Pular para o conteúdo principal

A farsa dos Seminários de Lideranças

A farsa dos Seminários de Lideranças (remake do planejamento autoritário)

Durante o Governo Jackson Lago (2007-2009) o planejamento público no Maranhão foi democratizado, porém esse processo de democratização não foi concluído, devido ao golpe judicial perpetrado pela oligarquia Sarney, prestes a completar meio século de hegemonia por estas bandas do Brasil.

A matéria da revista Veja, sobre o Sarneyquistão não é novidade, pelo menos para os que participaram do governo referido. Tínhamos clareza a partir dos estudos técnicos de regionalização e do ciclo de estudos do Imesc da situação problemática e vínhamos implementando as estratégias de superação, entre elas e a principal, a democratização do Estado. No entanto, para os Sarney e seus asseclas errado é o IBGE! (isso é cômico e trágico)


O planejamento público foi construído por intermédio de quatro consultas populares. A primeira reuniu mais de 1.200 participantes na forma de 19 oficinas regionais adotando a metodologia do planejamento estratégico. Os participantes foram lideranças comunitárias, membros da sociedade civil, dos movimentos sociais, sendo que os representantes governamentais eram minoria. A segunda reuniu público similar na forma de 32 oficinas regionais, aperfeiçoando e redirecionando as discussões das primeiras. A terceira foram os fóruns da Sociedade Civil com o Governador, foram quatro fóruns regionais, reunindo mais de 5 mil participantes. A quarta foi a consulta com mais de 80 especialistas, intelectuais, técnicos, que construíram o planejamento de longo prazo.


Todos esses trabalhos foram publicados na forma de livros e disponibilizados na internet para acesso público e irrestrito. Eles serviram de base para a elaboração do Plano Plurianual 2008-2011, cuja vigência finda no ano em curso. Os trabalhos foram publicados nos sites institucionais do Imesc e da Seplan. Não se sabe por quanto tempo ficarão on-line para registro e memória.


O Governo Roseana Sarney (2010-2014) vem realizando algo chamado de "Seminários de Lideranças", nos quais consultam somente os prefeitos e prefeitas de cada região sobre suas demandas. A denominação já é complicada. Seminário não é, a rigor, um espaço de debates, mas sim de exposição e apresentação de palestrantes. E pelo que tem sido publicado no jornal oficial da oligarquia, alguns secretários vão palestrar para um auditório de prefeitos, e só.


As diferenças desse processo em relação ao realizado no Governo Jackson Lago são flagrantes. Primeiro, o público foi restringindo ao máximo. Só falam (se é que falam), os prefeitos e prefeitas. Ninguém dos movimentos sociais, da sociedade civil organizada, das lideranças comunitárias locais. Segundo, não possuem nenhuma metodologia de planejamento. O próprio nome do evento já diz muita coisa. Os representantes da oligarquia vão dizer aos prefeitos o que irão fazer e estes emprestam alguma legitimidade para a questionável "consulta popular" que servirá de base para a elaboração do Plano Plurianual 2012-2015. Terceiro, as estratégias e as ações já estão definidas antecipadamente (antes da consulta!) pelos iluminados da oligarquia Sarney, pretensa "elite técnica" (no máximo uma sub-elite!). Leia-se o site da Secretaria de Planejamento.


Por tudo isso, os Seminários de Lideranças são uma farsa. Não possuem participação autêntica e popular. Não possuem metodologia, no máximo slides esteticamente bem construídos no Power Point. E buscam legitimar um planejamento construído sem ouvir os sujeitos sociais envolvidos.


Como dissemos em artigos anteriores, o planejamento autoritário está de volta e agora com força total. Nunca haverá participação de fato e concreta no planejamento da oligarquia Sarney. Onde está o chamado Plano de Desenvolvimento Estrutural que propagandearam em 2009? E para que essas consultas se já lançaram no documento "O Maranhão e a nova década" tudo que irão fazer nos próximos dez anos? A história não se repete. O governo Roseana Sarney, como nos mandatos anteriores, vive em uma realidade virtual, escondendo a todo custo a realidade farsesca e trágica que lhe sustenta.

Por Jhonatan Almada, historiador.

Comentários

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Postagens mais visitadas deste blog

Neiva Moreira, semeador das rebeldias

PORQUE ATACAM O PROGRAMA ESCOLA DIGNA?

Jhonatan Almada, Reitor do IEMA e ex-Secretário de Ciência, Tecnologia e Inovação

As crianças do Povoado Peritoró dos Pretos não podem estudar o sistema solar como as crianças das escolas particulares da capital?
O problema educacional brasileiro, ao contrário do que muitos afirmam não se reduz à qualidade do ensino. Temos problemas ligados ao acesso (ausência de vagas em creche, pré-escola e no ensino médio), a permanência (evasão no ensino fundamental e ensino médio), ao aprendizado (baixa proficiência de português, matemática e ciências) e ao sucesso escolar (poucos concluem e progridem entre as etapas). Esse é um resumo da situação brasileira que se agrava ou se repete nos estados e municípios.
Todos os anos os sistemas federal, estaduais e municipais de ensino investem bilhões de reais em salários, equipamentos e formações. É possível questionar o monitoramento dos resultados e da qualidade desses investimentos, mas não o fato deles acontecerem. Os principais diferenciais do governo…

LULA E A ESPERANÇA APRISIONADA

Jhonatan Almada, Reitor do IEMA e ex-Secretário de Ciência, Tecnologia e Inovaçao
Lembro o distante ano de 1994 da campanha Lula Lá. Arrepiante jingle que não se esquece. Foi em 2003 que essa música virou governo e um mar de gente nunca antes visto ocupou o Palácio do Planalto, 2003-2010 foi um período de prosperidade, crescimento e inclusão social para o Brasil.
Cena um. Lula nos braços do povo. Cena dois. Lula tenta se entregar voluntariamente à Polícia Federal para cumprir sua condenação. Cena três. O povo impede a saída do carro com Lula. Cena quatro. Após horas de resistência cívica e negociação, Lula sai a pés do Sindicato dos Metalúrgicos e se entrega. A força popular de Lula elevou sua estatura ante o arbítrio dos pequenos tiranetes de Curitiba.
Li “A verdade vencerá”, livro com entrevista antológica de Luís Inácio Lula da Silva, registra seu legado e ao mesmo tempo suas propostas caso pudesse exercer outro mandato de Presidente da República. Lula enfrenta novo teste de fogo da…