos.

Sinaliza-se com esse movimento que a produção da pesquisa no Brasil, como de fato ocorre na maioria dos países cientificamente avançados, não é exclusividade dos que exercem o magistério do ensino superior. Ampliar essa perspectiva seria uma contribuição oportuna e fecunda da FAPEMA a essa discussão.

Destaco que essa mesma carta foi encaminhada ao Presidente anterior e não obteve resposta até a presente data, o que motivou esse novo encaminhamento agora na forma de carta aberta.


Cordialmente,

 

Jhonatan Uelson Pereira Sousa de Almada
Técnico em Assuntos Educacionais
PROEN/DEDEG/UFMA

Comentários

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Postagens mais visitadas deste blog

MIL DIAS DO GOVERNO FLÁVIO DINO

O Governo Flávio Dino completou mil dias de efetivo exercício nesta semana. Quem está imerso no enfrentamento dos grandes problemas do Maranhão sabe do significado deste número. O semióforo dos mil dias oportuniza fecunda reflexão sobre o que tem sido feito pelo Governo do Maranhão em conjuntura adversa e drástica do Brasil.

Quando assumiu o governo, Flávio Dino decidiu imprimir ritmo de campanha na ação do Poder Executivo acostumado a formas tradicionais de agir ou paralisado pelos tecnicalismos vazios. Podemos resumir isso em uma frase: o governador que trabalha mais de 12 horas por dia e atravessa madrugadas no encalço de suas metas e dos responsáveis por elas. Nunca teci elogios sem fundamento. Não se pode perder tempo e este espírito se apoderou dos que se imbuíram do exemplo e procuraram imitá-lo no limite de suas capacidades individuais e condições disponíveis.

Não foi um passeio chegar aos mil dias com o conjunto de obras e serviços entregues pelo Governo. A brutal escasse…

O DESAFIO DO ENSINO DE INGLÊS NA REDE PÚBLICA

Fazendo as contas completei 10 anos como articulista de jornais, escrevendo artigos de opinião. Destaco o Jornal Pequeno como espaço privilegiado para compartilhar minhas reflexões sobre temas de interesse e questões contemporâneas que merecem ser debatidas. Os artigos acumulados já resultaram em quatro livros: “Planejamento que marca caminhos”, “A alternância do poder político no Maranhão”, “Crítica à indiferença: política, ciência e educação” e “Ciência e educação como agentes de desenvolvimento”.
Dando continuidade a essas reflexões abordo hoje o problema do ensino de inglês na rede pública. O British Council publicou a pesquisa “O ensino de inglês na educação pública brasileira” apresentando os aspectos institucionais, o contexto escolar, o perfil dos professores e os desafios para o ensino desse idioma.
Uma primeira conclusão importante é que o ensino de inglês não é uma diretriz obrigatória nos documentos que regulam a educação, seja na esfera federal, seja nas esferas estaduai…

OBAMA NO BRASIL II

Acredito que qualquer político em início de carreira deve ser alvo de muitas depreciações, seja porque não lhe reconhecem como tal, seja porque sempre minimizam o trabalho realizado como algo banal ou simplório. Assim imagino a reação ao Obama dos primeiros anos, começando seu agir político nas comunidades, atuando em prol da organização das pessoas para resolverem os problemas mais agudos que lhes afetam.

A incapacidade de reconhecer tem raiz no apagamento do outro, enxergar no outro não um parceiro e igual, mas um mero semovente útil para determinadas tarefas e circunstâncias. Os tempos de mentiras aceleradas pela velocidade dos fluxos de informação constroem biografias precoces e também desumanizam abruptamente. Agradecer é reconhecer, pois não se constrói nada duradouro sem a participação de muitos outros, anônimos ou cavaleiros marginais, à margem, mas cavaleiros. Cada um traz seu tijolo para o edifício da história.

A comparação é um recurso comum para nos posicionarmos sobre q…