Pular para o conteúdo principal

Quem quer saber quem quer liquidar Sarney?


Quem quer saber quem quer liquidar Sarney?
Desentranhado das idéias levantadas por Walter Pomar em Quem quer liquidar Sarney?


Por Jhonatan Almada

É inacreditável. Essa troca de debate, essa mudança de foco, do particular para o geral, trocar o acessório pelo essencial serve a uma política amoral e sem ética que a sociedade, especialmente os que exerçam sua cidadania virtual, não aceitam mais.

O ano mágico de 2010 é utilizado como justificativa da mais abastardada forma de fazer política que se conhece.

Não creio que alguém seja bobo o suficiente para acreditar que uma expiação coletiva do Senado brasileiro é mais viável do que a punição exemplar da liderança da choldra, na pessoa do Sr. José Sarney.

Imaginar que uma conspiração armada contra o Governo Lula e as conquistas advindas de sua gestão, em sacrifício de uma radicalização da democracia brasileira e da nossa cansada inteligência, possa justificar a defesa do Sr. Sarney, invertendo os pólos do debate: atacando a instituição e não os seus integrantes que praticaram as imoralidades publicamente conhecidas. Isso é no mínimo um tremenda brincadeira de mau gosto.

A questão não é a instituição do Senado, são os senadores que praticaram ilegalidades e imoralidades, dentre eles, os que lideraram e lideram essas práticas, entre estes o principal - o presidente do Senado, José Sarney.

O resto e o mais é que guardam objetivos escusos. Sou da opinião que a dignidade da minha cidadania não está a serviço de candidatura ou projeto de poder, a ponto de jogá-la na latrina.

Comentários

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Postagens mais visitadas deste blog

MIL DIAS DO GOVERNO FLÁVIO DINO

O Governo Flávio Dino completou mil dias de efetivo exercício nesta semana. Quem está imerso no enfrentamento dos grandes problemas do Maranhão sabe do significado deste número. O semióforo dos mil dias oportuniza fecunda reflexão sobre o que tem sido feito pelo Governo do Maranhão em conjuntura adversa e drástica do Brasil.

Quando assumiu o governo, Flávio Dino decidiu imprimir ritmo de campanha na ação do Poder Executivo acostumado a formas tradicionais de agir ou paralisado pelos tecnicalismos vazios. Podemos resumir isso em uma frase: o governador que trabalha mais de 12 horas por dia e atravessa madrugadas no encalço de suas metas e dos responsáveis por elas. Nunca teci elogios sem fundamento. Não se pode perder tempo e este espírito se apoderou dos que se imbuíram do exemplo e procuraram imitá-lo no limite de suas capacidades individuais e condições disponíveis.

Não foi um passeio chegar aos mil dias com o conjunto de obras e serviços entregues pelo Governo. A brutal escasse…