Pular para o conteúdo principal

Quem quer saber quem quer liquidar Sarney?


Quem quer saber quem quer liquidar Sarney?
Desentranhado das idéias levantadas por Walter Pomar em Quem quer liquidar Sarney?


Por Jhonatan Almada

É inacreditável. Essa troca de debate, essa mudança de foco, do particular para o geral, trocar o acessório pelo essencial serve a uma política amoral e sem ética que a sociedade, especialmente os que exerçam sua cidadania virtual, não aceitam mais.

O ano mágico de 2010 é utilizado como justificativa da mais abastardada forma de fazer política que se conhece.

Não creio que alguém seja bobo o suficiente para acreditar que uma expiação coletiva do Senado brasileiro é mais viável do que a punição exemplar da liderança da choldra, na pessoa do Sr. José Sarney.

Imaginar que uma conspiração armada contra o Governo Lula e as conquistas advindas de sua gestão, em sacrifício de uma radicalização da democracia brasileira e da nossa cansada inteligência, possa justificar a defesa do Sr. Sarney, invertendo os pólos do debate: atacando a instituição e não os seus integrantes que praticaram as imoralidades publicamente conhecidas. Isso é no mínimo um tremenda brincadeira de mau gosto.

A questão não é a instituição do Senado, são os senadores que praticaram ilegalidades e imoralidades, dentre eles, os que lideraram e lideram essas práticas, entre estes o principal - o presidente do Senado, José Sarney.

O resto e o mais é que guardam objetivos escusos. Sou da opinião que a dignidade da minha cidadania não está a serviço de candidatura ou projeto de poder, a ponto de jogá-la na latrina.

Comentários

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Postagens mais visitadas deste blog

O MARANHÃO ILUMINA CAMINHOS PARA O BRASIL

Jhonatan Almada, historiador

2016 foi um ano extremamente difícil para o Brasil e para o Maranhão em particular. Retrospectiva evidenciará que a permanente instabilidade política do país não encontrou fim e a superação da crise econômica não chegou. A crise do pacto de poder(que vigeu até 2014)e a inexistência de projeto nacional empurraram-nos para 2017 com grandes incertezas e falta de clareza no horizonte.
Nesse cenário, o Maranhão se tornou raríssima exceção quanto ao desempenho das políticas públicas ampliando o acesso a direitos e estimulando a economia estadual, equilíbrio perdido no âmbito de governos como Rio de Janeiro, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Goiás, Paraná, Tocantins e Distrito Federal que parcelam ou atrasam salários, não pagam fornecedores, fecham órgãos e serviços públicos. 
O Governo do Maranhão ganhou fôlego para enfrentar as incertezas de 2017 graças à economia de R$ 300 milhões em 2015-2016 advinda do corte de supérfluos, luxos, aluguéis de veículos e imóveis,